Os Serviços Cloud, ou “serviços em nuvem”, são os provedores de plataformas (PaaS), infraestrutura (IaaS) ou softwares (SaaS), entre outros, por meio da internet. Os usuários podem acessar os serviços em nuvem usando apenas um computador e uma conexão de rede com a internet, sem a necessidade de fazer download de nenhum recurso.

Aqui, podemos entender dois tipos de usuários para os serviços cloud:

  • Programadores e profissionais da área de TI (Tecnologia da Informação): eles usam os recursos em cloud, como plataformas e infraestrutura, como base para desenvolver e hospedar softwares e aplicativos, na chamada “Cloud Computing”;
  • Usuários finais: pessoas que utilizam um software pela internet em suas funções de trabalho ou pessoais.

A revolução dos Serviços Cloud

Em geral, antes da existência dos serviços cloud, eram necessárias conexões materiais (hardwares) para se armazenar, compartilhar ou instalar softwares, arquivos e aplicações em computadores. Quem não se lembra dos CDs para instalar programas de computador? Ou de HDs para fazer backups de arquivos? Pendrives para passar um trabalho para um colega?

Os serviços em nuvem revolucionaram todo esse sistema de hospedagem e compartilhamento de aplicações, contribuindo com a chamada “Economia do Acesso”, antagônica à economia da propriedade.

Hoje, por exemplo, usamos nuvens, como Google Drive ou OneDrive, para salvar nossos arquivos e compartilhá-los. E também não precisamos mais baixar ou instalar um programa para poder utilizá-lo, basta acessá-lo online

Os preços se tornaram menores e, assim, mais pessoas podem ter acesso a recursos computacionais, além de aproveitarem suas atualizações automaticamente ao longo do tempo. Entre muitas outras coisas que facilitam nossa vida.

Mas a revolução não aconteceu só na ponta do usuário final. Como vimos, os programadores são grandes usuários dos serviços em cloud, mas, a um nível mais “invisível”: eles desenvolvem um trabalho de Cloud Computing dentro dessa infraestrutura virtual.

A nível de programação, os serviços cloud dispensam a existência de data centers físicos, que apresentam alto custo de manutenção, além de que permitem que o compartilhamento do trabalho entre um time de desenvolvedores seja muito mais prático pelo acesso compartilhado e remoto em nuvem.

Muito interessante, não é? Então, se você quer entender mais sobre o que são e como funcionam os serviços cloud, siga a leitura nesse artigo!

O que são Serviços Cloud?

As clouds (nuvens) são ambientes virtuais, ou seja, os locais onde as aplicações são executadas. Elas podem ser públicas, privadas ou híbridas.

Para deixar mais clara a definição de serviços cloud, vamos usar o conceito do que ele abrange: todas as infraestruturas, plataformas, softwares ou tecnologias acessadas pelos usuários por meio da nuvem, via internet, sem a necessidade de instalar ou fazer download, podem ser considerados serviços cloud.

As empresas de serviços cloud são as que atuam como provedoras de um ou mais destes recursos. Elas vendem infraestruturas, plataformas e/ou softwares na nuvem (daí o termo “as a service”, do inglês, ou “como serviço”, que compõe as siglas IaaS, PaaS e SaaS, respectivamente. Eles designam serviços de cloud gerenciados por terceiros).

Vamos exemplificar dois tipos de Serviços Cloud, o SaaS e o IaaS:

Uma empresa X, que vende um software online de RH para controle de ponto dos funcionários, é chamada de SaaS (Software as a Service), porque seu software é um serviço para outras empresas usarem.

Porém, para criar e desenvolver seu software de RH em nuvem, a empresa X precisou contratar um terceiro, que forneceu a ela a infraestrutura em nuvem. Esse fornecedor é, assim, uma empresa do tipo IaaS (Infraestrutura as a Service).

Mais adiante veremos a definição, mais a fundo, dessas siglas.

Para que servem os Serviços Cloud?

Os serviços cloud surgiram para otimizar o processo de desenvolvimento de softwares de empresas e para trazer vantagens também a usuários finais.

