Lean startup é um método inovador para criar empresas disruptivas, ágeis e 100% focadas na geração de valor para o cliente.

Você já deve ter ouvido falar em startups enxutas, que fazem mais com menos e trabalham com recursos reduzidos.

Acontece que essa abordagem não é só uma questão de economia, e sim de performance. 

Com o método lean startup, qualquer empresa pode agilizar o desenvolvimento de produtos, entregar mais rapidamente a solução ideal para o seu público e aumentar seu potencial de escalabilidade.

Vamos descobrir como nos tópicos a seguir:

Leia até o fim e saiba como aplicar o lean startup para impulsionar seu negócio.

O que é lean startup?

Lean startup significa “startup enxuta”: uma das metodologias de gestão e empreendedorismo mais utilizadas na economia criativa.

Ela foi criada por Eric Ries, um empreendedor pioneiro do Vale do Silício 

No início, a lean startup era um modelo de empresa inovadora com a aplicação de métodos ágeis, mas hoje o conceito se estendeu para vários tipos de negócios e se tornou um grande movimento

O princípio fundamental da metodologia é eliminar desperdícios e “enxugar” excessos na gestão da empresa, fazendo com que o produto ideal chegue até o público-alvo o mais rápido possível.

A ideia é encurtar o ciclo de planejamento, desenvolvimento de produtos e lançamento no mercado, e ao mesmo tempo realizar experimentos contínuos para garantir que a solução da empresa resolva o problema do cliente.

É daí que surge a abordagem de experimentação, aprendizado e inovação das startups, que se diferencia totalmente de um plano de negócios tradicional. 

Livro Lean Startup

O empreendedor Eric Ries resumiu suas ideias sobre lean startup no livro A Startup Enxuta (Leya, 2012).

A obra traz uma abordagem revolucionária para a administração, baseada nos anos de experiência de Ries como empreendedor e consultor de startups.

Originalmente, o conceito lean startup vem de lean manufacturing, ou manufatura enxuta: uma filosofia de produção de alta performance criada na década de 1980 por montadoras japonesas.

Essa abordagem ficou famosa com o Sistema Toyota de Produção, que focava na redução de desperdícios de recursos em variáveis como tempo de espera, transporte, inventário, defeitos de fabricação, entre outras.

O objetivo era eliminar todas as atividades que não agregavam valor à produção e implementar uma gestão de qualidade “zero defeito”, com melhorias contínuas e alta flexibilidade.

Então, Ries se inspirou nessa ideia para adaptar os princípios da gestão enxuta às empresas de tecnologia e inovação do Vale do Silício, especialmente no segmento SaaS (Software as a Service).

Saiba mais sobre o livro aqui:

Quem é Eric Ries?

Eric Ries é um empreendedor em série, blogger, autor e influenciador de negócios estadunidense que criou o conceito de lean startup.

Ele fundou sua primeira startup, a Catalyst Recruiting, ainda durante sua graduação, mas acabou fracassando por focar tempo e energia demais em uma solução que não correspondia às expectativas de seus clientes.

Essa primeira lição foi importante para que Ries buscasse novas formas de empreender em um cenário de grandes incertezas, abrindo caminho para a criação da lean startup.

Ele ainda teve outra experiência com uma startup que cometeu erros semelhantes (There Inc.), focando mais nos processos e na tecnologia do que nas necessidades de seu público-alvo.

Com base em suas vivências no Vale do Silício como engenheiro de software, Ries desenvolveu uma nova forma de empreender, que reduz as práticas de desperdício e foca 100% na geração de valor para o cliente. 

Além do seu livro clássico “A Startup Enxuta”, ele também lançou O Estilo Startup (Sextante, 2019), publicado originalmente em 2017 nos EUA com o título “The Startup Way: how modern companies use entrepreneurial management to transform culture and drive long-term growth”.

Como o próprio nome sugere (O Estilo Startup: como empresas modernas usam a gestão empreendedora para transformar sua cultura e gerar crescimento em longo prazo), esse segundo livro adapta o conceito de startup enxuta para os mais diversos empreendimentos.

Como funciona o método lean startup

Nas palavras de Eric Ries, o método lean startup oferece uma abordagem científica para criar e gerenciar startups de modo que o produto ideal chegue mais rapidamente às mãos dos consumidores.

