A evolução dos meios de pagamento atravessa os séculos e, até chegarmos aos grandes marcos tecnológicos, precisamos entender como foi que tudo começou.

Além disso, entender como aconteceu essa trajetória dos meios de pagamento é fundamental para visualizarmos como as mudanças no comportamento de consumo têm o poder de transformar o mercado.

É isso que continuamos vendo até hoje! Portanto, se você quer conhecer um pouco mais sobre essa evolução, acompanhe o texto até o final.

A evolução dos meios de pagamento

Engana-se quem pensa que sempre tivemos dinheiro físico como meio de pagamento no mundo. 

No entanto, as trocas por necessidades de consumo sempre aconteceram, e motivaram a evolução no mercado. Historiadores indicam que pagamentos já eram realizados no mundo há mais de 10.000 a.C., e o escambo era feito de diversas formas. 

Portanto, vamos entender quais foram os principais marcos desta evolução dos meios de pagamento?

Escambo (10.000 a.C.) 

Os primeiros pagamentos da história eram feitos com trocas de animais e tudo o que era possível de ser consumido.

Além disso, aqui já era possível ter uma ideia do que era mais valioso e o que era menos valioso. Um único boi valia o mesmo que muitas galinhas, e as trocas iam avançando nas pequenas comunidades.

No entanto, com as primeiras viagens e peregrinações dos povos, esse tipo economia se tornou inviável.

Grãos e conchas (3.000 a.C.)

Foi na antiga Mesopotâmia que os grãos e as conchas começaram a ser a principal moeda de troca. Depois, o meio de pagamento se expandiu para África, Oceania, e Américas.

Dessa forma, até o ano 1.500 a.C., não tivemos mudanças. Até que a China produziu a primeira moeda.

Primeiras moedas (1.000 a.C.)

Feita em material de bronze, a moeda chinesa revolucionou as transações pelo mundo afora. Depois disso, existem relatos de moedas feitas de pedras preciosas, cobre, prata e ouro na Turquia.

Surgimento das cédulas de papel (618 d.C) 

As primeira notas em papel foram criadas com o objetivo de reduzir o cobre na produção, que tinha um elevado índice de toxicidade, além de deixar as moedas muito pesadas.

Além disso, era inviável fazer grandes transações pagando em moedas. Nessa época, as viagens entre os países já eram uma realidade, e o comércio exterior estava a todo o vapor.

Até hoje, as cédulas de papel tem um forte papel não só na economia mundial, como também na brasileira. Estima-se que existem mais de 45 milhões de desbancarizados no Brasil, o que significa que um quarto da população só usa dinheiro físico para transacionar.

Portanto, esse foi um marco na História muito significativo, e devemos isso aos nossos irmãos chineses que viveram na Dinastia Tang (618–907 d.C.).

Cheques (século 17)

Não sabemos ao certo quando efetivamente o cheque foi inventado, mas é fato que foi um meio de pagamento usado no mundo todo por séculos. 

No entanto, quando ele surgiu, na verdade era uma espécie de documento assinado, que indicava a comprovação daquele pagamento.

Até pouco tempo atrás, o cheque era um dos principais meios de pagamento do Brasil. Hoje em dia, é uma raridade encontrarmos pagamentos com ele.

O famoso Padrão Ouro (1816-1914)

Temos aqui uma grande pausa na História, comprovando a importância, durante séculoas, do dinheiro em papel. 

Além disso, também podemos citar o Padrão Ouro, estabelecido pelos ingleses para padronizar o dinheiro no mundo e evitar processos inflacionários. Esse padrão durou até o início da Primeira Guerra Mundial, em 1914.

Charge Cards (1920)

Os vovôs dos cartões de débito surgiram quando os automóveis começaram a ser produzidos e as viagens mais curtas se tornaram possíveis e mais rápidas.

Dessa forma, algumas lojas de departamento e hotéis nos EUA começaram a disponibilizar os Charge Cards e Charge Plates, uma espécie de placa de metal que era apresentado pelo cliente.

