A economia prateada é um mercado em ascensão que acompanha a maior tendência demográfica atual: o envelhecimento da população.

Temos cada vez mais pessoas acima dos 60 anos que seguem muito mais ativas, produtivas e dispostas a consumir.

Para você ter uma ideia, até 2050, o Brasil deve se tornar o 6º país com mais idosos no mundo.

Logo, chegou a hora de olhar com mais atenção para esse público com enorme potencial e criar produtos e serviços exclusivos para a terceira idade.

Vamos apresentar esse novo universo de oportunidades nos tópicos a seguir:

Continue lendo e saiba como lucrar com a tendência da economia prateada.

O que é economia prateada?

Economia prateada, do inglês silver economy, é o mercado voltado exclusivamente às necessidades das pessoas com mais de 60 anos

Ele também é conhecido como “economia da longevidade”, e vem crescendo conforme a população envelhece e a pirâmide etária se inverte em vários países. 

Cada vez mais, os idosos — agora chamados de seniores, maduros ou vívidos — ganham atenção das empresas e mostram sua força como classe consumidora, graças à melhora na qualidade de vida e mudança cultural.

Se antes os mais velhos eram vistos como uma população reclusa e dependente, hoje eles têm mais saúde, tomam suas próprias decisões e desfrutam a vida da mesma forma que os jovens.

E, para completar, têm mais dinheiro e um patrimônio muito maior do que o das gerações mais novas. 

Existem cerca de 750 milhões de pessoas com mais de 60 anos no mundo, que movimentam mais de US$ 15 trilhões (cerca de R$ 78 trilhões) ao ano, segundo dados da Harvard Business Review publicados na Exame

A expectativa é que o grupo atinja uma população de 1,4 bilhão em 2030, dos quais 76% estarão economicamente ativos — e mais ricos do que os jovens — segundo um estudo da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). 

Hoje, a maior economia prateada do mundo é a dos EUA, que movimenta mais de US$ 3 trilhões (aproximadamente R$ 15,6 trilhões) ao ano, seguida da China e do Japão.

Já o Brasil ficou em décimo lugar no ranking, sendo o mercado mais promissor para os “silver dollars” (dólares prateados) na América Latina. 

A economia prateada no Brasil

De acordo com o estudo Tsunami60+, o Brasil tem 30,3 bilhões de idosos e chegará à marca de 68,1 milhões em 2050 — o equivalente a 30% da população. 

Isso fará do país o 6º mais velho do mundo, à frente de várias nações desenvolvidas.

Além disso, a população de pessoas com mais de 60 anos já ultrapassou a de crianças de até 5 anos.

Há dois fatores principais que explicam esse envelhecimento populacional:

  • A queda da taxa de natalidade, que passou de 6 filhos por mulher na década de 1960 para 1,7 filho por mulher em 2017
  • O aumento da expectativa de vida, que era de 45,5 anos em 1940 e atingiu 76,6 anos em 2019.

Veja abaixo o vídeo produzido para a divulgação do estudo: 

Além disso, é importante ressaltar que 63% das pessoas com mais de 60 anos são provedoras de família, enquanto 86% das pessoas com mais de 55 anos têm renda própria (a porcentagem sobe para 93% na faixa dos 75).

Hoje, a economia prateada, ou comércio maduro, movimenta cerca de R$ 1,6 trilhão ao ano, e o consumo dessa população cresce 3 vezes mais rápido em comparação com o dos mais jovens. 

Mas mesmo com esse crescimento óbvio, a economia prateada ainda caminha a passos lentos no país.

Basta olhar para o mercado para perceber que a ideia de juventude ainda está impregnada na mídia, e que existem poucos produtos e serviços pensados para o público maduro.

Para você ter uma ideia, 63% dos negócios no Brasil são direcionados aos millennials, segundo um estudo da consultoria Hype60+ publicado na Exame

Logo, há um mar de oportunidades para empreender na economia prateada e aproveitar essa tendência demográfica e cultural. 

Como os idosos estão consumindo?

O público 60+ vem quebrando estereótipos e mudando seus hábitos de consumo. 

De acordo com uma pesquisa da GFK publicada no Mundo do Marketing, 72% dos idosos saem de casa todos os dias e 54% gostam de experimentar novas marcas.

Além disso, eles já são responsáveis por 50% das compras online no varejo e estão mais digitais do que nunca.

Outra pesquisa, da SPC Brasil, mostra que os seniores:

  • Se sentem mais tranquilos, independentes e produtivos
  • Procuram se alimentar de forma saudável
  • Vão regularmente ao médico 
  • Gostam de navegar na internet e ouvir música
  • Compram os seguintes itens, em ordem de prioridade: roupas, calçados, viagens, perfumes/cosméticos, eletrodomésticos, móveis, serviços de beleza, livros, automóveis, celulares e computadores, maquiagens e tratamentos dermatológicos.

Em relação às mudanças culturais, é importante lembrar que os idosos também namoram, jogam videogame, usam redes sociais, fazem academia, viajam, etc. 

Potencial de inovação focado no público 60+

Por ser um mercado praticamente inexplorado, a economia prateada tem muito espaço para inovação e já está atraindo empreendedores criativos.

