Sabe o que é API e como essa tecnologia pode acelerar seu negócio na era digital?

Falando de forma simples, é por meio das APIs que os mais diversos sites, aplicativos e sistemas conseguem se conectar e trabalhar juntos de forma ágil e segura.

Elas funcionam como pontes que conectam plataformas e serviços para favorecer a criação de novos produtos, agregar funcionalidades e expandir negócios na internet.

Quando você entender o que é API, não terá dúvidas sobre a importância dela para impulsionar sua empresa.

Por isso, vamos apresentar neste texto os seguintes tópicos:


  • Continue lendo e descubra o que as APIs
    têm a oferecer para o seu negócio recorrente.

    O que é API?

    API é a sigla para Interface de Programação de Aplicativos (do inglês Application Programming Interface): uma espécie de código que conecta duas plataformas diferentes.

    Tecnicamente, é um conjunto de padrões de programação que permite integrar sistemas, mesmo que eles tenham linguagens distintas.

    Na prática, funciona como uma “ponte” que liga duas aplicações de forma simples e segura.

    Dessa forma, as APIs são usadas por desenvolvedores para fazer com que dois sistemas “conversem entre si”, facilitando todo o processo de integração.

    Elas estão cada vez mais presentes em nosso dia a dia, pois a tendência é que mais aplicações se conectem para expandir funcionalidades na internet.

    Por exemplo, você está usando uma API quando faz login em um site utilizando os dados do seu Facebook ou da sua conta do Google, ou quando utiliza o Google Maps dentro de um aplicativo qualquer.

    Por isso, as APIs são a base para a criação de novos produtos e serviços digitais e abrem inúmeras possibilidades de conexão entre plataformas.

    Conheça mais sobre o assunto no episódio abaixo do podcast Hipsters Ponto Tech: 

    E API gateway, o que é?

    Enquanto as APIs podem ser comparadas a pontes, o API gateway funciona como uma espécie de portal de APIs que controla as conexões entre os sistemas. 

    Ele filtra o tráfego de dados no momento da integração e garante que somente aplicações autorizadas possam se conectar ao sistema, além de organizar as diferentes conexões.

    Por isso, o API gateway é um elemento importante no gerenciamento das APIs, principalmente quando há dados sensíveis envolvidos.

    Ele pode ter funções como autenticação, roteamento de tráfego, limitação de usuários, faturamento, monitoramento, etc.

    Como funciona uma API e para que serve?

    A API funciona a partir da comunicação de diversos códigos que definem comportamentos específicos para objetos em uma interface.

    Dessa forma, os desenvolvedores conseguem conectar funções em um site para que sejam usadas em outras aplicações.

    Torna-se possível, por exemplo, integrar serviços de mensagens, buscas e conteúdos em um site, permitindo que outras aplicações utilizem esses conjuntos.

    A vantagem é que a API permite que os serviços se comuniquem sem expor informações confidenciais sobre sua implementação, criando um ambiente colaborativo entre as empresas.

    Além disso, a vida dos desenvolvedores fica muito mais fácil, pois há um padrão para integração de plataformas que dispensa a criação de códigos personalizados para cada função. 

    Dessa forma, novos aplicativos, softwares e plataformas podem ser criados rapidamente, como pede o ritmo acelerado da transformação digital. 

    Para completar, as APIs permitem que você libere acesso aos recursos do sistema sem abrir mão do controle e segurança. 

    Histórico das APIs na tecnologia

    A ideia por trás das APIs é muito antiga, pois já se falava em integração de bibliotecas em sistemas operacionais na década de 1940.

    O termo em si foi usado pela primeira vez em 1968, durante uma conferência da extinta Federação Americana de Sociedades de Processamento de Informação (AFIPS).

    No evento, o cientista Ira Walter Cotton publicou o artigo Data structures and techniques for remote computer graphics, que criou os fundamentos para o desenvolvimento das APIs.

    Em 1990, o tecnologista Carl Malamud definiu as APIs como “um conjunto de serviços usado por programadores para desempenhar determinadas tarefas”.

