Vinhos em lata eram impensáveis até pouco tempo atrás.

Hoje em dia, porém, são uma tendência que está crescendo, combatendo os preconceitos rapidamente e popularizando ainda mais esta bebida milenar.

Afinal, não é todo ambiente que combina com taças de vidro e garrafas, também de vidro, cujas rolhas não podem ser recolocadas.

Nas praias brasileiras, principalmente, as latinhas de vinho estão bombando.

Para pessoas que querem beber sozinhas apenas uma dose moderada, também é uma boa opção.

Não é à toa que os vinhos em lata caíram no gosto das pessoas.

Se você quer saber mais sobre o assunto, ou ainda melhor, investir nesse nicho de mercado que parece promissor, continue lendo o texto abaixo!

Vinhos em lata: como surgiu essa tendência?

O vinho em lata tem muito a ver com a informalidade e o verão.

Aquela aura de mistério que envolve garrafas de vinho envelhecido por décadas não combina com situações mais despojadas, especialmente em dias quentes.

Às vezes você só quer tomar uma dose pequena de vinho ao chegar em casa no final do dia, ou enquanto relaxa na praia ou na piscina.

Nos Estados Unidos, o vinho em lata existe pelo menos desde 2004 e já é uma tendência nos meses mais quentes há um bom tempo.

No Brasil, a coisa começou a andar em 2018, com a criação de espumantes em lata, e a cada verão, ganha mais e mais espaço.

O vinho em lata é bom?

O vinho em lata é tão bom quanto o vinho em outro recipiente, pois o que importa é o conteúdo.

Afinal, a bebida não fica com gosto de lata nem nada disso.

É claro que, para muitos enólogos e para os apreciadores mais tradicionais, essas afirmações podem soar como blasfêmias, mas aqui é importante fazer uma distinção.

Os vinhos mais raros e delicados, que levam décadas para serem maturados, realmente precisam ser acomodados em garrafas.

A lata de alumínio não é o ambiente correto para o vinho descansar por longos períodos.

Portanto, a boa e velha garrafa não vai ser substituída nem ficar no passado.

Nem é intenção dos produtores de vinho em lata aposentar a garrafa, sempre haverá espaço para ela.

Agora, para uma recepção informal, em que cada pessoa prefere um tipo de vinho, ou à beira da piscina, ou para colocar em um cooler e levar para a praia, a lata pode ser uma excelente pedida.

Quem mora sozinho ou bebe sozinho, e não gosta de deixar garrafas pela metade, com o vinho oxidando na geladeira, também pode fazer uso dessa novidade que já virou tendência.

Qual a diferença para os vinhos em garrafa?

Lata não é sinônimo de má qualidade.

A principal diferença para o vinho em garrafa, como vimos, está relacionada às condições para o envelhecimento da bebida, afinal, ela não é feita para armazenar o líquido por muito tempo, e o alumínio perde calor facilmente.

Mas não são os vinhos envelhecidos e caros que vão ser comercializados em lata.

O vinho para ser consumido em lata é um vinho feito com uvas jovens, com um sabor refrescante e preço modesto, perfeito para situações informais.

Se você provar um vinho com estas características em um teste às cegas, muito dificilmente saberá distinguir qual veio em lata e qual em garrafa.

Outra vantagem a favor das latas, além do preço e da conveniência, é que são mais leves e facilmente recicláveis.

Oportunidades do segmento de vinhos para empreendedores

Principalmente nas praias e piscinas do Brasil, os vinhos enlatados – especialmente os mais leves, como os brancos e rosés –  já estão disputando a preferência dos consumidores com a cerveja e os drinks preparados.

Porém, ainda é um mercado que está engatinhando, o que pode significar uma grande oportunidade.

Um estudo encomendado pela Ball Corporation, fabricante de embalagens de alumínio, mostra o crescimento da preferência dos brasileiros pelo vinho em lata e a disposição da maioria em experimentar.

A aceitação parece ser maior entre o público feminino e jovem, com 57% das mulheres de 25 a 34 anos se dizendo dispostas a provar o produto.

Os motivos apontados pelos participantes da pesquisa variam entre a curiosidade por algo diferente, a facilidade do transporte e a conveniência para ocasiões como clubes, piscinas, praias e churrascos.

Além dos vinhos, algumas marcas artesanais já começaram a colocar outros drinks em latinhas.

Tem como usar a recorrência para vinhos em lata?

A recorrência é um modelo muito lucrativo de fazer negócio, afinal, você vende uma vez e recebe o pagamento todos os meses, ou na periodicidade escolhida.

Foi assim que Netflix e Spotify revolucionaram seus nichos e se tornaram potências mundiais, por exemplo.

É um sistema muito indicado para vendas por assinaturas, planos e mensalidades.

Portanto, uma forma possível de ganhar dinheiro na recorrência com vinhos em lata pode ser a criação de um clube de assinatura de vinho.

O cliente escolhe quais tipos de vinho gostaria de receber em casa todos os meses ou todas as semanas e paga um valor fixo.

Assim, é possível oferecer diferentes pacotes, com diferentes quantidades, para agradar aos que bebem mais e aos que bebem menos, e surfar na onda dos vinhos em lata.

Como a Vindi pode te ajudar a formatar seu negócio de vinhos em lata?

Para formatar um negócio como esse, você precisa de uma parceria especializada.

Pioneira na recorrência, a Vindi pode ajudar você a faturar muito com uma assinatura de vinhos em lata.

Ebook Clube de Assinaturas

A nossa plataforma serve para automatizar a cobrança recorrente, colocando na sua mão o controle total do negócio.

Além de ter uma visão completa da operação, você combate o maior vilão dos negócios com pagamento recorrente: a inadimplência.

A plataforma se comunica automaticamente com o banco e com a operadora de cartão de crédito, garantindo a efetivação do pagamento.

Hoje em dia, também é possível ativar a cobrança recorrente no Pix, com o Pix Vindi.

São muitas vantagens e você não pode ficar de fora dessa: conheça nossas soluções e fale com nossos especialistas agora mesmo!

Fale com nossos consultores

Rate this post

Write A Comment