O modelo Device as a service (DaaS), ou dispositivo como serviço, veio para facilitar o dia a dia de empresas (e por que não pessoas físicas) que precisam de infraestrutura tecnológica.

Além disso, essa é mais uma opção que tem tudo a ver com a Economia do Acesso, onde não é mais preciso ter posse para consumir. Vamos entender melhor sobre o que é e como funciona o DaaS?

O que é Device as a Service (DaaS)

Basicamente, Device as a Service é a oferta de dispositivos em geral, como PC’s, impressoras, softwares, smartphones e tudo o que é relacionado com tecnologia. 

Funciona como um verdadeiro serviço sob demanda, o que facilita muito o dia a dia de empresas que querem crescer com mais sustentabilidade, aumentando a estrutura conforme a necessidade.

Além disso, a atualização de hardwares e outros sistemas também é muito mais ágil, já que os custos de manutenção também estão nesse pacote.

E se você pensa que apenas as áreas de TI se beneficiam com a contratação de um DaaS, saiba que esse serviço está virando moda em empresas de todos os portes, desde pequenas até multinacionais!

Como funciona o Device as a Service?

Com um mercado bem recente, mas em crescimento acelerado, o modelo DaaS é baseado na recorrência, com a oferta de planos e assinaturas.

Dentro deste contrato, também é definido um SLA de atendimento, considerando as manutenções e consertos ao longo do tempo de relacionamento entre empresas.

A partir daí, toda a adaptação e integração dos serviços oferecidos começa a funcionar. Dependendo do modelo escolhido, é possível escalonar novas contratações e possibilidades de upsell no meio do caminho.

Entre os maiores benefícios de contratar um DaaS, temos: 

  • Capacidade de aumentar e diminuir os dispositivos conforme a necessidade;
  • Diminuir ou fragmentar o custo de despesas de capital para despesas operacionais;
  • Reduzir a carga de trabalho da equipe de TI para configurar dispositivos e desenvolver soluções;
  • Gerenciamento automático de patches e atualizações.

Quais os exemplos de DaaS?

Diferente de outros modelos as a service, como SaaS, IaaS, PaaS, XaaS e CaaS, uma empresa DaaS precisa de estrutura física, além da computação na nuvem.

Confira alguns exemplos de quem oferece essa infraestrutura tecnológica:

  • HP;
  • Apple;
  • Microsoft;
  • Arklok;
  • Microcity;

E também existem empresas híbridas, que oferecem outras soluções em Cloud Computing, mas possuem estrutura para locação também.

 Device as a Service vs. Desktop as a Service

A grande dúvida que mora na diferenciação de Device com Desktop é exatamente porque os dois carregam o mesmo acrônimo. Com os dois levando o nome de DaaS, é natural que os conceitos possam se confundir.

No entanto, os serviços oferecidos são diferentes, e é preciso tomar cuidado ao entender qual a necessidade do seu negócio.

No Desktop as a service, vemos uma oferta em Cloud, onde um terceiro oferece um desktop virtual em uma máquina virtual. Além disso, esse provedor de serviços hospeda todo o back-end de uma implantação.

Os dois serviços são recorrentes, mas um dispõe de estrutura, e o outro conta com serviços na nuvem que facilita o dia a dia dos desenvolvedores.

Dessa forma, o mais importante na hora de fechar um acordo com um DaaS é entender quais as necessidades e prioridades estratégicas do seu negócio. 

Já vimos aqui que ele pode funcionar para pequenas, médias e grandes empresas. Converse com quem já usa esse serviço, faça orçamentos e, se possível teste por um curto período!

Se você gostou deste artigo sobre Device as a Service, aproveite e leia os outros da nossa série aqui no blog da Vindi! E, se você ainda não se inscreveu na nossa newsletter, é só clicar no banner abaixo!