Como escolher o melhor meio de pagamento para seu e-commerce

Entendo que escolher o meio de pagamento seja um assunto extremamente importante e relevante, mas conversando com os lojistas de e-commerce noto que muitos não se atentam a isso. Mas existem alguns pontos de atenção importante no momento de optar por um meio de cobrança, tais como:

-> Será que esse é o meio de pagamento correto para o modelo de negócio do seu e-commerce?

-> Será que o consumidor final está tendo a melhor experiência de compra ali?

-> Será que mais de um meio de pagamento na mesma loja online ajuda ou atrapalha a escolha do consumidor ?

-> E a conversão de pagamento, você está medindo? E pior, está medindo corretamente? E ainda, será que mais de um meio de pagamento influencia nessa conversão?

Sei que muitas dessas questões que envolvem meios de pagamento são complexas, confusas e difíceis de entender e algumas vezes até de acreditar em quem está vendendo o produto, mas aí vem o ponto de atenção: será que não é hora de testar algo novo?

Como escolher o melhor meio de cobrança para meu e-commerce

Você pode mudar de player, incluir um novo como opção e retirar o que não representa conversão nenhuma e só está lá poluindo visualmente a página, já pensou nisso?

Isso se faz necessário para medir os resultados com maior assertividade e compreender melhor o próprio negócio através do órgão principal, o coração, que é o meio de pagamento, a opção que seu cliente escolheu, que “teoricamente” vai se arriscar ao comprar na sua loja, pelo impulso de querer o produto que seu e-commerce vende.

Mas, como saber se seu meio de pagamento, de fato, te ajuda na conversão de vendas?

Analise a conversão de pagamento

Desde que sua loja está no ar, quantas compras reprovadas você já teve?
Sua operadora de cartão de crédito retornou um código que você entenda o motivo?

Precisamos estar sempre atualizados em relação às novas tecnologias e produtos existentes no mercado para entender a melhor solução para nosso negócio.

Quando se inicia um e-commerce, ainda pequeno temos a tendência a optar por um subadquirente por ser uma solução mais prática, que integra rápido, aceita todas as bandeiras de cartão, boleto e antifraude.

Mas, será que essa é a solução solução perfeita?
Não!!!

  • Tem muitas desvantagens aí que, quando não entendemos do negócio, caímos facilmente. Como:
    Altas taxas;
  • Cobrança para transferência de valores ou abertura de contas nos players;
  • Baixa conversão comparada ao mercado em geral, em muitos casos checkout;
  • Redirecionado para página externa;
  • Antifraude incluso (porém terceirizado e com análises apenas automáticas);
  • Não sair o nome da loja na fatura do cliente (motivo de 80% dos chargebacks) e entre outras.

E o gateway, é para o meu negócio?

Em 90% dos casos, Sim!!! Facilita a vida!!! E aí você me pergunta, por quê?

Principalmente porque utilizando o gateway, você tem liberdade para escolher os demais fornecedores de serviço do seu e-commerce, como:

Qual adquirente é a sua preferida (por taxa, bandeiras, facilidade, portal, etc)
Qual antifraude você vai utilizar
Integração com ERP’s e qualquer outra solução que adicione na sua loja, sabendo qual player está te atendendo.

Daí, você pode me perguntar “Ah, mas se eu integrar direto com a minha adquirente é melhor, assim não preciso pagar os centavos por transação que o gateway me cobra e não tenho mensalidade, nem setup, não é mesmo?”

Sim, verdade!!!

Mas a adquirente não tem nenhum produto que o gateway oferece para melhorar a conversão de pagamentos e nem recuperar as vendas, além das facilidades de multimeios de pagamentos ou compra com um clique.

Além disso, terá que desenvolver uma integração própria e ficará com restrições de bandeiras dependendo do caso.

E então, assim com a nossa saúde, vale você fazer um um checkup de tempos em tempos para ter certeza que o coração do seu e-commerce (o meio de pagamento) continua forte.

DICA: Para calcular a conversão das opções de pagamento é necessário dividir o número de pedidos aprovados pelo total de pedidos realizados em determinado período de tempo. Por exemplo: se de 100 clientes que finalizam a compra, apenas 65 são aprovados, temos uma conversão de pagamentos de 65% – o que é considerado baixo para um e-commerce.

O ideal seria alcançar no mínimo 80%. Então precisamos entender os motivos de retorno dessas não efetivações para que você entenda se, de fato, a solução que você usa atende o que você precisa.

Especialista em E-commerce e pagamentos na Vindi. Camilla é pós-graduada em Gestão e Estratégias em Comércio Eletrônico e com mais de 8 anos de experiência na área digital. Já atuou em startups, compras coletivas e empreendeu com o seu próprio e-commerce.

Você vai gostar também

E-commerce: 7 dicas rápidas para você ainda aprove... A Copa do Mundo é o assunto do momento. E você, está focado em quê? Você pode estar pensando “Mas eu não vendo TV, nem camisa de seleção ou artigos es...
8 segredos de uma descrição de produto para e-comm... Criar uma descrição de produto para e-commerce perfeita requer alguns cuidados essenciais. Mas não se preocupe, aqui listamos os principais para você!...
Panorama de desempenho do e-commerce em 2017 A ideia deste post é demonstrar alguns resultados do e-commerce 2017 no Brasil através de dados do primeiro semestre e deixar a pergunta: o resultado ...
10 gatilhos mentais que vão turbinar as vendas do ... Gatilhos mentais são técnicas capazes de produzir determinados efeitos emocionais em um público-alvo, que podem ser aplicadas de diversas maneiras em ...