As empresas, para conseguirem atingir um público maior e, por consequência, mais clientes, disponibilizam diversos recursos de cobrança e pagamento, tais como: cartões de crédito e débito, paypal, boletos bancários entre outros. Cada uma dessas modalidades traz consigo diversas regras e maneiras de serem cobradas, acarretando em um certo custo de tempo na hora de geri-las. Mas este custo é abatido pelo maior alcance de vendas.

Uma das formas mais utilizadas para pagamentos, seja em lojas físicas ou virtuais, é a opção de boleto bancário. Esta opção é muito vantajosa para o cliente, que obtém um maior controle de sua compra e ainda pode pagar sem sair de casa, por meio de banco on-line. Além disso, muitas pessoas escolhem não terem cartão de crédito, portanto se o seu e-commerce não permitir esta opção, certamente perderá várias vendas.

Para a loja, além da retenção de um maior número de clientes, esta opção de pagamento também oferece muitas vantagens como, por exemplo, taxas menores do que o cartão de crédito, o pagamento é à vista, e ainda pode oferecer descontos aos clientes que optam pagar no boleto, tornando-a ainda mais competitiva.

Por isso é uma grande vantagem aderir a esta forma de pagamento. Para ajudá-los a entender melhor como funciona, fizemos este artigo especial sobre conciliação de boletos bancários. Confira!

O que é conciliação de boletos?

A conciliação é o trabalho de gerar um comparativo para que seja feito um controle financeiro eficaz. Algumas movimentações bancárias demoram para efetivamente caírem na conta, portanto a conciliação é o comparativo entre a movimentação bancária e as informações financeiras externar: pagamentos, cheques, juros, lançamentos ainda não realizados etc.

Em vista disso, a conciliação do boleto irá agrupar todas as informações externas (juros, pagamentos não realizados, parcelamentos etc.) e o saldo bancário, para que a empresa tenha exatidão em seu controle financeiro.

Para facilitar a conciliação, os bancos geram arquivos com todas as informações referentes ao pagamento dos boletos, que podem ser interpretados e apresentados por softwares, de maneira ergonômica e facilitada. Portanto, para quem quer ter um bom controle financeiro referente aos seus boletos, é importante conhecer o que são arquivos de retorno e arquivos de remessa. No próximo tópico explicaremos com mais detalhes o que é cada um.

Entenda o que é arquivo de remessa e arquivo de retorno

As empresas geram arquivos de remessa para comunicar aos bancos algum pagamento ou movimentação necessária a ser efetuada pela instituição. São várias as informações enviadas por esses arquivos (com a extensão .REM), como: registro e baixa de cobranças, pagamento de títulos, impostos etc.

Há casos em que os clientes precisam efetuar determinadas cobranças por meio de protesto de títulos. Para isso, o boleto precisa ser registrado. Boletos registrados não são muito comuns, por demandarem um custo maior, sendo utilizados apenas para situações especiais. Na maioria dos casos, os boletos sem registros contemplam totalmente as necessidades de cobrança.

Os arquivos de retorno da cobrança são muito importantes para a conciliação da empresa. É por meio destes arquivos (de extensão .RET), que os bancos comunicam às organizações a realização de pagamentos bem como detalhes destas operações. Estes arquivos permitem facilitar essas operações, sendo lidos por softwares específicos, a fim de dar todo o controle de pagamentos efetuados para a empresa.

Tanto os arquivos de retorno, como os arquivos de remessa devem seguir o layout padronizado pela Fenabran (Federação dos Bancos Brasileiros). Se você quer entender como funciona esse layout leia o post que fizemos especialmente sobre este assunto.

Gostou da dica? Então assine nossa Newsletter e receba ótimas dicas sobre pagamentos em seu e-mail.

Author

Fundador e CEO da Vindi, plataforma líder em recorrência e criador do maior evento de empresas SaaS e Assinaturas do país, o “Recorrência”. É também, o co-host do podcast Like a Boss.