Receba no seu e-mail as principais matérias publicadas no Blog Vindi

Category

Vídeos

Category

Como transformar uma única academia em uma das maiores redes do pais? Nesse vídeo, conversamos com Eduardo Jorge da Bluefit sobre engajamento, crescimento e como a Vindi ajudou a rede a se consolidar dentro do mercado fitness.

A rede saiu de 0 para milhares de clientes em pouco tempo e a estratégia da recorrência ajudou muito.

Cliente Case é uma série que conta histórias inspiradoras sobre negócios de sucesso em diferentes segmentos, mostrando como a Vindi pode ajudar no crescimento e consolidação de uma empresa.

Veja o material completo: https://docs.vindi.com.br/case-bluefit

INSCREVA-SE no canal: http://bit.ly/assine-vindi

Ano passado fizemos a sexta edição do Assinaturas Day e trouxemos muita gente legal. Antes de anunciar a aquisição do Smartbill (que entrou para o grupo da Vindi naquele mesmo dia), alguns dos empreendedores mais legais e que admiramos no país, subiram no palco para compartilhar as dores e desafios de crescer.

O Eric Santos da Resultados Digitais foi um dos convidados especiais. Vale muito assistir ao vídeo.

 

A demanda por profissionais do setor de tecnologia só cresce. E, parece que o cenário não vai ser diferente nos próximos anos. Porém, faltam pessoas qualificadas.

Um estudo encomendado pela IDC para a Cisco, apontou que o Brasil deve ser o país da América Latina que mais sofrerá com a falta desses profissionais. Em 2019, o número de candidatos disponíveis no mercado vai ser menor que a procura.

Chamamos a Juliane Vorussi, Head de Recursos Humanos, na Vindi para falar sobre o assunto em nosso quadro chamado papo recorrente. Aliás, se você ainda não se inscreveu em nosso canal do YouTube, aproveita! 🙂

banner-canal-youtube

O cenário  

O setor de tecnologia é específico e também o que mais cresce no Brasil (provavelmente no mundo). Por isso, a demanda de profissionais qualificados só aumenta, se tornando, muitas vezes, um grande desafio para quem trabalha no RH e precisa recrutar estes talentos.

Juliane comenta que essa contratação não deve ser apenas papel do RH. O gestor da área também precisa participar do processo. Pois, ele é quem mais pode ajudar a selecionar candidatos que possuem as competências técnicas necessárias para a vaga.

Vale lembrar que, além da formação e habilidade dos talentos, é muito importante considerar a cultura da sua empresa antes de contratar. Já que muitas vezes o candidato parece perfeito por sua competência, mas não se enquadra nos valores de sua companhia.

Isso, a longo prazo, pode criar grande frustração. Tanto para o candidato que entrou na empresa esperando algo diferente, quanto para a própria companhia; que precisará abrir um novo processo seletivo e gastar além de tempo, dinheiro.

Para Juliane, encontrar profissionais que já atuem no mesmo segmento da sua companhia pode ser uma boa forma de agilizar o processo. Pois ele já está por dentro do mercado e facilita a integração.

Modelos de contratação no setor de tecnologia

A contratação no setor de tecnologia não é específica apenas para encontrar talentos, mas também nos modelos de contrato.

Muitos deles trabalham, por exemplo, como autônomos ou terceirizados. Além disso, é comum que essa área tenha maior flexibilidade em horários ou mesmo façam seu trabalho de casa, no regime home office.

Essas peculiaridades são possíveis graças a uma reforma trabalhista mais recente, comenta Juliane em nosso bate-papo.

As principais dificuldades na contratação de profissionais de TI

Operando no modelo SaaS (Software as a service), a Vindi precisa ter profissionais altamente qualificados. E fazer essa contratação no setor de TI é um baita desafio.

As principais dificuldades apontadas por Juliane são:

  • Linguagem: não é fácil achar um profissional que entenda da linguagem técnica que você precisa;
  • Qualificação: embora a demanda seja alta, muitos talentos não possuem certificações necessárias para atuar na área;
  • Disputa: em um cenário que sobra vaga e falta candidato, não é fácil encontrar a pessoa certa.

