O consumo no ano de 2020 está sendo marcado pelas compras online. Como o distanciamento social levou as pessoas para dentro de casa, houve um consequente aumento do consumo pela internet. 

Segundo o levantamento da Ebit/Nielsen, o faturamento das lojas online cresceu 47% só no primeiro semestre de 2020, em comparação ao mesmo período do ano passado. Dentro desse número, 7,3 milhões de brasileiros compraram online pela primeira vez!

E a Black Friday se aproxima e promete movimentar ainda mais o e-commerce, já que 58% dos consumidores declararam ter interesse em consumir na ocasião por meio das compras online. 

Mas, neste cenário, também aumentou exponencialmente a ação de criminosos cibernéticos, que estão aplicando diversos golpes de phishing, engenharia social e invasão de contas, além de fraudes em meios de pagamento e lojas virtuais.

Fraudes em alta em 2020

Segundo dados da Konduto, que é especialista em sistemas antifraude, o mês de março deste ano registrou a maior taxa de tentativas de fraude no semestre: a cada 100 compras feitas no Brasil, no mês, 4 tiveram origem ilegal. O que representa uma taxa de 3,99% de tentativas de fraude.

O ano começou com taxas dentro da normalidade (janeiro com 2,78% e fevereiro com 3,05%). Mas, na média, a taxa de tentativa de fraudes no semestre ficou alta: 3,49%. Veja no gráfico abaixo o comparativo mês a mês:

Fonte: Konduto.

Os pedidos fraudulentos movimentam altos valores, com ticket médio de cerca de 600 reais. Isso gera enormes prejuízos quando não há prevenção.

Com a reabertura do comércio, ao contrário do que se esperava, o índice de fraudes em meios de pagamento se tornou ainda maior. Por isso, tanto consumidores quanto empresas devem ficar de olho nos principais tipos de golpes para se protegerem!

No post de hoje, vamos falar de alguns dos golpes e fraudes mais comuns, para você ficar atento e se prevenir para ter compras sempre seguras!

Raio-X das Principais Fraudes em Meios de Pagamento

Existem determinados tipos de fraudes em meios de pagamento bastante comuns no Brasil, que vêm sendo mapeadas por pesquisas e análises. Conheça as principais delas!

1. Fraude de apropriação de dados pessoais

Nessa fraude, o criminoso usa malware ou phishing (tipos de invasões virtuais a dados pessoais protegidos) para roubar a identidade, o acesso às contas bancárias ou aos dados do cartão de pagamento da vítima. 

A técnica mais comum usada nesse golpe é a organização criminosa se passar pelos bancos para pedir dados privados aos clientes, por e-mail ou Whatsapp. Eles solicitam, principalmente, senhas, atualização cadastral, dentre outras informações privilegiadas.

E, com essas informações em mãos, ele utiliza para realizar transações e compras em benefício próprio. Ou ainda, usa deliberadamente a identidade de outra pessoa para obter vantagens financeiras, crédito e outras vantagens em seu nome.

Como se prevenir ao phishing?

  • Siga sempre as orientações de segurança do seu banco, como nunca compartilhar a senha da sua conta ou do seu cartão;
  • Tenha em mente que as instituições financeiras confiáveis não solicitam informações pessoais ou detalhes de conta por e-mail e outros canais digitais fora do aplicativo bancário ou internet banking;
  • Antes de responder um e-mail pedindo algum tipo de informação de conta, ligue para a empresa para confirmar se estão realizando esse tipo de solicitação;
  • Exclua e-mails suspeitos e não responda o emissor. Não abra anexos ou links nesse tipo de e-mail, que podem conter vírus;
  • Tenha um antivírus instalado e atualizado na sua máquina, para barrar atividades suspeitas.

2. Boletos falsos

A fraude do boleto bancário se trata de um criminoso se passando por um vendedor ou uma empresa legítima, que envia boletos para a vítima pagar por determinado produto. 

A isca principal desse golpe costuma ser a venda de um produto por um preço muito atrativo, abaixo da média do mercado, ou com grandes descontos.

A vítima, acreditando ser uma oferta legítima, paga o boleto, que é falso, e nunca recebe o produto, ficando sem o dinheiro e sem a mercadoria. E ainda, o vendedor “some” e não recebe mais ligações ou mensagens.