    Mas as interfaces só começaram a se popularizar com o crescimento das redes de computadores, quando os desenvolvedores começaram a usá-las para se conectarem a bibliotecas fora de seus computadores locais

    A partir dos anos 2000, as APIs se tornaram sinônimo de comunicação de sistemas pela internet.

    Grandes empresas de tecnologia como Ebay, Twitter e Salesforce criaram APIs robustas para facilitar a integração de novas soluções em suas plataformas e multiplicar suas oportunidades de negócio.

    Hoje, toda empresa que valoriza a inovação e participa da realidade digital usa esse recurso para ampliar seu alcance no mercado. 

    Não à toa, o termo “economia das APIs” já é usado para descrever nossa época. 

    Exemplos de API e seus usos

    Não faltam exemplos de APIs que são usadas no dia a dia e facilitam a vida de desenvolvedores, empresas e usuários.

    Uma das mais famosas é a API pública do Google Maps, que permite que qualquer pessoa configure um mapa do Google e uma rota dentro do seu site ou aplicativo utilizando o sistema.

    O desenvolvedor só precisa baixar os dados da API para usar a plataforma do Google e criar várias funções de localização. 

    Assim, quando você acessa um mapa do Google em um site ou app com um objetivo específico, está usufruindo dos benefícios dessa tecnologia. Saiba mais no vídeo abaixo:

    Outro exemplo é o uso de APIs para integrar sites e plataformas de gestão empresarial.

    O Hootsuite, por exemplo, utiliza APIs para reunir todas as contas de redes sociais (públicas e privadas) da empresa em um único sistema, criando uma central de gerenciamento a partir dessas conexões. 

    Nas redes sociais e aplicativos de mensagens, a sincronização de contatos do celular dentro do WhatsApp acontece graças a uma API, assim como o compartilhamento de mídias do Instagram no Facebook e vice-versa. 

    Além disso, os sistemas billing também utilizam essa tecnologia para integrar diferentes meios de pagamento e fazer a conexão entre bancos, adquirentes e empresas.

    Inovações com APIs

    Agora que você sabe o que é API, deve imaginar por que essas interfaces são um verdadeiro motor de inovação na internet.

    Com essas pontes inteligentes, as empresas conseguem conectar sistemas e aplicações que não poderiam se comunicar de outra forma.

    Com isso, é possível criar novos produtos e serviços digitais, agregar funcionalidades a uma infraestrutura já existente sem alterar suas bases, fazer parcerias com outras empresas para somar funções de sistemas distintos, criar novos modelos de negócio, etc.

    Um exemplo claro de inovação impulsionada pelas APIs é o surgimento de serviços como o Uber, que utiliza aplicações de outras empresas (no caso, Google Maps) para conectar motoristas e passageiros em seu app.

    No mundo empresarial, ficou muito mais fácil integrar todos os sistemas que a empresa utiliza internamente e fazer com que trabalhem juntos.

    Por exemplo, a empresa pode usar APIs para conectar um ERP (Enterprise Resource Planning, ou Sistema de Gestão Empresarial) a um CRM (Customer Relationship Management, ou Gestão de relacionamento com o cliente), e ainda a um software de vendas.

    Dessa forma, um novo pedido na área comercial aciona a emissão de nota fiscal e boleto de cobrança pelo ERP, e ainda permite o registro do histórico do cliente no CRM.

    Outro exemplo é quando a empresa utiliza um SaaS e consegue integrar facilmente seus sistemas locais por meio de uma API, sem precisar perder tempo com importação de dados.

    Graças às APIs, os processos de negócio podem ser automatizados, e a empresa consegue reduzir custos e aumentar sua eficiência. 

    O que é API no mercado financeiro?

    As APIs viraram notícia no mercado financeiro com a implementação do open banking

    Basicamente, elas são a principal tecnologia utilizada para conectar sistemas de diferentes bancos, fintechs, corretoras e outras instituições financeiras em um único ambiente. 

    Dessa forma, foi possível criar o sistema bancário aberto que vai revolucionar a forma como utilizamos produtos e serviços financeiros.

    Em breve, os consumidores poderão compartilhar seus dados pessoais e financeiros com qualquer instituição em poucos cliques, ganhando acesso a uma infinidade de novas soluções e um nível de personalização inédito.