Um dos principais cuidados sugeridos por Juliane para driblar essa situação é evitar um longo processo de seleção. Pois, nesse tempo é possível que outra empresa acabe fechando com o candidato.

Para acertar na contratação no setor de tecnologia, é importante encontrar os lugares e sites certos para divulgar suas oportunidades. E, se você não achar o perfil que precisa, Juliane deixa a seguinte dica: às vezes, vale a pena trazer alguém mais júnior e desenvolvê-lo.

Não deixe de assistir ao vídeo completo sobre contratação no setor de tecnologia e compartilhe sua opinião! Agora, se você é um profissional, bora trabalhar com a gente? É só se cadastrar nessa página. 🙂 

Cansados dos mesmos snacks disponíveis nos supermercados, o empreendedor Alberto Sasaki e sua esposa montaram a Best Berry, um clube de assinaturas saudável para quem quer receber em casa opções de lanches.

Em seu bate-papo com a gente, ele contou seus principais truques para crescer sua empresa, a importância da cobrança recorrente e também deu dicas para quem sonha em embarcar nesse mercado.

As vantagens de um clube de assinatura

Para Sasaki, a grande vantagem de um clube de assinatura em relação a um e-commerce é a proximidade que você consegue ter do seu cliente. Assim, é possível fazer uma comunicação muito mais personalizada e ter mais chances de fidelização.

Quando ele e sua esposa resolveram criar a Best Berry, eles enxergaram nesse mercado uma oportunidade, pois o público buscava produtos com mais personalidade. Sasaki comentou que, para seu negócio, a embalagem faz toda a diferença. Por isso, elas mudam todos os meses.

Para ele, se você tem uma loja virtual e consegue identificar um produto (ou serviço) que demanda uma compra recorrente, então pode ser uma boa oportunidade para montar um clube de assinaturas.

Quando a Best Berry começou, eles produziam os snacks na empresa e também eram responsáveis pela sua distribuição. Mas, com o tempo, o empreendedor e sua esposa perceberam que as duas atividades demandavam muito tempo.

Foi então que decidiram focar apenas na distribuição e encontrar fornecedores confiáveis. Com isso, eles também conseguiram se concentrar mais na construção de sua marca e estratégias de vendas.

Principais desafios

Sasaki trabalhou em bancos de investimentos antes de se tornar empreendedor. Nessa transição ele percebeu que quando se trabalha para uma marca já consolidada é muito mais fácil trazer clientes.

Ele destaca que no começo da empresa, é comum que você cometa muitos mais erros do que acertos, então é importante contratar pessoas com um alto poder de resiliência e motivação.

best berry

Próximos passos

Sasaki quer transformar o mercado de snacks, para que eles parem de ser vistos como supérfluos e se transformem em um produto de desejo.

A Best Berry quer seguir com um posicionamento muito mais ousado, tanto no mercado online como no offline. Segundo ele, hoje há um espaço muito grande no seu segmento, com demanda de varejistas que também querem vender os produtos da marca em pontos de venda físicos.

Esse deve ser o próximo passo da empresa. Mas Sasaki ressalta que quer manter o core de startup de tecnologia.

Como canais de aquisição, a Best Berry tem explorado diferentes possibilidades. Eles trabalham com lançamentos acompanhando, por exemplo, cada temporada do ano, como verão e inverno. Inclusive a empresa tem estado próxima a marcas de moda, um público que eles acreditam ter uma alta sinergia.

Importância de ter uma plataforma de cobrança

A Best Berry é hoje um dos principais parceiros da Vindi. Em nosso bate-papo, Sasaki contou que a grande vantagem que eles identificaram em contar com uma plataforma que automatiza todo o processo de cobrança é que eles não precisam mais perder tempo com esse assunto.

Podendo, assim, dedicar todos os seus esforços em outros desafios importantes para qualquer startup: a aquisição de clientes e a criação de sua marca.

“Aprender com os erros dos outros é muito mais barato”
– Alberto Sasaki

Para quem sonha em ter um clube de assinatura

Se o seu sonho também é ter um clube de assinaturas, anote aí as dicas que Sasaki compartilhou com a gente para quem está começando.

Supere expectativas

Você precisa oferecer algo a mais para o consumidor, superar as expectativas dos assinantes. Pois, ao fazerem parte de um clube, eles buscam novas experiências todos os meses.