Sem precisar de dinheiro, começamos a ver um verdadeiro marco na evolução dos meios de pagamento no mundo.

Indústria de Cartões (1950)

Esse marco começou em 1949, quando um homem chamado Fred McNamara esqueceu sua carteira e não pode pagar a conta do seu jantar em um restaurante.

Pensando em soluções, e em como ele, como empresário, poderia ter acesso ao que quisesse sem a necessidade de andar com dinheiro físico em mãos, surgiu a Diners Club (Diner = dinner, jantar em inglês?).

A iniciativa deste empresário, que se reuniu com 200 amigos e 27 estabelecimentos, marcou o início da indústria de cartões. 

Cashbacks (1986)

Com a popularização dos primeiros cartões, foi na década de 1980 que vimos nascer os primeiros programas de recompensas. É isso mesmo, se você achava que o cashback era algo recente na evolução dos meios de pagamento, se enganou!

Essa inovação foi lançada pela varejista Sears que, ao criar o cartão Discover, dava descontos e vantagens aos consumidores.

Cartões com Chip (1990) 

De 1970 a 1990, os cartões tinham tarjas magnéticas, tornando as redes de cartões de pagamento globais.

Além disso, pela primeira vez, essas tarjas foram utilizadas em conjunto com um Personal Identification Number (PIN) em um terminal Point of Sale (POS).

No entanto, esses cartões eram muito suscetíveis a fraudes e clonagens. Mesmo com todo o sucesso, esse meio de pagamento começou a ficar vulnerável, e foi aí que os cartões com chip chegaram no mercado.

Dessa forma, a principal vantagem do chip era armazenar, utilizando criptografia de alta complexidade, os dados e protocolos de uma transação.

E-commerce (1994) 

Os sites e lojas virtuais não param de crescer, e o e-commerce é um dos segmentos mais promissores da atualidade. 

No entanto, o grande boom do comércio eletrônico aconteceu entre 1994 e 2005, quando as primeiras vendas começaram a ser feitas. A partir daí, tivemos o surgimento das carteiras digitais, começando pela empresa Paypal em 1998. 

Hoje, podemos fazer transações por internet banking, por SMS, link de pagamento nas redes sociais, e vemos expandindo no mercado pagamento por Contactless e QR Code.

Além disso, também foi no final da década de 1990 que começamos a ver burburinhos do que seria a Apple, que só chegou ao mercado efetivamente em junho de 2007. 

Depois disso, as plataformas móveis, conhecidas como apps stores, ganharam o coração do consumidor.

Evolução dos meios de pagamento: Open Banking, Criptomoedas e PIX

Atualmente, as grandes novidades do mercado são o Open Banking, moedas digitais e, aqui no Brasil, o Sistema de Pagamentos Instantâneos (PIX).

No Open Banking, teremos um ecossistema de produtos e serviços ao redor das grandes instituições financeiras. 

Com ele, serviços de terceiros poderão ser oferecidos aos bancos, enquanto os mesmos focam em serviços essenciais.

Além disso, as criptomoedas e o blockchain também estão ficando cada vezes mais populares no exterior. As transações Bitcoin, utilizando criptomoedas, começaram em 2009, mas aqui no Brasil, ainda são alvo de estudo.

Já o PIX promete ser o lançamento de 2020 para o mercado de pagamentos brasileiro. Com esse sistema, será possível efetuar transações eletrônicas em tempo real, com muito mais praticidade e agilidade.

Aqui na Vindi, temos o orgulho de participar do GT dos Pagamentos Instantâneos no Brasil como especialistas em recorrência. Estamos animados com mais esse capítulo da evolução dos meios de pagamento!

Portanto, se você gostou deste artigo e quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mercado financeiro, clique no banner abaixo e assine a newsletter do blog da Vindi agora mesmo:banner do texto de ICP