O mercado de pagamentos está aquecido com a chegada da transferência PIX em outubro de 2020, como divulgado nos últimos dias pelo Banco Central.

No entanto, diferente dos anúncios anteriores, recentemente o BACEN divulgou uma tabela com taxas de transação para os pagamentos instantâneos, que começarão com 1 centavo.

Portanto, neste artigo daremos um panorama geral de como funcionará a taxa PIX, e se ela realmente virá como uma substituta aos famosos DOC e TED.

O que é a transferência PIX? 

O PIX (Pagamentos Instantâneos) veio para facilitar a comunicação entre as transações feitas no mercado de pagamentos. Hoje, se você precisa fazer uma transferência, provavelmente faz um DOC ou um TED.

Além disso, também existe um horário limite para que essas transações aconteçam. Se você quer fazer um TED depois das 17h30, por exemplo, precisa estar ciente que aquele valor só cairá no próximo dia útil.

Com a transferência PIX, será possível movimentar valores monetários entre pessoas físicas ou jurídicas em tempo real, sete dias por semana, 24 horas por dia. Tudo isso com a máxima segurança, mas também com muita praticidade.

Dessa forma, em poucos segundos, uma transação será concluída. Esse é um dos maiores motivos para vislumbrarmos o desaparecimento do DOC e do TED em um futuro próximo, e falaremos mais sobre isso nos próximos tópicos.

Como funcionará a transferência PIX? 

Para fazer uma transação instantânea, não será mais necessário inserir dados do recebedor, como conta, agência, nome e CPF.

Contudo, para funcionar o pagador deverá ter uma conta como Prestador de Serviço de Pagamento (PSP), um celular e o aplicativo deste prestador instalado. 

Como os valores serão recebidos em tempo real, a guerra das maquininhas também ganhará mais um capítulo, já que elas não serão tão necessárias como se vendem atualmente.

Se você quiser saber mais sobre qual será o novo papel dos bancos, adquirentes e bandeiras de cartão com a transferência PIX, clique aqui e leia este artigo do nosso CEO, Rodrigo Dantas!

E como ficará a taxa PIX?

Diferente do que o mercado esperava em fevereiro, quando o lançamento do PIX foi anunciado pelo Banco Central, agora podemos esperar que as transações sejam taxadas. 

Os valores começaram com R$ 0,01 e algumas funcionalidades, como fornecimento de extrato de conta solicitado via RSFN. Veja na tabela abaixo a descrição completa:

taxas da transferência PIX começam em 1 centavo

Portanto, para pagar o mais barato possível, será preciso agendar uma transação no dia anterior, por exemplo. Além disso, mesmo que o PIX funcione 24 horas por dia, podemos esperar um aumento na taxa em transações no final do dia.

Outro diferencial dos pagamentos instantâneos é a possibilidade de deixar a taxa PIX para que o recebedor pague, o que não acontece normalmente com as operações que temos no mercado.

O PIX vai substituir o DOC e o TED?

A Transferência Eletrônica Disponível (TED) e o Documento de Ordem de Crédito (DOC) são as duas operações mais usadas para depósitos atualmente no Brasil.

Além disso, existem algumas limitações que ultrapassam as taxas altas desses dois serviços. O primeiro deles é o tempo de liquidação, já que um DOC tem até um dia útil para cair e um TED, se feito antes das 17h30, até 30 minutos.

O segundo é o limite monetário para efetuar uma transação. Se você precisar fazer um DOC, só pode transferir valores até R$ 4.999,00.

Dessa forma, o PIX chega no mercado de pagamentos resolvendo todas essas questões. Serão valores ilimitados, taxas mais baixas e disponibilidade total para quem precisa transacionar valores todos os dias.

A transferência PIX vai substituir o pagamento em dinheiro?

Mesmo que esse tema seja um pouco mais delicado em um país que ainda possui 45 milhões de pessoas que só usam o dinheiro como forma de girar a economia, é fato que o PIX é um marco importante para a digitalização da nossa moeda.

Dessa forma, a diminuição do custo do dinheiro dentro do PIX não está ligado somente à impressão das notas, mas também com a circulação delas.

Isso porque, com a transferência PIX, a ferramenta de saque descentralizado permitirá que qualquer instituição cadastrada possa fazer saques aos clientes. Entram nessa lista mercados, farmácias, bares e muitos outros, como afirma o presidente do BC Roberto Campos Neto:

Para inaugurar essa agenda evolutiva o PIX permitirá o serviço de saque por meio da rede varejista. As regras e os primeiros detalhamentos deste produto serão apresentados na próxima reunião do Fórum PI, em agosto. O que posso adiantar é que essa facilidade visa a trazer mais eficiência, por meio da reutilização do dinheiro no varejo e do aproveitamento dessa rede, e fomentar a competição,  ampliando as opções e a capilaridade das instituições para ofertarem o saque.

A Vindi faz parte do GT dos Pagamentos Instantâneos com a única empresa especialista em recorrência no mercado. 

Por isso, se você gostou deste artigo sobre a transferência PIX, assine nossa newsletter e não perca nenhuma notícia sobre o mercado de pagamentos brasileiro. Clique no banner abaixo e fique por dentro agora mesmo!texto sobre o que é cloud computing

Deixe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos você também.