Esqueça o ego

“Você precisa deixar seu ego dentro da gaveta”, comentou Sasaki. Pois ele faz com que você tome decisões que nem sempre são as melhores para a empresa.

Aprenda rápido

O tempo nunca está a favor de um novo empreendedor. Por isso, você precisa ter uma curva de aprendizado acelerada. Absorva o máximo de informações possíveis, de qualquer meio ou pessoa, não faça uma seleção.

Se você quiser conferir o bate-papo completo, é só dar o play no vídeo desse post.

venda-por-assinatura

O segmento fitness não para de crescer no Brasil. Estamos na “era saudável”. Cada vez mais as pessoas estão preocupadas em se alimentar bem e também a cuidarem de sua aparência.

Prova disso é que nosso país é considerado o segundo maior mercado de fitness do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos. A informação é da ACAD (Associação Brasileira de Academias) que também divulgou que já são mais de 30 mil academias espalhadas por todo o território nacional.

Se os dados são positivos, é preciso dizer também que não é nada fácil fazer a gestão de um espaço fitness. Todo gestor sabe que há grandes desafios para conseguir fazer seu negócio se destacar dos concorrentes.

No geral, existem quatro principais obstáculos para uma academia, são eles:

1 – Combater a inadimplência

Quando você não tem um sistema de recorrência para academia e o pagamento deve ser feito pessoalmente na recepção, o recebimento cai.

Muitas vezes, o cliente não deixa de pagar por má fé. Se for por boleto, ele pode se esquecer da data de vencimento. Ou mesmo o documento pode não chegar para ele por algum atraso dos correios.

Já quando o pagamento deve ser feito em dinheiro, nem sempre ele se lembra de ir até o banco sacar a quantia da mensalidade.

Nos tempos atuais, as pessoas estão sempre correndo e atribuladas com tarefas a terminar.  

2 – Aumentar vendas

Outro ponto importante é o desafio de converter mais potenciais clientes em alunos. Além dos planos que você oferece, a forma de pagamento também conta nesse momento.

Digamos que o seu potencial cliente gostou do seu espaço, então, para ele fechar, você oferece a opção anual. Nela, ele ganha descontos no valor da mensalidade. Só que na hora de pagar ele descobre que a única forma disponível é parcelar no cartão de crédito.

Mas ele não tem limite em seu cartão para passar o valor total ou mesmo ele não quer deixar seu limite bloqueado por 12 meses.

Nesse momento, por não ter a recorrência para academia, você acaba de perder vendas.

3 – Reter alunos

Vários aspectos fazem o aluno querer continuar treinando com você ou, então, preferindo mudar para outro lugar.

Pode ser desde um atendimento ruim, instrutores mal preparados ou mesmo equipamentos sempre quebrados. Por isso, é sempre importante investir em oferecer uma experiência positiva para seus aluno. Só assim eles nunca vão querer deixar de frequentar sua academia.

E um dos pontos para também engajar os frequentadores é exatamente evitar que eles tenham dor de cabeça. Mesmo que seja para pagar a mensalidade.

Como falamos um pouco acima, ele ter que se preocupar em ir ao banco ou pegar um cheque emprestado, isso toma tempo. E hoje, quem não faz de tudo para economizar tempo?

4 – Receita previsível

Mais um tópico de preocupação dos gestores de academia é descobrir como aumentar o tíquete médio dos alunos, além de saber com quanto podem contar no final do mês.

Sem saber se o seus clientes não vão esquecer de pagar em dia a mensalidade, fica difícil prever qual vai ser o caixa no final do mês.

Como a recorrência para academia pode ajudar

Quando você passa a contar com um sistema que automatiza os pagamentos, as suas preocupações acima reduzem muito.

O motivo é que softwares de pagamento recorrente, como o da Vindi, oferecem a opção do cliente pagar por meio do débito recorrente. Para isso, ele não precisa deixar seu limite preso.

A cada mês, apenas o valor de uma parcela é debitado da conta do aluno. Essa cobrança é ainda feita de forma automática, então você não corre o risco dele esquecer. O que já resolve os dois principais problemas de um gestor, a inadimplência e o aumento de vendas.