Geralmente, o envio do boleto fraudado acontece por redes sociais, Whatsapp ou e-mail. E as vendas costumam ser negociadas fora de canais e plataformas oficiais de empresas idôneas.

O boleto falsificado pode ser muito parecido com um original e, até mesmo, usar indevidamente o nome de empresas de pagamento existentes.

Mas, na verdade, se bem analisado, a cobrança falsa possui diversas falhas e não segue os padrões do mercado, como explicaremos adiante.

Como se prevenir ao golpe do boleto?

No caso dos boletos, o consumidor deve ter toda a atenção para verificar se o boleto se trata de uma cobrança autêntica, antes de realizar o pagamento. Vamos te ensinar como diferenciar um boleto verdadeiro de um falso.

Veja a imagem ilustrativa abaixo e o que quer dizer cada um dos números em laranja:1. Banco: em um boleto verdadeiro, os 3 primeiros dígitos são o código do banco, como neste exemplo:

O código do Itaú é 341, o que se repete no início do código digitável. Isso demonstra um item correto no boleto.

2. O quarto número do código digitável é sempre 9, que representa a moeda brasileira;

3. Os próximos 25 números do código não seguem um único padrão;

4. O 30º número é apenas um dígito verificador;

5. Dígitos que representam a data de vencimento do boleto;

6. Últimos dígitos do código digitável são sempre iguais ao valor cobrado do boleto:

7. Borrões: analise sempre o código de barras, veja se existe algum problema de leitura, ou apresenta falhas na sua construção. Desconfie se o boleto tiver alguma informação não legível, como uma parte borrada, desfocada ou desalinhada, pois significa que ele pode ter sido adulterado.

Outros campos importantes do boleto para se verificar:
  • CNPJ: verifique se o boleto contém o CNPJ do vendedor, pois esse é o padrão do mercado.
    A Vindi, por exemplo, não opera para pessoas físicas. Portanto, todos os nossos clientes que utilizam boletos para vender para seus clientes possuem CNPJ válido, que deve constar no boleto e ser verificado pelo pagador em pesquisas online;
  • Nome do beneficiário: no momento do pagamento, observe o nome que aparecerá como beneficiário (o recebedor) na tela do caixa eletrônico ou do celular e confira com o nome do boleto. Caso os nomes não batam, não efetue o pagamento. O mesmo é válido para os dados da sua compra e da loja escolhida – caso haja qualquer divergência, não pague o boleto e denuncie.
Negociações suspeitas de boleto

Além de verificar todos esses campos do boleto, sempre se previna a negociações suspeitas, como:

  • Atenção aos preços muito abaixo do mercado: pessoas mal-intencionadas utilizam essa estratégia para iludir compradores e não entregar nenhum produto;
  • PDF: Sempre que possível, solicite somente arquivos de boletos em PDF, pois são muito mais difíceis de serem adulterados;
  • Sempre opte por comprar e pagar dentro de sites de e-commerce. Se o vendedor te oferecer uma negociação fora do site, como em redes sociais e Whatsapp, alegando possíveis descontos, suspeite e evite
  • Quando receber qualquer boleto por e-mail, verifique sempre o emissor. Por exemplo, todos os boletos da Vindi são enviados através do domínio @vindi.com.br, e isso deve acontecer com outras empresas de pagamento também. Não aceite boletos de domínios suspeitos ou não reconhecidos;
  • Caso encontre o nome de mais de uma empresa de pagamento no boleto, desconfie, isso não é usual!

E, se você fez uma compra online e recebeu um boleto suspeito com o nome da Vindi, entre em contato com a nossa equipe pelo email: meajuda@vindi.com.br. Não realize o pagamento antes desse contato conosco, pois podemos avaliar a autenticidade do boleto para você se prevenir a fraude.

Atenção: A Vindi é apenas uma plataforma de pagamentos. Nós não realizamos venda de produtos para clientes finais, não retemos valores até o recebimento do produto e não somos responsáveis por processos de devolução de valores de processos fraudulentos.

