Parece que a <!–c505218304b50c59c3659f6dda43bae7-links-0–>, tradicional pizzaria paulista, que possui 8 lojas físicas, encontrou o modelo “PzzaaS” (pizza as a service).

“Fundada em 1983, a partir de um hobby de Giovanni Paolo Momo, italiano que veio para o Brasil no começo do século passado, a 1900 instalou-se em um galpão construído no início do século (na Vila Mariana). Esse galpão foi inclusive, a razão para o nome da casa “1900”. Adaptando a construção original, que serviu como oficina de bondes, os proprietários (Giovanni Paolo Momo, sua esposa Katia Cesar Momo e sua sogra Dima Ceratti Cesar) procuraram resgatar a memória dos anos 20. A decoração e as adaptações sempre foram feitas com o cuidado de não agredir a arquitetura original da casa.” Quem conhece a pizzaria da Vila Mariana, entende pela construção, que o lugar respira história.

1900 da Vila Mariana. De galpão a Pizzaria. Foto: 1900

“Mesmo com a construção de um mezanino em 1990/91, de ferro e vidro, a estrutura original da primeira unidade, permaneceu intacta.”

Como uma pizzaria usou o modelo das startups para escalar?

Em tempos de iFood (app líder no país), é fácil imaginar que o business de delivery mudou completamente. Se o estabelecimento não está presente em aplicativos como esse, está fora do jogo. Porém ainda assim, a limitação de entrega por conta de geografia, que impede o número de pessoas a serem atingidas e a capacidade de produção, sempre foram um ponto desafiador para que delivery’s como esses, possam crescer. Não para a 1900.

De 1983 para cá, a pizzaria cresceu para 8 unidades, gerando assim, a capacidade de atingir mais pessoas, aumentando faturamento e marcando presença em diferentes regiões de São Paulo. E tem também o delivery que suporta a operação para quem não quer estar presente nas 8 unidades.

O fato é que o delivery tem um “raio de atuação” limitado a bairros vizinhos. Faturar com um ponto físico + delivery dos bairros próximos é um bom negócio, não somente para pizzas, mas a 1900 está indo além e já dita regras num novo negócio que vem atraindo outras redes a adotarem o modelo: pizzaria em casa (não pizza em casa).

A escala da 1900 foi provada pelo modelo de ter a pizzaria em todos lugares possíveis de São Paulo.

A equipe da 1900 vai até sua casa, sua empresa ou seu evento e leva a pizzaria + a experiência da marca, de forma muito prática. O Buffet 1900, conseguiu provar um modelo que possibilitou com que a pizzaria pudesse estar em todos lugares de São Paulo (ao mesmo tempo) e de forma escalável entregando o que mais sabe fazer. Não é uma entrega de pizzas e sim, a produção dentro da sua casa. Com bebidas, pizzas sendo feitas na hora (eles levam o forno até você), garçons servindo com a preferência escolhida e o atendimento cordial, que é padrão da 1900. Ao final de tudo, eles limpam, organizam e deixam o lugar como se nada tivesse acontecido ali.

A @1900pizzeria invadiu o escritório da Vindi e virou festa. 🎉🍕🍺 #vindi #1900

A post shared by Vindi – Cobrança Recorrente (@vindibr) on

As 8 unidades da 1900 atingem uma quantidade X de pessoas todos os dias. Mas o projeto de Pizza as a Service, capitaneado por eles, pode atender milhares e milhares de pessoas, ao mesmo tempo. Enquanto uma equipe deles estava realizando um evento dentro de um dos nossos escritórios (4 pessoas atenderam 60 pessoas), outras centenas de pessoas estavam recebendo a mesma experiência em outro lugar. Não limitando assim, a capacidade de produção a um ponto físico. Essa é uma reflexão, para que varejistas que ainda dependam de ponto físico para venderem, remodelem o negócio. Talvez ele possa atingir muito mais pessoas.

Paul Graham defende que “startup é uma empresa designada a crescer rápido” e isso é algo que a 1900 aprendeu há pouco tempo e será com certeza, o modelo viável para atingir milhares de pessoas ao mesmo tempo.