A recorrência também ajuda a ter uma receita previsível. Pois ele sabe exatamente quantos alunos estão com sua assinatura ativa e em qual data o valor será debitado do cartão.

Por não ter mais a preocupação em lembrar de pagar a academia na data certa, o aluno se engaja mais com o seu espaço e pode focar todo seu tempo em treinar para conquistar seus objetivos.

Recorrência de ERP Fitness X sistemas especializados

Muitos gestores acabam sendo resistentes em contratar um novo software para pagamento recorrente, pois já trabalham com um ERP que possui essa opção.

Mas é preciso lembrar que a recorrência oferecida por esses sistemas é limitada. Só é possível cobrar por meio de uma operadora, ficando assim preso às taxas cobradas por ela.

Agora, quando você contrata um sistema especializado em cobrança recorrente, é possível operar por meio de diversas adquirentes. Isso permite uma redução entre 26% a 30% dos gastos anuais, segundo Anderson Costa, consultor comercial da Vindi.

Com esse dinheiro sobrando, dá para investir em novos equipamentos ou mesmo em uma reforma para modernizar sua academia.

Não deixe de assistir ao vídeo para entender essas e outras vantagens ao adotar a recorrência para academia!

Quer saber sobre os movimentos, curiosidades e informações dos mercados de pagamentos, SaaS e recorrência? A gente criou um quadro em que o SEO da Vindi, Rodrigo Dantas, comenta os acontecimentos da semana e traz, de uma forma dinâmica, os principais assuntos do mercado financeiro.

Nesta primeira edição, ele traz um apanhado do que rolou em janeiro com o mercado de pagamentos. Afinal, as movimentações foram grandes: teve empresa brasileira na roda de abertura de capital na bolsa, teve outra brasileira informando a intenção da abertura da IPO também.

Resumo do resumo

O PagSeguro abriu capital na bolsa americana e foi a melhor estreia de uma empresa brasileira na IPO, o que gerou motivo de grande orgulho no mercado de pagamentos e empreendedorismo. Dá-lhe Pago Seguro.

Olha a onda

No ritmo, a Stone demonstrou interesse em também abrir IPO na bolsa, mas esses são planos para o segundo semestre deste 2018 promissor para o mercado.

Fintechs

Um pequeno player, a BestPay, foi adquirida pelo grupo Garantia. O que nos faz enxergar que temos algumas gigantes do mercado se interessando no bom trabalho das “pequenas empresas” para ter uma fatiazinha no mercado de pagamento.

Aquisições

É super normal vermos fusões e aquisições em diferentes mercado. E deste ano foi a aquisição da Stelo pela Cielo, que detinha 30% de participação na subadquirente e agora joga com 100% no mercado e, de quebra, ainda pode brigar com as menores lançando a “azulzinha” no mercado de pagamentos.

 

Cobrar mensalidades atrasadas é um dos maiores desafios das instituições de ensino. E não pense que isso acontece nas escolas de bairro ou de determinado modelo. Desde as universidades até as escolas de idiomas, todas sofrem na hora de receber dos alunos as mensalidades atrasadas.

Cobrar é uma atividade que ninguém gosta, e é por isso que existem empresas especializadas em cobrança – aquela famoso telemarketing ativo. Mas esse já é um modelo ultrapassado e as instituições de ensino (como um todo) precisam inovar.

Aquele processo de cobrança onde um atendente liga cobrando o aluno gera dois grandes problemas: custos (com recursos humanos, ligações ou empresas especializadas) e incômodo ao aluno. Afinal, ninguém gosta de ser cobrado – mesmo sendo a parte devedora da história.

Automatização de cobrança

Para evitar esse desconforto para ambas as partes é que o mercado vem inovando e desenvolvendo ferramentas de pagamento que englobam o recebimento automático das empresas que vendem um serviço cobrado mensalmente.

Além de ajudar na gestão e controle do faturamento, plataformas como a Vindi, fazem toda a gestão de cobranças e inadimplências. Assim o gestor consegue ter um controle maior sobre os alunos devedores para agir em cima disso.

Mas, como agir?

Com as ferramentas de cobrança, não é necessário ligar para receber do aluno. Você pode usar e-mails e SMS’s personalizados informando o aluno sobre o atraso na mensalidade para que ela seja regularizada. Dessa forma, você mantém um bom relacionamento com ele, até porque nem sempre o atraso é proposital.