    Além disso, terão acesso a todas as autorizações de compartilhamento e produtos ativos em uma única plataforma.

    E claro que isso só será possível por meio das APIs. 

    Inclusive, já existe uma plataforma exclusiva para desenvolvedores que mostra todos os padrões técnicos de interfaces do open banking, incluindo dados como versionamento, requisitos, limites de tráfego de requisições, informações de desempenho e disponibilidade, etc.

    Para que a instituição participe do novo sistema, será necessário desenvolver as APIs conforme as instruções normativas e resoluções do Banco Central do Brasil (BCB) e do Conselho Monetário Nacional (CMN).

    Entenda no vídeo abaixo o que é uma API de Pagamentos:

    As 3 abordagens para políticas de lançamento de APIs

    Hoje, existem três principais abordagens para o lançamento de APIs:

    API privada

    A API privada é usada apenas internamente para a conexão entre sistemas da empresa.

    Desse modo, a organização consegue ter maior controle sobre seus dados e eficiência na comunicação entre plataformas.

    No caso, a API não é aberta a nenhuma outra empresa ou usuário externo, pois tem como objetivo expandir os sistemas da empresa e modernizar seus processos.

    Com as mudanças rápidas do mercado e aumento da competitividade, as empresas precisam estar sempre prontas para desenvolver novas aplicações e integrá-las aos seus sistemas.

    Assim, as APIs cumprem esse papel essencial de trazer novas funcionalidades, automatizar processos, melhorar a estrutura de comunicação e aumentar a produtividade do negócio. 

    API de parceiros

    As APIs de parceiros são compartilhadas entre empresas para desenvolver novos produtos e agilizar os negócios.

    Por exemplo, se você tem uma plataforma de e-commerce, pode criar uma API para um parceiro que oferece um sistema analytics para lojas virtuais.

    Assim, seus clientes terão uma nova funcionalidade dentro do sistema que agrega valor ao seu negócio, enquanto seu parceiro ganha visibilidade e amplia seu mercado. 

    E a grande vantagem é que você não precisa expor todo o seu sistema para a outra empresa: basta ter uma API para permitir o acesso somente aos dados que você determinar. 

    O resultado é que você consegue firmar parcerias vantajosas com total controle do uso do seu sistema.

    Além disso, ainda tem a oportunidade de monetizar dados extraídos do seu negócio, como acontece nos programas de publicidade em redes sociais. 

    API pública

    A API pública é disponibilizada para qualquer desenvolvedor que queira agregar uma aplicação ao sistema, abrindo caminho para a inovação.

    É assim que diferentes plataformas oferecem a opção de login com os dados do Facebook e do Google, por exemplo.

    Por isso, as grandes empresas de tecnologia costumam disponibilizar suas APIs públicas gratuitamente e incentivar desenvolvedores a trabalharem com sua plataforma.

    Aproveite e veja o trecho do evento PHP Community Summit da Locaweb sobre como o open-source entrega valor e qual a importância desse processo:

    Como a API ajuda a receber pagamentos recorrentes

    Se você entendeu o que é API, já consegue enxergar o potencial dessa tecnologia na recorrência.

    Não à toa, a Vindi tem a melhor API de pagamento recorrente do mercado.

    Nossa solução é flexível, ampla e simples de implementar, e é voltada para a construção de qualquer tipo de negócio online.

    Ela funciona por REST e pode ser usada através do protocolo HTTPS, além de suportar o envio de webhooks (notificações), que facilitam a identificação de eventos que ocorrem na plataforma e tornam a comunicação com o usuário mais eficiente.

    A API Vindi também possui campos personalizados e metadados que são definidos e escolhidos pelo usuário para criar sua solução de pagamento sob medida.

    Para completar, a segurança é garantida pelo PCI Compliance — a principal certificação de segurança para sistemas que transacionam cartões de crédito. 

    Assim, fica fácil implementar sua cobrança recorrente e oferecer os principais métodos com nosso gateway de pagamento independente.

    Veja como funciona a integração via API em detalhes.

    Ficou claro agora o que é API e como você pode usá-la no seu negócio recorrente?

    Aproveite e faça um tour pela plataforma Vindi para conhecer seus diferenciais

    Demonstração Plataforma Vindi