“font-weight: 400;”>O boleto é a segunda opção de pagamento mais usada no Brasil, ficando atrás apenas do uso do cartão, que há anos vem sendo o formato que mais cresce. Pensando nisso, a Febraban tem tomado uma série de medidas para melhorar a experiência dos clientes que usam esse modelo.

Uma das medidas mais recentes do órgão foi extinguir o uso dos boletos sem registro. A regra passou a vigorar desde julho deste ano, quando os títulos com valor acima de R$ 50 mil já teriam que ser emitidos com registro. A proposta é que até dezembro nenhum boleto seja emitido sem estar registrado.

Veja o cronograma da mudança:

  • 10 de julho –  Boletos com valor acima de R$ 50 mil;
  • 11 de setembro – Boletos com valores entre R$ 49.999,99 e R$ 2 mil;
  • 09 de outubro – Boletos com valores entre R$ 1.999,99 e R$ 500;
  • 13 de novembro – Boletos com valores entre R$ 499,99 e R$ 200;
    11 de dezembro – Boletos de R$ 200 ou menos.

Pouco antes da data da primeira mudança, a Febraban anunciou o lançamento de uma plataforma que unificaria o sistema de emissão de boletos justificando a decisão de acabar com os boletos sem registro.

Com a plataforma, todos os boletos registrados estariam ‘armazenados’ no sistema, o que garantiria maior segurança e redução de fraudes, além de permitir que o cliente pagasse os títulos em qualquer banco contanto que o pagamento fosse feito dentro do prazo de vencimento.

A novidade agora é que, se registrados, os boletos vencidos também poderão ser pagos em qualquer agência, caixa eletrônico ou internet banking. A medida foi anunciada em 10 julho e seguirá o seguinte cronograma:

  • 11 de setembro – boletos com valor acima de R$ 2mil;
  • 9 de outubro – boletos acima de R$ 500;
  • 13 de novembro – boletos com valor igual ou superior a R$ 200;
  • Dezembro – todos os boletos serão fora do prazo poderão ser pagos em qualquer lugar, independente do banco emissor.

De acordo com o Banco Central, a mudança é reflexo de melhorias na plataforma da Febraban, que conseguirá calcular juros e multas na hora do pagamento. Em resumo, a plataforma usa o CPF ou CNPJ do pagador para identificar o recebimento, e por estarem registrados em um único ambiente, é viável o recebimento por meio de qualquer canal.

Mas é importante fomentar duas coisas: a regra do fim dos boletos sem registro não é uma obrigatoriedade, é uma remodelação para que a Febraban tenha maior controle sobre os títulos e viabilize esse tipo de experiência, como o pagamento fora do prazo.

A outra é que os boletos só serão aceitos se as informações do documento estiverem em conformidade com o registrado na plataforma. Caso contrário, o pagamento deve ser feito no banco emissor.

O ponto negativo dos boletos sem registro é que, dependendo do modelo de negócio e do tipo de negociação entre banco e empresa, as taxas de emissão acabam sendo maiores. Mas, já existem outras soluções no mercado que oferecem boleto registrado com a mesma experiência do sem registro e taxas reduzidas. 

Você vai gostar também

Sites de Assinaturas crescem 20% ao mês O  mercado de Sites de Assinaturas crescem 20% ao mês. São sites dos mais variados produtos: petshops, comida, bebidas (vinhos e cervejas), moda e até...
Transação rejeitada, e agora…? “Transação aprovada” - essa é a frase-desejo de todo comprador quando passa o cartão na hora de adquirir um produto ou serviço, principalmente ao fina...
Churn Rate Muitos empreendedores concentram forças em atrair novos clientes para suas empresas. Porém, por mais que consigam aumentar esse número, isso não é cap...
E se as marcas fossem escritas do jeito que a gent... O Tumblr Como Fala, publicado em 30 de Agosto de 2013, criou uma página interessante e curiosa de como seriam as marcas se falássemos como se lê. O cr...