Às vezes, mensalidades atrasadas são resultado de:

  • Esquecimento da data;
  • Falta de dinheiro naquele mês
  • Imprevistos financeiros

Coisas desse tipo podem fazê-lo atrasar a mensalidade e afetar seu caixa, mas será que vale estragar a relação escola – aluno antes de tentar fazer uma cobrança pacífica? Não, neh? Vale usar uma plataforma de pagamento completa na sua escola!

Como montar um clube de assinatura?

Essa é uma pergunta que todo empreendedor que quer apostar no mercado de assinaturas faz. É claro que não existe uma fórmula ou ‘receita de bolo’, mas nosso CEO, Rodrigo Dantas, trouxe algumas dicas valiosas para quem quer apostar nesse segmento.

Para quem já está, saiba quais os principais desafios e tenha insights de como fazer seu clube de assinatura. Lá fora esses segmento já fatura mais de U$ 10 blihões e no Brasil tem muito potencial para ser explorado. Veja o vídeo!

 

Basicamente, todas as operadoras cumprem o mesmo papel de atual na transação de compra venda. Como gateway, a Vindi se conecta ao banco e à adquirente para processar a venda armazenando as informações e dados de cartão do cliente. Logo, não existe nenhuma diferença. Mas…

Como escolher a melhor operadora de cartão?

Essa é uma pergunta recorrente aqui na Vindi. E a resposta é: você precisa avaliar.

Na hora de contratar uma operadora é melhor, os empreendedores avaliam custo benefício. Nem sempre a que oferece uma taxa menor vai ser boa para seu negócio porque as funcionalidades podem ser limitadas mediante às que a sua empresa precisa. Por isso, é importante entender as funcionalidades, atendimento e tudo o que compete a uma operadora oferecer.

Algumas das funcionalidades que as operadoras oferecem e facilitam alguns processos são:

  • Estorno parcial
  • Estorno via sistema
  • Atualização automática
  • Portal de acesso às vendas
  • Cartão internacional

Com essas dicas você já consegue avaliar um pouco melhor. Mas a gente te ajuda com isso na hora de escolher o que atende melhor seu negócio.

Devo contratar um segunda adquirente?

Pode parecer besteira, mas trabalhar com uma segunda operadora te livra de perder vendas. Neste caso, a segunda substitui a primeira no caso de instabilidade ou inoperação da primeira. Assim, automaticamente, a venda ocorre via adquirente escolhida para trabalhar junto a primeira.

Em questão de custos, os clientes Vindi que usam duas operadoras de cartão para transacionar suas vendas não têm custo de manutenção mensal, apenas o custo de credenciamento da empresa na operadora.

 

E lá vamos nós para mais um ano!!! 2018 chegou!!! E após um 2017 de crescimento, o e-commerce promete continuar evoluindo, inovando e crescendo.

Apenas para recordarmos alguns números do ano passado:

  • O nº de pedidos online cresceu 3,9%
  • O nº de clientes que efetuaram pelo menos uma compra cresceu 10,7%
  • O m-commerce teve crescimento de 35,9% nas vendas

*Fonte: 36º relatório Webshoppers

Então, acho interessante agora falarmos de algumas tendências que vieram para ficar, se firmar e auxiliar no crescimento online esse ano:

Omnichannel

O canal que no início gerou muita polêmica, desconfiança e desavença entre online e offline, atualmente se tornou mais uma grande oportunidade para lojistas e consumidores.

Com soluções tecnológicas que permitem a gestão de estoque integradas, de distribuição facilitada, com maior alcance e cupom fiscal eletrônico em substituição ao cupom fiscal tradicional, entre outras, o foco ficou 100% em vender e fidelizar o consumidor.

O simples fato de poder comprar online e retirar na loja física, sem custo do frete e com maior agilidade, já se torna um indicador de aumento das vendas.

M-commerce

Fortalecer esse canal deve ser prioridade para os e-commerces em 2018.

Tornar os e-commerces com design responsivo para mobile, fazendo com que a experiência do usuário seja excelente nos smartphones e tablets, levando os consumidores a não apenas realizar pesquisas mas também efetivar a compra no momento do impulso, com facilidade, simplicidade e rapidez.