Para isso, é preciso que todas as etapas desnecessárias sejam eliminadas e que a empresa otimize ao máximo seu planejamento, desenvolvimento de produtos e serviços, testes e lançamento.

Basicamente, o lean startup se opõe ao método tradicional de criação de empresas, que envolve um longo plano de negócios repleto de processos, pesquisas e procedimentos burocráticos.

O que acontece na prática é que inúmeras empresas gastam muito tempo e dinheiro em um planejamento de meses e acabam lançando um produto que não atende às necessidades do público-alvo. 

Logo, é preciso substituir esse método engessado por uma abordagem mais ágil, eficiente e direto ao ponto. 

A solução que o lean startup propõe é a adoção de um ciclo de “construção, mensuração e aprendizagem” (build-measure-learn, em inglês).

Isso significa transformar ideias em produtos e serviços (construir), verificar como os consumidores respondem a eles (medir) e descobrir qual caminho seguir para ter sucesso no mercado (aprender). 

Essas etapas transcorrem em ciclos contínuos de experimentação, que consideram o feedback do cliente para o aprimoramento do produto até seu lançamento.

Para isso, a startup deve criar seu MVP (Minimum Viable Product, ou Produto Mínimo Viável), do qual falaremos em detalhes mais adiante.

Além disso, em vez de criar um plano de negócios extenso, a startup deve ser estruturada em um Business Model Canvas (Canvas de Modelo de Negócio, em português). 

Essa ferramenta resume todas as áreas estratégicas de um negócio em um único quadro, incluindo proposta de valor, atividades-chave, relação com os clientes, fontes de renda, canais de distribuição, etc.

 

Quando usar?

Houve um tempo em que o lean startup era indicado somente para startups, ou seja, empresas que criam produtos e serviços inovadores em cenários de extrema incerteza.

Hoje, no entanto, o próprio Eric Ries adaptou a metodologia para ser aplicada a qualquer negócio, de microempresas a grandes corporações. 

Logo, o método da startup enxuta pode ser usado por qualquer empresa quando é preciso agilizar processos, criar soluções mais assertivas e gerar mais valor para o cliente.

Vantagens do lean startup

São inúmeras as vantagens do método lean startup para empresas de todos os segmentos.

Veja alguns benefícios:

  • Maior proximidade com o cliente e possibilidade de receber feedbacks rápidos sobre o produto
  • Capacidade de testar e validar hipóteses antes de lançar um produto no mercado
  • Economia de tempo e custos no desenvolvimento de produtos e serviços
  • Agilidade para mudar rapidamente de direção (pivotar) se for identificada uma demanda diferente no mercado
  • Possibilidade de explorar a fundo públicos muito segmentados (nichos de mercado)
  • Capacidade de inovar rapidamente e de forma eficiente, em um processo de aprendizado contínuo
  • Alto potencial de escalabilidade com a construção de estruturas enxutas e repetíveis
  • Redução de riscos com análise de viabilidade e sustentabilidade do negócio.

Diferenças entre lean startup e modelo tradicional

Já falamos um pouco sobre as diferenças entre o método lean startup e o tradicional.

Veja uma comparação em detalhes, feita com base em um artigo da Harvard Business Review:

Método lean startup Método tradicional
Tem como base o Canvas de modelo de negócio Tem como base o plano de negócios tradicional
É guiado por uma mentalidade de experimentação e hipóteses É guiado por uma mentalidade de planejamento e implementação
Os produtos são desenvolvidos com foco total no cliente, incluindo testes diretos com o público-alvo Os produtos são desenvolvidos a partir de uma ideia de público-alvo e pesquisas de mercado, seguindo etapa por etapa de um longo planejamento
O desenvolvimento de produto é feito por meio de métodos ágeis, com ciclos iterativos e incrementais  O desenvolvimento de produto segue o método tradicional em cascata, com diversas etapas e processos fixos (pesquisa, produção, testes, etc.)
As equipes são multidisciplinares e contratadas por um conjunto de hard skills (competências técnicas) e soft skills (competências comportamentais) Cada colaborador tem uma função específica e os profissionais são contratados pela sua formação, experiência e habilidade em executar determinadas tarefas
Os erros são esperados e fazem parte do ciclo de aprendizagem da startup, sendo corrigidos por meio de novos testes e estratégias de pivotagem Os erros são considerados exceções e são corrigidos por meio de alterações em processos ou mesmo demissões
A empresa opera em alta velocidade com uma gestão data-driven (orientada por dados), agregando dados em tempo real, ainda que não estejam 100% completos. A empresa se preocupa mais em ter os dados completos e um sistema de mensuração rigoroso do que em acompanhar o ritmo do mercado.