3. Roubo de dados de Cartão

Outras fraudes em meios de pagamento bem populares são as chamadas “Fraudes limpas”. Nela, os criminosos utilizam informações roubadas do cartão de pagamento para efetuarem compras, fazendo-se passar pelos verdadeiros portadores do cartão sem levantar suspeitas. Assim, manipulam as transações para burlar o sistema antifraude das lojas virtuais.

Além disso, há também o golpe do chargeback, que é feito até mesmo por titulares legítimos de cartões. Nele, o consumidor faz uma compra online usando seu próprio cartão de crédito ou débito e, após receber o produto ou serviço, solicita o estorno à operadora do cartão, alegando que sofreu um golpe. 

Mas é importante ressaltar que essa prática vem sendo fiscalizada pelas operadoras de cartão. Elas buscam identificar esse tipo de golpe e, normalmente, quando uma pessoa solicita chargeback, deve fazer diversas comprovações de que realmente houve um problema com a compra.

O que fazer quando sofrer fraudes em meios de pagamento?

Caso a prevenção não tenha sido suficiente e você venha a sofrer algum tipo de golpe em uma transação, saiba como agir:

  • Recupere os registros, comprovantes e protocolos para entrar em contato com a empresa e com o banco;
  • Caso haja fraudes em sua conta bancária ou cartão de crédito, comunique imediatamente seu banco para cancelar as transações e bloquear o cartão;
  • Registre o Boletim de Ocorrência na Delegacia mais próxima a você;
  • No caso de boletos fraudados, quem realizou a venda e o banco são os únicos que têm acesso aos dados do consumidor, por isso, eles devem ser acionados em primeiro lugar;
  • Caso não consiga resolver a questão, o indicado é procurar o Procon de sua cidade ou registrar uma reclamação no site do Ministério da Justiça
  • Outra opção é entrar com uma ação no Juizado Especial Cível (JEC) para buscar o ressarcimento e uma possível indenização por dano moral ou material, nos casos em que houver interrupção do serviço, negativação indevida e outros danos decorrentes da fraude.

Como as empresas podem vender online com segurança?

Existem práticas de segurança indispensáveis para quem tem um e-commerce. Confira as dicas para você proteger sua empresa e os seus clientes em uma transação online:

  • Esteja em conformidade com o PCI-DSS ou busque algum parceiro para operações;
  • Instale e mantenha uma configuração de firewall para proteção dos dados do titular do cartão;
  • Não use senhas padronizadas pelo fornecedor do sistema de segurança;
  • Use a criptografia para a transmissão dos dados do titular do cartão em redes abertas e públicas;
  • Proteja todos os sistemas contra malware e atualize regularmente programas ou softwares antivírus;
  • Busque um selo de segurança para seu e-commerce;
  • Insira processos de autenticação para o acesso aos componentes do sistema;
  • Acompanhe e monitore todos os acessos com relação aos recursos da rede e aos dados do titular do cartão;
  • Contrate uma ferramenta que teste regularmente as páginas do seu portal automaticamente buscando por falhas de segurança;
  • Tenha sempre uma ferramenta antifraude plugada em seu portal;
  • É importante deixar os dados da sua empresa disponíveis no seu site para o cliente verificar a idoneidade da sua marca.
  • Preze pelo checkout transparente no seu site, ou seja, que siga boas práticas e ocorra dentro do site, sem redirecionar o cliente para páginas externas. Isso é oferecido pelas melhores plataformas de pagamento para e-commerce, como a Vindi, e torna as transações menos suscetíveis a fraudes.

Certificado Digital

Além disso, utilize um certificado digital em seu portal, pois, com certeza, os consumidores prestam atenção no “s” em “https://” antes de fechar a compra. Mas, você sabe para que serve este certificado?

  • Garante que os dados serão criptografados por todo o caminho até seu portal;
  • Como os certificados estão associados ao seu domínio, o cliente vai saber que está no domínio correto;
  • Os motores de buscas levam em consideração o certificado de segurança para impulsionar o SEO do site.

Esse foi nosso pequeno guia para te ajudar a prevenir e combater fraudes em meios de pagamento, para que todos tenham compras seguras e tranquilas, seja na Black Friday ou em qualquer época do ano!

Ficou com mais alguma dúvida sobre segurança em compras online? Mande um email para meajuda@vindi.com.br.