Do básico ao superior, as instituições de ensino ao redor do mundo estão sendo constantemente desafiadas a se reinventarem na crise do novo Coronavírus.

Dados do mês passado, oferecidos pela UNESCO e do Banco Mundial, apontam que mais de 1 bilhão de estudantes, distribuídos em 160 países pelos continentes afora, foram afetados.

Aqui no Brasil, não é diferente. No estado de São Paulo, por exemplo, todas as aulas da rede pública e particular estão suspensas, no mínimo, até o dia 10 de maio.

Além disso, outras empresas do segmento também foram afetadas: escolas de idiomas, de música, de reforço escolar e artes em geral entram na lista.

Dessa forma, vamos explorar os maiores desafios encontrados por quem está no segmento de educação e quais estratégias podem ser adotadas para ajudar alunos, professores e é claro, os negócios.

Desafios enfrentados pelas instituições de ensino

As escolas particulares, distribuídas pelos seus nichos, foram as primeiras a testar modelos de ensino totalmente online.

Entretanto, o ensino público só começou a implementar a viabilidade do ensino a distância (EAD) nas últimas semanas, programando entregas de materiais escolares para o começo de maio. Isso, por si só, já é um sinal de que a população mais vulnerável está sentindo, em proporções maiores, a falta das aulas.

Além disso, empresas que não fazem parte do segmento de educação básica, como escolas de música, idiomas e reforços escolares, precisam lidar com a desistência dos contratos e cancelamentos de mensalidades.

Entre os maiores desafios, podemos destacar:

Modelo de ensino

A forma de transferência dos conteúdos, que antes eram 100% presenciais, para 100% online precisa ser analisada com calma. Até porque, não é tudo que pode ser passado por vídeo.

Hoje, temos visto muitas instituições de ensino fazendo transmissões ao vivo pela internet por horas, mesmo para crianças pequenas, de 8 ou 9 anos. Será que podemos dizer que essas crianças realmente estão aprendendo?

E no mais, ainda é necessário discutir um ponto que antecede o ensino à distância: o acesso à internet.

Acesso à internet

Dados recentes do IBGE mostraram que quase 30% da população brasileira não tem nenhum acesso à internet. Além disso, as operadoras de telefonia registraram um aumento médio de 40% no tráfego de internet banda larga fixa só nos primeiros dias de quarentena.

Com esse aumento, previsto para chegar em até 200%, a rede de banda larga entraria em colapso estrutural. Por isso, é muito importante que estratégias de produção de conteúdo offline sejam adotadas em parceria com as digitais.

Adequação do público-alvo

Uma criança, na primeira infância, aprende de um jeito. Uma criança em processo de alfabetização aprende de outro.

Um adolescente, aprende de outra forma e um adulto, de outro jeito. Da mesma forma, quem está aprendendo a tocar violão, precisa de estratégias pensadas para aquele aprendizado. Quem está em um curso de inglês, provavelmente não pode usar das mesmas técnicas que usava de forma presencial.

A adequação do conteúdo certo para o público certo é um grande desafio para as instituições de ensino que estão neste processo de transformação digital.

Comunicação com pais e responsáveis

É um momento delicado para todas as partes: mantenedores, professores, estudantes, pais e responsáveis. Todos estão tentando descobrir quais as melhores formas de adaptar os cenários diante da crise, e a comunicação é outro desafio em questão.

Como conversar com os pais constantemente, direcionando conteúdos, aulas, tutoriais e aconselhamentos? Ou será que, neste momento, a escola só deve se preocupar em falar com responsáveis quando o pagamento se aproxima?

Quanto menor a escola, mais chances de ter uma comunicação personalizada com os alunos. Ainda assim, é possível que uma escola grande, com milhares de alunos, consiga planejar sua comunicação para que os pais recebam, de tempos em tempos, direcionamentos da instituição.

O que não pode acontecer, de jeito nenhum nesse cenário, é o abandono dos pais por parte das instituições de ensino. É esse abandono que leva ao churn, nosso próximo tópico deste post.

Churn

Quanto menos essencial o estudante (ou responsável) achar que aquela instituição de ensino é, mais fácil é o rompimento da sua relação com ela. Principalmente em tempos incertos como o que estamos vivendo agora.

Entretanto, também é possível que muitas escolas na educação básica sofram com churn se os pais e responsáveis perderem seus empregos, por exemplo.

Trocar os filhos para escolas com mensalidades mais baratas pode até não ser a primeira opção, mas certamente é considerada e deve ser vista como um desafio para todos os que têm empresas neste segmento.

