Há menos de um mês da estreia do Pix no mercado, as empresas estão em busca de entender como vão funcionar as transações Pix e de que forma elas poderão se adaptar para receber essa nova forma de pagamento. Mas, é muito simples. Basicamente, os pagamentos poderão ser iniciados pelo Pix QR Code ou por uma chave Pix

As chaves Pix substituirão os dados bancários para transferências. Apesar de também poderem ser usadas no comércio, espera-se que nas transações comerciais, a forma mais utilizada seja o QR Code (estático ou dinâmico). 

Isso porque ele se trata de um modelo com características mais adequadas para o comércio, que vamos explicar adiante. 

As vantagens de aderir ao Pix no seu estabelecimento são de que você pagará taxas muito menores que de outros meios de pagamento. Não precisará receber por boleto ou maquininha e, ainda, receberá em instantes na sua conta, sem ter que esperar dias de liquidação do pagamento.

comparativo pix e outros meios de pagamento

Siga a leitura e entenda como funciona o QR Code do Pix, qual a diferença entre QR estático e dinâmico e como usar!

Como funciona o QR Code?

O QR Code, ou código QR, é a abreviação de Quick Response Code. É como se fosse um código de barras, só que com outro formato, como você vê na imagem abaixo:

O QR Code é uma imagem 2D, preparado para ser lido pelas câmeras dos celulares.

Engana-se quem pensa que o QR Code é algo super moderno. Ele surgiu em 1994, criado por uma empresa japonesa do setor automotivo. Seu uso era para identificar peças dos carros nas fábricas.

Com o passar do tempo, o QR Code foi ganhando utilidades mais avançadas. Esse pequeno código pode armazenar uma grande quantidade de informações. Os QR Codes podem ser usados, por exemplo, para conduzir usuários a sites e páginas na internet; transmitir dados e, atualmente, para a tecnologia de pagamentos via celular.

Antes mesmo do Pix adotar o QR Code, ele já era usado em um sistema parecido, o do PicPay. Porém, o PicPay é um intermediador e, no Pix, a ideia é que as transações aconteçam diretamente entre os usuários.

Como disponibilizar o QR Code?

O QR Code se popularizou porque sua veiculação também é muito versátil: pode ser disponibilizado em papéis, placas, sites, redes sociais e, basicamente, qualquer meio.

Existem sites que geram QR Codes gerais, mas, no caso do Pix, essa função ficará apenas dentro dos sites e aplicativos de instituições financeiras autorizadas, para ser operado com toda a segurança no sistema criptografado do Banco Central.

Para gerar o Pix, a conta empresarial deverá estar cadastrada no Pix. Será possível também gerar os QR Codes pelas principais plataformas de pagamento do mercado dentro do Pix.

Ao fazer a leitura de um desses códigos, o pagador será direcionado para a página de pagamentos de seu aplicativo cadastrado no Pix e poderá efetuar a transação.

Por fim, existem duas modalidades de QR Code: o estático e o dinâmico. Entenda agora as diferenças entre elas.

Pix QR Code Dinâmico

De forma geral, os códigos QR Dinâmicos do Pix poderão ser criados, a cada venda, com várias informações para o cliente. Os dados que poderão ser configurados no QR Code dinâmico do Pix são, por exemplo:

  • Valor original da cobrança;
  • Juros/ multa aplicáveis;
  • Descontos;
  • Valor final;
  • Data de vencimento do pagamento;
  • Tempo de expiração do QR Code;
  • Dados do recebedor e do pagador.

É um código completo para vender com mais informações e detalhes para o cliente.

Iniciação Pix Qr Code
Simulação de experiência do usuário com pagamento via QR Code do Pix. (Fonte: Banco Central)

Um dado importante é que no Manual do Banco Central existe a informação de que os aplicativos das instituições financeiras NÃO terão a obrigação de ler os QR Codes dinâmicos. Portanto, pode ser que o estabelecimento se depare com clientes sem essa possibilidade de pagamento.

