A economia colaborativa é um dos modelos mais comentados e buscados por startups ao redor do mundo. E, grandes cases como Airbnb, Uber e o boom dos coworkings são espelho para muitas que estão começando no mercado.

Portanto, se você quiser saber a relação entre a economia colaborativa e o crescimento exponencial de soluções em território nacional e internacional, continue lendo!

O que é economia colaborativa

A economia colaborativa é um conceito econômico onde empresas promovem o acesso a bens e serviços de forma compartilhada.

Além disso, essa forma de economia consciente e compartilhada garante que recursos naturais não se esgotem, que pontos como a sustentabilidade sejam priorizados e que os custos sejam reduzidos para todos.

Essa é uma forma de dar acesso e poder de consumo de forma escalável e com uma projeção muito mais abrangente. 

Da mesma forma, o conceito em inglês conhecido como “sharing economy”, corresponde a uma economia de até 25% em relação ao gasto do consumidor. Na prática, isso significa que ele gastaria um quarto a mais caso comprasse por meios tradicionais. 

Por isso, a economia colaborativa é a combinação perfeita entre quem precisa comprar e quer economizar e quem precisa vender e quer faturar com sustentabilidade.

Como a economia colaborativa funciona

Basicamente, a economia colaborativa funciona por meio de aluguéis, doações, empréstimos e até mesmo pela recorrência.

É o caso dos coworkings, por exemplo, que estão dentro da economia colaborativa e cobram por meio de planos, assinaturas e mensalidades.

Pegando esse nicho de mercado para ilustrar, vamos pensar em todos os gastos que um escritório tem, entre fixos e variáveis. 

Estamos falando de aluguel, luz, telefone, internet, manutenção, reformas, IPTU, condomínio e outros gastos que oneram muito ao empreendedor. 

Com um coworking, você reduz a maior parte desses gastos, absorvendo apenas uma mensalidade e detalhes fechados em contrato.

Além disso, uma pesquisa recente publicada pela SPC Brasil (Serviço de Proteção ao Crédito) e pela CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), 87% dos entrevistados acreditam que essa forma de consumir está ganhando espaço na vida das pessoas. 

Ainda nesta pesquisa, 89% dos dos entrevistados usaram algum modelo de economia compartilhada e ficaram felizes com os resultados obtidos.

Dessa forma, os pilares da economia colaborativa são: compartilhar habilidades, reduzir o consumo sem consciência e reaproveitar nichos altamente lucrativos. 

O segmento de moda e vestuário, um dos maiores do mundo, é um desses, que vê todos os anos o crescimento de brechós e marcas sustentáveis.

Exemplos de economia colaborativa

Os exemplos de consumo compartilhado, baseados na economia colaborativa, estão de praticamente todos os segmentos do mercado.

Portanto, separamos aqui três totalmente diferentes entre si, mas que estão fazendo bonito quando o assunto é sustentabilidade e referência no setor.

Livance 

Consultório as a service? É possível? A Livance mostrou que sim, e funciona como um coworking para médicos!

Assim como exemplificamos nos tópicos anteriores, a Livance consegue eliminar mais da metade dos gastos com um consultório tradicional, e é mais sustentável do que um aluguel de sala que conhecemos no mercado.

Neste coworking para atendimentos, você só paga R$ 1,00 por minuto usado na sala e uma mensalidade de R$ 236,00. Na comparação feita no site, um consultório tradicional alugado custa em média R$ 10.905,00!

Airbnb

Conhecido mundialmente como uma das empresas mais valorizadas dos últimos anos, a Airbnb mudou a forma de turismo de uma parcela significativa da população.

Neste modelo de economia colaborativa, a companhia vende experiências em todos os cantos do mundo, e é perfeita para quem gosta de se aventurar ou quer economizar em uma viagem.

Waze

A princípio, o aplicativo de mobilidade urbana Waze parecia muito com um substituto dos mapas tradicionais. 

No entanto, hoje é uma grande rede de compartilhamento de dados de trânsito, melhores rotas e até de melhores opções de postos de abastecimento.

O Waze Carpool é a prova de que é possível que aplicativos e serviços voltados para soluções tecnológicas também podem se basear na economia colaborativa!

Quero basear meu negócio na economia colaborativa! E agora?

Depois de acompanhar os exemplo deste artigo, provavelmente você tem muito mais interesse nessa forma de vender bens e serviços e de consumir.

E, não é para menos! Estamos falando de um modelo que já está presente na maioria dos países, e acompanha as previsões de crescimento mais otimistas da atualidade.

Portanto se você quiser ter um negócio colaborativo, temos três insights para te ajudar neste processo.

Explore seu nicho 

Conhecer o seu Perfil de Cliente Ideal (ICP) e explorar todos os desejos dos seus clientes é o primeiro passo para entender se a sua empresa pode ser colaborativa ou não.

Essa fase é essencial, e você pode usar a psicologia do consumidor para te ajudar com pesquisas e para ter resultados incríveis.

Faça parcerias de sucesso 

Se estamos falando de colaboração, estamos falando em compartilhamento de habilidades e de parceiros do negócio que te ajudem a crescer com escalabilidade.

Ter fornecedores que abracem essa forma de economia te ajuda a precificar melhor seus produtos e serviços, além de expandir o alcance do seu potencial.

Simplifique a sua gestão de pagamentos e de cobrança

Como dissemos até aqui, a economia colaborativa está baseada, em sua grande parte, na recorrência. 

É o caso da Livance, da Uber, dos serviços Premium da Waze e muitos outros que entenderam que esse é o match sustentável do momento.

Dessa forma, se você já cobra ou quer cobrar seus clientes através de planos, assinaturas e mensalidades, sabe que esse processo de pagamento não pode ser manual.

E, se você está internalizando seu billing, posso te garantir que não está usando o máximo da sua capacidade operacional. E perdendo tempo e dinheiro.

Por isso, a plataforma da Vindi é a melhor opção para o seu negócio colaborativo, ou que se tornará em uma economia colaborativa nos próximos anos. Com a nossa solução, você tem tudo o que precisa para fazer sua gestão de recebíveis.

Aqui nós:

  • Gerenciamos suas faturas;
  • Criamos sua base de clientes;
  • Automatizamos suas cobranças;
  • Emitimos boletos bancários com máxima eficiência e agilidade;
  • Nutrimos relatórios sobre a sua saúde financeira em tempo real;
  • Possibilitamos transações avulsas, parceladas e recorrentes;
  • Criamos uma régua de cobrança automatizada e eficiente, para que você não precise se preocupar com isso;

E muito mais!

Agora, se você quer comprovar com os próprios olhos a capacidade da nossa solução em te ajudar a crescer e a receber com segurança e praticidade, peça agora a sua demonstração gratuita.

Você vai se impressionar!

Deixe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos você também.