Assista um trecho do Papo Recorrente sobre: Tendências do e-commerce

Produção de Conteúdo

Você pode achar que não, mas seu cliente quer sim consumir conteúdo além do produto e cada vez mais conteúdo de fácil absorção e entendimento e os vídeos são prova disso, não é à toa que o YouTube só cresce.

Sem longos textos ou explicações complexas, um simples vídeo com conteúdo objetivo e de fácil entendimento irá atrair e reter as atenções.

Produza mais conteúdo, os custos das ferramentas valem cada centavo investido, pense não só nos consumidores atuais mas também nas próximas gerações.

Produtos de nicho e personalizados

Os produtos focados em determinados nichos e aqueles personalizados vêm cada vez mais tomando conta de uma grande fatia de mercado no e-commerce.

Os consumidores querem peças únicas, que sejam a sua cara e expressem seus sentimentos ou aquelas que não são facilmente encontradas, mas você vende e atende com excelência e fideliza e se torna a referência. Pense nisso!!! Aproveite e assista o outro trecho do nosso papo recorrente

Inteligência Artificial

Alguém ouviu falar em robô aí? Sim, a grande maioria dos consumidores ainda tem preferência em ligar e falar com um atendente, mas a tendência disso mudar no próximo ano é muito forte!

Os chamados chatbots vieram para ficar. A agilidade em gerir mais de um atendimento simultâneo, a praticidade na implementação e a diminuição de custos são pontos importantes, além de facilitar a jornada da compra para o consumidor e a qualidade do serviço prestada são fundamentais.

E aí, agora que você já conhece as tendências do e-commerce para 2018, a pergunta é: seu e-commerce está preparado?

 

ebook gateway ou subadquirente

 

Boleto, cartão ou PayPal? Escolher as formas de pagamento é um dos desafios para quem vai vender, seja no modelo off ou online. Afinal, tem gente que gosta de pagar com boleto, tem os que preferem usar cartão e, de uns tempos para cá, há quem esteja preferindo usar o PayPal.

E definir exatamente quem vai ser o seu clientes entre esses perfis é praticamente impossível. O que a maioria dos empreendedores fazer é oferecer a opção de pagamento escolhida pela maioria: o cartão de crédito. Só em 2016, foram realizadas 5,9 bilhões de transações na função crédito e 6,8 bi em débito.

Esses números representam um crescimento de 6,% e 5% respectivamente nas compras feitas com cartão em relação ao ano de 2015. Logo, ao olhar os números a gente enxerga o cartão como o melhor método de pagamento a ser oferecido na hora da venda.

Mercado

Contudo, convenhamos que nem todos os públicos estão abertos (ainda!) ao uso do cartão. Nas escolas e universidades, por exemplo, a incidência do uso de boletos ainda é muito alta. No e-commerce ainda há quem pague com boleto e tem um número representativo de consumidores que usam o PayPal.

É aí que entra seu poder de decisão. É claro que se for para escolher, oferecer a opção de pagamento com maior adesão é a maneira mais inteligente, mas como fica a parte de consumidores que ainda prefere outro modelo de pagamento? Vai deixar de vender para ele?

E aí que entra essa “tal liberdade”. ♪♫

Qual é a melhor forma de pagamento?

Apesar de simples, essa é uma pergunta relativa. Afinal, como eu já disse, tudo vai depender do público. Mas, sem dúvida, oferecer o maior número de possibilidades aumenta suas chances de conversão porque você atende o cliente como ele quer – e isso tem muito a ver com a experiência – e assim não perde venda.

O ideal – principalmente para quem trabalha com recorrência, mensalidades e planos – é usar uma ferramenta que possibilite o uso de todas as formas. Mas, para te ajudar a entender a diferença e benefícios dessas formas de pagamento, trouxemos o assunto ao papo recorrente. Confere aí!

 

 

A gente já falou aqui os motivos que levam à necessidade de usar um gateway nas transações de compra e venda, mas existem pontos que só quem é especialista (e cuida) do assunto pode destacar para que um empreendedor entenda qual é o real papel dele.