Segundo o Banco Central, como alternativa, se o QR Code não pode ser capturado adequadamente por imagem, o recebedor poderá disponibilizar uma URL (link) com os dados de pagamento. O usuário, ao clicar nesse link, será levado à página de pagamento da mesma forma que pelo QR Code.

Pix QR Code Estático

O QR Code estático é como se fossem os dados bancários do recebedor na forma de QR Code, sendo possível de usar entre pessoas físicas também.

Ele servirá como um substituto da Chave Pix e apresentará uma quantidade menor de informações que o QR dinâmico, sendo elas:

  • Chave de endereçamento (conta do recebedor);
  • Valor da transação (opcional, pois o valor poderá ser configurado pelo próprio pagador no ato da transação);
  • Identificação da cobrança (opcional);
  • Campo para livre preenchimento (opcional).

Veja um exemplo de configuração de QR Code estático:

Por ser basicamente a identificação de uma conta, o mesmo QR Code estático, sem definição de valor, uma vez gerado, poderá ser usado permanentemente por uma pessoa ou estabelecimento para múltiplas transações. Ele pode ser impresso, por exemplo, e deixado no balcão ou caixa do comércio como opção de pagamento.

Todos os apps de instituições financeiras autorizadas no Pix devem aceitar o QR Code estático. Portanto, ele poderá ser mais popular que o dinâmico, que tem algumas restrições.

Na prática, cada estabelecimento irá entender qual tipo de QR Code, estático ou dinâmico, funciona melhor para sua rotina de vendas e seu público.

É o fim de outros QR Codes?

Como mencionamos, existem mais meios de pagamentos que operam por QR Code, além do Pix, como o PicPay, dentre outros. 

O Banco Central adotou uma Padrão de QR Code que possibilita o armazenamento de múltiplos arranjos de pagamento em um só código.

Isso quer dizer que o mesmo QR Code do Pix poderá ser lido também em outros apps de pagamento fora do sistema Pix.

Basta que o usuário escolha em qual deles vai utilizar, após o escaneamento do QR. Então, o dispositivo utilizará os dados do arranjo escolhido pelo usuário e ignorará os demais.

O objetivo é do Bacen é convergir para uma solução que desincentive a proliferação de muitos QR Codes nos pontos de venda. 

Chaves Pix: o que são e como funcionam?

A chave Pix para estabelecimentos comerciais e empresas será uma informação de identificação de conta a partir de CNPJ, telefone ou e-mail.

Cada estabelecimento poderá cadastrar de 1 a 20 chaves Pix por conta. Mas, as chaves não podem se repetir entre as instituições financeiras.

No entanto, 20 chaves é bastante coisa: para atingir esse número, a empresa poderia cadastrar, por exemplo, 10 telefones, 9 e-mails e o CNPJ.  Não é necessário cadastrar tudo isso, limitando-se à quantidade que for mais conveniente.

Após o cadastro das chaves e validação da instituição financeira, quando o Pix entrar em vigor, o comércio poderá cobrar um pagamento usando a chave Pix. Funciona como uma transferência TED, porém instantânea e gratuita para o pagador pessoa física.

No seu aplicativo financeiro, o cliente digitará a chave Pix informada pelo estabelecimento, e poderá digitar o valor que deseja transferir. Após as validações de segurança, como a biometria, o valor é transferido diretamente para a conta da loja. 

No entanto, o recebedor, neste caso do uso da chave Pix, não tem nenhum controle sobre o valor estipulado na transferência, pois quem digita é o cliente. Isso pode levar a erros se não for um processo muito atento.

Dessa forma, usar o QR Code é uma solução mais viável, pois pode transmitir para o usuário os dados já configurados pelo recebedor.

Por fim, se você tem um e-commerce, poderá adicionar o Pix QR Code como mais uma opção no seu checkout de pagamentos, diretamente pelas melhores plataformas de pagamentos do mercado.