As principais funções de serviços cloud, abrangendo suas diversas modalidades, são disponibilizar:

  • Plataformas para desenvolvimento de softwares;
  • Espaços para armazenamento virtual de dados;
  • Softwares como serviço (SaaS), e muito mais.

Como vimos, usar a computação em nuvem, por meio de infraestrutura e plataformas virtuais, elimina diversos meios físicos, como servidores físicos e Data Centers. Isso reduz os custos com infraestrutura e, por consequência, o menor custo operacional se reflete em produtos com preços mais competitivos no mercado.

Para as equipes de programação, esse modelo de computação também permite:

  • Trabalho remoto, pois a nuvem pode ser acessada de computadores em qualquer lugar do planeta conectados à internet;
  • Compartilhamento de workspaces (espaços de trabalho) virtuais;
  • Centralização das informações em um só lugar.

Além disso, o modelo de software como serviço gera diversas vantagens ao usuário final:

Quais são os tipos de Serviços Cloud?

Existem diferentes camadas de serviços cloud, que podem ser dimensionadas de acordo com as necessidades da empresa que os contrata. Ela pode optar por uma ou mais modalidades, e ampliá-las ou reduzi-las quando precisar.

Veja as principais modalidades de serviços cloud:

SaaS (Software as a Service)

Hoje, diversas empresas entregam softwares como serviço em diversos nichos de mercado: varejo, comunicação, educação, financeiro, marketing e saúde são alguns deles. Veja alguns exemplos de empresas SaaS bem conhecidas no mercado:

Nelas, os softwares funcionam por um modelo de assinaturas, ou de subscrição, com a criação de contas do usuário para acesso. 

Todas as soluções SaaS são operadas, por definição, de forma 100% online. Ou seja, os clientes acessam os softwares pelo navegador web, ou por interfaces de programação de aplicações (APIs), como REST ou SOAP, para conectar o serviço a outras funcionalidades.

> Veja mais: Precificação SaaS: modelos de vendas, melhores práticas e exemplos

PaaS (Plataforma as a Service)

Uma PaaS é um provedor de serviços que fornece uma plataforma de aplicações baseadas em software, via nuvem. 

A finalidade da plataforma é voltada ao usuário (programador) desenvolver, executar e gerenciar aplicações (como softwares e aplicativos), sem ter que se preocupar em construir e fazer a manutenção da infraestrutura ou do ambiente. Essa função fica com o provedor.

Os usuários da PaaS são, no entanto, os responsáveis por cuidar das aplicações desenvolvidas e dos dados.

As plataformas de nuvem fornecidos pela Alibaba Cloud, Microsoft Azure, Google Cloud, Amazon Web Services (AWS) e IBM Cloud são um tipo de PaaS.

IaaS (Infraestrutura as a Service)

Uma solução de IaaS é aquela em que um provedor aluga uma infraestrutura de TI completa para computação em nuvem (servidores, rede, virtualização e armazenamento) para uma empresa utilizar. 

O usuário tem acesso ao IaaS por meio de uma API ou de um painel de controle.

Ao contratar um IaaS, o usuário deve se atentar à flexibilidade de adquirir apenas os componentes de que precisa, e a possibilidade de aumentar ou reduzir a escala de acordo com as necessidades empresariais.

Além disso, a maior parte das soluções permitem que o usuário pague apenas pelos recursos que usar, quando usar.

Por fim, a segurança é um item muito importante para esse serviço. O provedor deve ter uma boa reputação e os recursos necessários para evitar e gerenciar ameaças à segurança, além de documentação de protocolos de PCN.

CaaS (Container as a service)

Dentro desse leque de serviços cloud, a solução de CaaS é considerada um subconjunto da infraestrutura como serviço (IaaS), mas menor que uma plataforma como serviço (PaaS). 

Os containers são os recursos básicos de uma solução de CaaS. Eles são um mecanismo muito usado para a implantação de aplicações nativas em nuvem e microsserviços. As aplicações em containers são mais seguras e escaláveis.

Outra vantagem do CaaS é que ele aumenta a portabilidade entre nuvens, bom para programadores que trabalham com nuvens híbridas ou multicloud.

Se você gostou desse conteúdo sobre serviços cloud, baixe agora seu e-book com tudo que você precisa saber sobre métricas para SaaS e negócios de assinatura!