Em um papo rápido, nosso gerente de parcerias Luis Veloso, explica sobre as ferramentas e integrações que vão facilitar a conversão e gestão financeira. Alguns dos destaques que ele trouxe foram:

  • Emissão de nota fiscal automática
  • Antifraude
  • Flexibilização com a adquirente

Como escolher um gateway – dúvidas técnicas

  • Verificar se o gateway tem a certificação máxima do PCI Compliance
  • Verificar o roadmap – ex: qual gateway tem funcionalidades específicas para seu negócio (recorrência, e-commerce e etc)
  • Verificar as integrações para que você automatize o maior número de processos possível.

Com essas dicas você consegue consolidar as informações escolher o melhor gateway para seu negócio e tem uma boa taxa de conversão a partir de segurança, flexibilidade e credibilidade.

Maior gateway de pagamento independente do Brasil

Para quem não sabe, a Vindi é o maior gateway de pagamento do Brasil porque possibilita que as empresas decidam com quais operadoras e sistemas integrados querem trabalhar e, assim, aumenta a flexibilidade para cobrar o cliente a partir de qualquer bandeira de cartão. 

Na hora de montar um projeto de negócio eficiente você precisará elaborar uma estrutura eficaz que funcione em todos os aspectos, inclusive definir quais meios de pagamento vai oferecer.

Mas, embora pareça uma tarefa simples, gerenciar pagamentos é uma atividade complexa, pois envolve: checkout; bancos; operadoras de cartão; segurança; fraudes e mais uma porção de coisas que vão aparecer no meio do caminho, como as formas de pagamento.

Em todo negócio, é preciso conhecer em profundidade o perfil do seu cliente: qual a forma ideal de pagamento para ele e como você pode otimizar os meios de pagamento para tornar a compra mais cômoda.

Mas para ter sucesso em vendas por meio da internet, o ideal é oferecer aos seus consumidores a melhor experiência de compra possível. E, para isso, é preciso conhecer bem as formas e meios de pagamento disponíveis hoje no mercado.

Não se preocupe, separamos tudo o que você precisa saber na hora de escolher os meios de pagamento corretos para o seu negócio!

Principais meios de pagamento

Na hora de escolher uma ferramenta de cobrança, leve em consideração as possibilidades de recebimento.

Cartão:

É uma das modalidades de pagamento mais populares, que teve um crescimento de 9% no último trimestre de 2017, possui algumas vantagens, como: praticidade e prazo de pagamento. Além de movimentar maiores quantidades de dinheiro, é um meio seguro, pois dispensa o uso de dinheiro em espécie.

Sendo assim, alguns dos benefícios que você terá ao aceitar o uso de cartões em seu negócio são: garantia do recebimento do valor total por um serviço ou produto; redução na taxa de inadimplência e maior praticidade em suas transações.

Contudo, para utilizar esse modelo, será preciso uma infraestrutura adequada, com equipamentos fixos ou móveis (POS ou TEF) que estejam integrados aos terminais corretos para emissão de nota fiscal.

No ambiente online, você pode aceitar cartões por meio de gateway de pagamento, adquirente ou subadquirente, explicaremos melhor o que é cada um deles ao longo do texto.

Boleto:

Esse é um dos meios de pagamento que ainda atende grande parte do mercado brasileiro, por ser barata para comerciantes e clientes. Além disso, essa opção é importante para clientes que não possuem cartões de crédito.

Ainda que o pagamento por boleto seja feito à vista, você poderá negociar prazos e descontos para quem realizar o pagamento na data prevista ou com antecedência.

Boletos também são práticos, pois o cliente poderá realizar o pagamento em qualquer instituição bancária, lotéricas ou agências dos Correios.

PayPal:

É uma forma de pagamento que facilita a venda e recebimento de clientes no exterior. Com isso, ao optar pela opção de pagamento internacional, seu cliente será encaminhado à página do Paypal para concluir sua transação. Após aprovação, todo e qualquer comprovante pago por esse método será enviado no momento da compra.

Débito recorrente:

Para quem assina um produto ou serviço e opta por pagar à vista, o débito recorrente possui uma das maiores vantagens ao investir no débito automático: esse meio de pagamento toma apenas o limite do valor da parcela, e não o total do limite do cliente.