Gestão de fluxo de caixa das instituições de ensino

A gestão do fluxo de caixa é outro dos grandes desafios. Da mesma forma, quanto menor uma escola, provavelmente menor é seu caixa emergencial.

Considerando que os maiores gastos dos mantenedores é com a folha de pagamento dos colaboradores em geral, é fundamental que toda a cadeia produtiva continue funcionando.

Estratégias que podem ser usadas pelas instituições de ensino neste momento

Aqui na Vindi, temos alguns insights de como o segmento está se comportando baseado na nossa carteira de clientes.

Analisando métricas de TPV (volume total processado), por exemplo, é possível ver que o segmento tem se recuperado nas últimas semanas. Da mesma forma, hoje existem várias plataformas de e-learning no Brasil, que estão ajudando as instituições de ensino nesse momento de transformação digital.

A diminuição do valor processado na nossa plataforma foi de -2,3%, mas já chegou a -12%. O que foi uma surpresa boa para nós!

Além disso, percebemos que algumas instituições de ensino, as que estão se destacando no mercado, estão usando as seguintes estratégias:

Descontos em mensalidades

Oferecer descontos nas mensalidades a vencer, e nas futuras, é a solução mais usada por escolas. Entretanto, esse desconto precisa ser bem estudado, de forma que os gastos com folha de pagamento e infraestrutura precisam ser contemplados nessa gestão de crise.

Renovações futuras com descontos estão fazendo sucesso em diversos segmentos, como os de beleza e estética, fitness e, é claro, educação.

Além disso, também é possível pensar lá na frente, oferecendo isenções em rematrículas, descontos em uniformes, materiais escolares, passeios e tudo o que estiver no cronograma do ano letivo.

E se sua escola for de música, por exemplo, é possível até presentear alunos com equipamentos e instrumentos quando tudo se estabilizar!

Agora, se essa não for uma possibilidade para sua empresa e você contar com um caixa emergencial, congelar mensalidades por 30 ou 60 dias pode ser uma boa estratégia de retenção para evitar o churn.

Curadoria de conteúdo das instituições de ensino

É fato que a maioria das instituições de ensino não estava preparada para lidar com uma pandemia que impediria as aulas presenciais.

E, sem preparação, os conteúdos digitais também não estavam prontos, e só quem já produziu conteúdos de EAD sabe quão trabalhoso é.

Se esse for o seu caso, investir em curadoria de conteúdo pode ser um ótimo caminho para que seus alunos tenham acesso contínuo a materiais de qualidade. A internet já tem muito conteúdo produzido, finalizado, publicado e disponível para consumo.

Enquanto você produz os da sua escola, que tal ter essa ajuda dos ambientes virtuais?

Ensino em pequenas pílulas online

As lives de horas seguidas, videoconferências diárias e aulas que apenas foram transferidas das salas para as telas, podem dificultar muito o ritmo de aprendizagem dos estudantes, independentemente da idade para qual são ofertadas.

Por isso, as melhores escolhas são as que entregam pequenas pílulas de conteúdo ao longo do dia.

Vídeos, áudios, podcasts e conteúdos audiovisuais diversos, mas que tem começo meio e fim em um curto espaço de tempo. Tente não passar de 5 minutos por vídeo e entregue aos estudantes ou responsáveis de forma fácil e simples de ser absorvido .

Diferentes objetos de aprendizagem

Além dos conteúdos audiovisuais, materiais complementares também são fundamentais para complementar o ensino neste período de isolamento social.

Por isso, pense em infográficos, livros, artigos, filmes, séries, documentários, e-books, entrevistas, apostilas e tudo o que fizer parte do escopo da sua instituição de ensino.

Mesclar conteúdos online e offline dá ao estudante o poder de aprender de várias formas diferentes, aumentando a taxa de retenção.

Oferta de várias opções de pagamento

A história do pagamento das instituições de ensino sempre foi, majoritariamente, por boleto bancário. Essa é uma opção viável, mas que pode aumentar os níveis de inadimplência em tempos de crise.

Além disso, pesquisas internas com nossos clientes mostraram que negócios que aceitam pagamento por cartão de crédito ou em débito recorrente sofrem muito menos. Os números são de cerca de 50% a menos do que as que só aceitam boleto.

Portanto, ofertar várias formas de pagamento, que vão além dos carnês e boletos, é fundamental para quem quer se adaptar mais rápido na crise.

Implementação da Economia da Recorrência

Nos nossos estudos semanais, que estamos fazendo desde o começo da pandemia, podemos constatar que empresas recorrentes sofrem muito menos em tempos de crise.

