A computação na nuvem, na qual o IaaS está incluso, é uma tecnologia que permite que os usuários utilizem serviços remotamente, precisando apenas de conexão à internet. 

À medida que você começa a considerar a mudança de seu negócio para a nuvem, seja para implementação de aplicativo ou infraestrutura, precisa entender as diferenças e vantagens dos vários serviços de nuvem.

À princípio, eles têm em comum a lógica do “everything as a service” (XaaS), que representa um modelo de venda por assinatura ou “aluguel”. Ou seja, o que você está comprando não é propriamente seu, mas licenciado para seu uso durante o plano contratado.

Mas, os Serviços Cloud apresentam diversas possibilidades diferentes. Aqui no blog da Vindi, você pode encontrar textos sobre os principais deles: PaaS, SaaS e Cloud Computing no geral. 

Hoje, vamos falar de um terceiro tipo de cloud service, o IaaS, que significa “Infrastructure as a Service” ou, em português, “Infraestrutura como Serviço”.

Siga a leitura e saiba mais!

O que é Infrastructure as a Service (IaaS)?

A Infraestrutura como Serviço são recursos para computação em nuvem. Os principais deles são:

  • Servidores e armazenamento;
  • Segurança e firewalls de rede;
  • Datacenter.

Todos esses recursos estão contidos em uma PaaS (Platform as a Service) também, que é maior que um IaaS. Entretanto, a PaaS oferece mais ferramentas de desenvolvimento, gerenciamento de banco de dados, análise de negócios e Sistemas operacionais. Entenda:

SaaS x PaaS x IaaS. Fonte: Microsoft.

Mas, para empresas que precisam apenas de servidores, processamento ou de armazenamento extra, por exemplo, podem contratar apenas esses recursos do IaaS. 

Isso porque ele é totalmente adaptável à demanda, podendo ser expandido ou contraído com facilidade. O provedor oferece cada componente do serviço separadamente, permitindo o aluguel individual de cada um deles.

Assim, o IaaS é aplicado de diversas formas para otimizar e resolver problemas em negócios. Alguns usos comuns são armazenamento e backup, análise de Big Data, computação de alto desempenho, suporte a aplicativos web e hospedagem de sites. 

> Veja também: IaaS, PaaS e SaaS: conheça a estrutura e os tipos de Cloud Computing

Como funciona o modelo IaaS?

O modelo IaaS, como vimos, é bastante flexível. Todo o serviço funciona pela internet, então, basta uma conexão para o usuário poder acessar e usar os recursos que escolheu. 

O IaaS fornece as mesmas tecnologias e recursos de um data center tradicional, sem demandar manutenção ou gerenciamento físico. Dessa forma, os provedores de IaaS gerenciam os servidores, discos rígidos, rede, virtualização e armazenamento.

Os clientes, por outro lado, serão responsáveis ​​pela segurança dos dados, backup e continuidade dos negócios. 

A partir disso, o IaaS funciona como for determinado pela equipe, podendo ser um ambiente de testes ou de desenvolvimento, por exemplo. A ideia, portanto, é que a infraestrutura ajude a otimizar processos e recursos das empresas.

Suas funções podem ser: tornar sites mais velozes; fazer backup e recuperação de dados; gerar um processamento ultrarrápido para as máquinas, e muito mais.

Os principais fornecedores de IaaS são:

  • Amazon Web Services (AWS);
  • Microsoft Azure;
  • Google Compute Engine (GCE);
  • Oracle;
  • IBM.

Quais as vantagens da Infrastructure as a Service?

Usar a Infrastructure as a Service significa contratar um provedor terceirizado. Isso quer dizer que, o cliente transfere a responsabilidade da manutenção e gerenciamento da infraestrutura para o provedor do serviço, ao invés de deixar à cargo da equipe de TI. 

Dessa forma, ele elimina preocupações e tarefas da equipe de desenvolvimento, que passa a poder se concentrar mais na inovação e na produção do software core da empresa.

Além disso, ao contar com um IaaS, é possível criar uma arquitetura automaticamente escalável que acompanha o crescimento dos negócios sem a necessidade de reconfigurar a infraestrutura física. 

Por exemplo, o uso de um banco de dados fornecido por um IaaS pode ajudar a configurar escalabilidade para sites em horários ou épocas de pico. Isso torna o site estável sem manter equipamentos ociosos durante os horários com número de acessos menores.

O armazenamento em nuvem também permite que stakeholders do projeto possam ter acesso a arquivos e atualizações em tempo real, de onde estiverem. 

Basicamente, com a computação na nuvem não é necessário fazer nenhum download, instalação ou compra de hardware. Essa é uma das principais vantagens do serviço, considerando também a redução da manutenção.

O único ponto de atenção deve ser em relação à confiabilidade do provedor. Como os recursos de hardware são alocados dinamicamente entre os usuários, o fornecedor deve garantir a privacidade de dados de cada cliente. Além disso, as máquinas virtuais (VMs) devem ser adequadamente isoladas na arquitetura de nuvem pública.

Agora, se você se interessa por entender mais sobre serviços em nuvem, baixe nosso e-book sobre o mercado SaaS e entenda tudo sobre o serviço que está mudando a forma como as empresas produzem. Acesse gratuitamente:

[avg] ([per]) [total] vote[s]