O estudo FDC Longevidade mostra as principais tendências atuais e exemplos de startups que entraram na onda 60+:

  • Cuidado (40%): serviços de cuidadores como o Senior Concierge, que respeita a autonomia e atende o idoso em casa
  • Engajamento e propósito (22%): soluções que propõem conexões intergeracionais, como a plataforma Mais Vívida, que conecta jovens em busca de trabalho a vívidos que precisam de companhia no dia a dia
  • Estilo de vida (17%): tecnologias ligadas a atividades e hobbies, como a plataforma de dança para senhoras Divas Dance 
  • Mobilidade e Movimento (9%): soluções pensadas para atender às necessidades de mobilidade como a plataforma digital de transporte para idosos Eu Vô 
  • Saúde mental (8%): manutenção de um cérebro ativo com iniciativas como a plataforma de desenvolvimento de jogos para idosos IS-GAME
  • Gestão financeira (5%): tecnologias que incentivam a saúde financeira como a plataforma Maturi, que reúne oportunidades de trabalho e capacitação para os 60+.

Conheça mais sobre o assunto no TEDx abaixo: 

Como criar um negócio voltado à economia prateada

Se você pensa em empreender na economia prateada, é importante estar atento às particularidades desse público.

Veja como tirar sua ideia do papel.

Conheça o público 60+

Todo empreendedor precisa conhecer muito bem seu público-alvo, mas, quando se trata de economia prateada, esse ponto é ainda mais importante.

Isso porque a realidade das pessoas com mais de 60 anos já não corresponde àquele ideário tradicional do idoso.

Hoje, os seniores são muito diversos, e cabe ao empreendedor entender a fundo os novos hábitos, comportamentos e estilos de vida da terceira idade.

Procure oportunidades

Como vimos, a economia prateada ainda está sendo descoberta no Brasil, e isso é ótimo para o empreendedor.

Se você detectar as oportunidades desse mercado primeiro, tem grandes chances de sair na frente da concorrência e se tornar líder de um segmento.

Então, fique de olho nas necessidades dos seniores atuais para ter novas ideias de negócio.

Você pode criar uma solução de mobilidade inovadora, um portal de conteúdo exclusivo para os 60+, um pacote turístico especial e várias outras possibilidades.

Priorize a usabilidade e acessibilidade

É natural que surjam limitações físicas, motoras e cognitivas com o passar do tempo.

Por isso, todos os produtos e serviços pensados para o público 60+ precisam ter a usabilidade e acessibilidade como prioridades.

Afinal, você nunca terá aceitação nesse mercado se as letras da sua embalagem forem pequenas demais para ler, se for difícil se deslocar até seu estabelecimento ou se a navegação não for nada intuitiva no seu app.

Teste a aceitação antes de lançar

Por se tratar de um público “novo” para as empresas e altamente exigente, é importante que  você siga a metodologia das startups e teste seu produto ou serviço antes de investir.

Você pode criar um protótipo ou utilizar grupos focais em uma pesquisa, por exemplo.

Assim, você consegue verificar se o produto tem uma boa aceitação e pode fazer os ajustes necessários para o lançamento oficial.

Veja também como fazer um MVP SaaS.

Aposte na recorrência

Uma característica importante do público maduro é a tendência maior à fidelização.

De modo geral, os seniores gostam de ser reconhecidos como bons clientes, compram de forma frequente e se tornam leais a marcas.

Logo, são ótimos candidatos a assinantes na economia da recorrência.

Dicas para se conectar ao público 60+

Um dos maiores desafios para as empresas é conseguir se conectar com o público 60+.

Confira algumas dicas para ter uma comunicação eficiente.

Esqueça os estereótipos

Se você entendeu o que é a economia prateada, já sabe que os estereótipos da terceira idade ficaram para trás.

Esqueça a imagem de “vovô” e “vovó”, o crochê, a cadeira de balanço e outras imagens equivocadas que povoam nossa mente.

Em vez disso, enxergue os seniores como eles realmente são: diversos, autênticos e cada vez mais conectados. 

Nunca vitimize ou idealize

Se você quer se comunicar com o público maduro, tome cuidado para não cair na vitimização ou idealização da velhice.

Nunca trate a pessoa com mais de 60 anos como se fosse incapaz, dependente ou melancólica pela aproximação do fim da vida. 

Tampouco fale com o seu cliente como se tudo fosse maravilhoso na “melhor idade”, pois esses discursos já são grandes clichês e geram desconfiança.  

Seja direto e sincero

Por serem mais experientes, os consumidores 60+ também são mais desconfiados e detestam propaganda enganosa ou excessivamente manipuladora.

Então, é melhor ser simples e objetivo a respeito da entrega de valor do seu produto ou serviço, sem promessas extravagantes.

Não tenha medo de ser digital

Por fim, é fundamental entender que o público 60+ já está na era digital e está acostumado ao ambiente online.

Então, não tenha medo de investir em plataformas, apps, sites, redes sociais e marketing digital.

Em breve, os seniores serão tão digitais quanto os millennials ou mesmo os centennials.

Ouça o podcast do Consumidor Moderno sobre o assunto: 

Vindi ajuda você a ter sucesso na economia prateada

Para ter sucesso na economia prateada, você precisa de uma ótima ideia, um bom modelo de negócio e um sistema de cobrança eficiente.

Com uma plataforma completa como a Vindi, você poderá oferecer os principais meios de pagamento que o público 60+ utiliza e lucrar com as vendas recorrentes para consumidores fiéis.

Além disso, terá recursos para gestão de assinaturas, controle financeiro e automatização de todo o processo de cobrança.

Nada melhor do que oferecer conveniência e praticidade aos seus clientes 60+ na hora do pagamento, concorda?

Esperamos que você tenha aprendido tudo sobre a economia prateada e esteja inspirado para aproveitar essa tendência.

Baixe também nosso Kit do Empreendedor para começar seu negócio do jeito certo.

Kit do Empreendedor - saiba como alavancar sua empresa