Para entender o que é a recorrência: você basicamente automatiza seu processo de pagamentos, cobrando de forma recorrente um serviço que é contínuo. No caso, a educação.

Dessa forma, seu cliente não precisa mais ir até a sua escola para efetuar o pagamento daquela mensalidade. Ela é descontada, automaticamente, do cartão de crédito dele e renovada todos os meses, de acordo com o plano que você oferecer.

Depoimento Escola de Música Allemande

Um dos nossos clientes aqui na Vindi, dono de uma escola de música chamada Allemande, conversou com a gente sobre as vantagens que a recorrência trouxe para a empresa dele desde Setembro de 2019.

Acredito que, toda vez que o meu cliente vai pagar, ele passa por um momento de avaliação, e essa avaliação pode gerar cancelamentos por vários motivos, como o desempenho pessoal que ele teve em determinada aula, por exemplo.

O curso de música não é um curso rápido, ele precisa ficar um longo período na escola para ter um bom resultado e o financeiro precisa ficar no fundo de todas as decisões dele para que ele veja o valor do serviço prestado a longo prazo.

Além disso, Guilherme também contou como está enfrentando a crise no seu negócio. E os números são surpreendentes:

Eu bati o martelo para assinar com a Vindi porque eu tive um grande númerode inadimplências. Depois de entrevistas com quem estava com as mensalidades atrasadas, descobri que 40% dos inadimplentes eram alunos que só esqueceram de pagar, e não pessoas que estavam com dificuldades financeiras ou com intenção de parar o curso.

Em setembro, eu comecei com 43% da escola não pagando a mensalidade do mês anterior (Agosto), sendo que o “normal” era 22%.

Depois, em Outubro (depois de começar a rodar com a plataforma da Vindi) eu baixei o número de inadimplentes para 18,5% e ele reduziu ainda mais em Novembro e Dezembro, chegando a 13,5%.

Já em Abril desse ano, eu tive 12% de inadimplência no início do mês. Mas, no decorrer dos dias, eu praticamente zero os inadimplentes. Além disso, tenho uma margem de 5% de alunos que acabam demorando dois meses para pagar a mensalidade atrasada.

Automação do processo de cobrança das instituições de ensino

O exemplo do Guilherme e sua escola de música também pode ilustrar como a automação do processo de cobrança é fundamental para “mudar o foco dos clientes nas instituições de ensino:

Como os pagamentos estão automatizados e os alunos não passam pelo momento crítico de terem que pagar as mensalidades presencialmente, o pagamento é feito do mesmo jeito que uma conta de luz, água, internet ou qualquer outra conta recorrente do mês. Dessa forma, meus alunos ficam focados na parte pedagógica da minha escola de música.

Para que sua empresa se beneficie da Economia da Recorrência, é preciso automatizar a gestão de pagamentos dos seus clientes para que as cobranças sejam feitas automaticamente.

Da mesma forma, é necessário que os clientes inadimplentes sejam rapidamente acionados e que opções sejam dadas a eles para que as faturas vencidas sejam rapidamente quitadas.

É aqui que a Vindi entra como uma parceira de sucesso para ajudar seu negócio a vender mais e sempre! Assim como ajudamos o Guilherme, nós temos a plataforma mais completa do mercado para automatizar seu processo de pagamentos e de cobrança, te ajudando neste momento de transformação digital na educação.

Conheça a Vindi

Com a Vindi, você pode fazer vendas avulsas, parceladas e recorrentes. Além disso, é possível oferecer várias formas de pagamento, como boleto e cartão de crédito. Neste ponto, vale destacar também que temos parceria com todas as bandeiras do mercado, dando um grande leque de opções para seus clientes.

E, se você ainda não tem um site ou uma página na internet, não tem problema! Com o nosso link de pagamento, você tem em mãos uma maquininha de cobrança, só que totalmente digital! É possível enviar o link por e-mail, SMS, pelas redes sociais e o melhor: de forma rápida e 100% segura.

Nós temos funcionalidades que são responsáveis pela diminuição das taxas de inadimplência e que podem ser usadas pela empresa para sobreviver em tempos de crise e crescer com sustentabilidade, quando tudo isso passar.

Portanto, faça como o Guilherme e nossos outros 6.000 clientes e comece a implementar agora mesmo a transformação digital na sua instituição de ensino. Clique no banner abaixo e converse com um dos nossos especialistas. Temos certeza que as dicas deste post e as nossas soluções podem te ajudar a vender mais e sempre!banner-para-contato-comercial-na-Vindi