Além disso, o pagamento no cartão de crédito é mais fácil e seguro. Já que o consumidor não precisará se preocupar em pagar todos os meses o mesmo valor (como a mensalidade de um serviço, por exemplo), uma vez que essa transação será feita de forma automática.

Modelos de contratação

Além de oferecer os melhores meios de pagamento ao seus clientes, você também vai precisar entender qual a melhor maneira de oferecer isso, levando em consideração os seguintes fatores:

  • Maiores possibilidades de compra (cartão, boleto, PayPal e etc);
  • Taxas de emissão de boletos;
  • Taxas cobradas pelas operadoras de cartão;
  • Número de bandeiras aceitas no terminal de vendas;
  • Uso de Gateway versus adquirente;
  • Segurança oferecida pela empresa.

Existe dois modelos que são bastante conhecidos em redes de varejo: POS e TEF:

Point of Sale (POS)

O Point of Sale (ou Ponto de Venda) é um equipamento fornecido pelas redes adquirentes. Cuja comunicação dos dados é realizada por linha discada ou rede de celular, e a própria máquina imprime o recibo.

Como o POS é mono-adquirente (só funciona conectado a uma única rede adquirente), ele não captura diversas bandeiras regionais. Será preciso contratar um POS específico para cada tipo de rede. Isso pode dificultar um pouco a checagem das vendas. Pois você terá que guardar os recibos de todas as transações realizadas durante o dia.

Transferência Eletrônica de Fundos (TEF)

O TEF é um software que registra as transações e as redireciona a rede adquirente. É comum que fique instalado no computador do caixa, onde o pinpad também está conectado. E, por ser fixo, esse é um dos meios de pagamento mais comum em supermercados e varejistas (cujo volume de vendas supere os 30 mil por mês), devido a facilidade no controle de vendas.

Essa opção também é mais econômica do que estabelecimentos que recorrem a diversas maquininhas de POS. Além disso, com um TEF você não precisará guardar todos os recibos comprovantes de cada transação. E, por ser multiadquirente, aceita uma grande variedade de cartões.

Redes Adquirentes

Redes adquirentes (Cielo, Rede, GetNet) são responsáveis pela captura, transmissão, processamento e liquidação financeira das vendas. Além disso, são elas que definem as taxas cobradas por vendas, estando presentes em todos os meios de pagamento. Pois também ficam encarregadas pela comunicação com as bandeiras; a distribuição de máquinas de cartão (Visa e Mastercard) e bancos emissores (Itaú, Bradesco, HSBC).

O valor de uma venda é repassado pelas adquirentes aos vendedores em até 30 dias após o momento da compra. Há, também, uma taxa cobrada por cada transação processada. Em casos de parcelamento, o pagamento pode ser realizado de acordo com o valor das parcelas recebidas ou diretamente.

Subadquirente

Subadquirentes (PayPal, Moip, Mercado Pago) são instituições que realizam a intermediação de transações entre adquirentes, lojistas e clientes. Para isso, eles possuem parcerias com as adquirentes para garantir uma gama maior de opções aos usuários na hora de realizar suas compras.

Além da fácil integração, o custo de adesão costuma ser baixo . O que possibilita a implementação em empresas de pequeno e médio porte. Esse serviço é voltado para a segurança dos dados, com proteção contra fraude. E também engloba todas as etapas do processo (incluindo gateways e chargeback).

Gateway de pagamento

O gateway (como a Vindi) é responsável por efetivar uma compra. Ou seja, é responsável por processar um pagamento no momento do checkout. Isso facilita a integração de lojas com diversos meios de pagamento e permite transmitir as informações coletadas via API aos lojistas. Além disso, o gateway também realiza transações feitas por: cartão de crédito, débito em conta corrente, boleto e também com as subadquirentes.

Esse modelo requer a contratação de serviços antifraude e conciliador de recebíveis. Se você pretende aceitar diferentes tipos de bandeiras, será preciso contratar vários adquirentes.

Lembre-se: um gateway de pagamentos não funciona sem se comunicar com uma rede adquirente.

Agora que você entendeu as principais vantagens dos meios de pagamento, pode escolher qual é o ideal para seu negócio. E o melhor de tudo: você pode combinar diferentes soluções para fornecer aos seus consumidores a melhor experiência de compra possível, com segurança e praticidade!