O ciclo lean startup na prática

Agora vamos entender melhor como funciona o ciclo lean startup na prática, com base em suas principais metodologias.

Veja como tudo acontece:

O ciclo do feedback

O ciclo do feedback é simplesmente a sequência de etapas que permite o desenvolvimento ágil de produtos com base nas necessidades dos consumidores. 

Ele é composto por três ações:

  • Construir: é a etapa de construção do produto inicial (o MVP), que se baseia em pesquisas de mercado e na transformação de ideias em soluções economicamente viáveis
  • Medir: é a fase de coleta dos feedbacks de clientes selecionados com base no Perfil de Cliente Ideal (ICP), que fornecem os inputs necessários para o aprimoramento do produto em fase de desenvolvimento
  • Aprender: é o momento em que as métricas da fase anterior são transformadas em conhecimento e a startup decide se deve continuar no caminho proposto ou pivotar antes de se lançar ao mercado em uma estratégia go to market.

Essas três etapas ocorrem de forma contínua em iterações, até que o produto esteja dentro das expectativas dos consumidores e possa ser lançado no mercado com maiores chances de sucesso. 

O que é MVP?

MVP significa Minimum Viable Product ou Produto Mínimo Viável: uma versão inicial do produto com o mínimo de recursos possíveis para testar sua viabilidade e aceitação junto ao público-alvo.

Grandes empresas de tecnologia como Facebook, Apple e Dropbox começaram testando um MVP com um grupo de usuários selecionados, para depois ajustar seus produtos e lançar a versão final no mercado.

Na prática, esse produto mínimo pode ser uma versão demo de um software ou app, um protótipo de um produto físico ou simplesmente um vídeo explicativo sobre a solução oferecida.

O importante é que ele seja suficiente para mostrar as principais funcionalidades e a proposta de valor da solução, dando início ao ciclo de feedback.

Ouça o podcast abaixo e saiba mais sobre MVP:

Dicas para criar um MVP

Para criar um MVP eficiente, é importante seguir algumas dicas e boas práticas do lean startup:

  • Use o mínimo de recursos na construção do MVP, de modo que ele seja suficiente para mostrar a essência do produto, mas não comprometa o impacto do lançamento
  • Selecione um público representativo e, de preferência, composto por formadores de opinião para testar seu MVP
  • Foque nos atributos essenciais do produto ou serviço, pensando sempre que a versão final será muito mais elaborada
  • Defina quais métricas você vai usar para avaliar o desempenho do MVP (ex: número de downloads de um aplicativo, nota dada pelos clientes, visualizações de um vídeo)
  • Controle os custos do MVP para não gastar demais com o protótipo antes de confirmar seu potencial
  • Use o aprendizado do MVP para lançar o produto mais assertivo possível e, se necessário, mude completamente de direção (pivote).

Por onde começo na metodologia lean startup?

Existem vários caminhos para adotar a metodologia lean startup na sua empresa.

Se você pretende lançar um novo produto ou serviço, por exemplo, pode começar formulando hipóteses sobre as necessidades dos clientes e aplicando o ciclo construir-medir-aprender. 

Isso vai exigir uma mudança importante nos seus processos internos, que devem fugir do modelo tradicional e trazer o conceito de agilidade para as tarefas do dia a dia.

Você pode, inclusive, formar uma equipe multidisciplinar aos moldes das startups para experimentar o modelo internamente.

Outra dica é aplicar métodos ágeis como o Scrum e o Kanban, que já trazem os modelos de desenvolvimento e produção avançados que sua empresa necessita.

Se a ideia é reavaliar a estratégia da empresa, vale fazer o exercício do canvas de modelo de negócio para entender os pontos-chave das suas operações e eliminar os excessos.

O importante é mudar o foco dos processos para os clientes, tendo como objetivo primordial a geração de valor.

Entendeu como funciona o lean startup e por que ele impulsiona negócios?

Aproveite e baixe nosso ebook completo sobre o mercado SaaS, que foi um dos berços dessa metodologia.ebook saas: tudo o que você precisa saber sobre o mercado saas. Baixar conteúdo exclusivo!