Java SE, da Oracle, passa a ser comercializado no modelo de assinaturas

Mais um serviço passa a ser comercializado no modelo de assinaturas. Agora é a vez da Oracle com seu Java SE (Standard Edition).

Então, a mudança passa a valer para as contratações a partir deste mês, julho de 2018, sendo aplicada para empresas e para o uso comercial.

Antes, as companhias que quisessem usar o software precisavam adquirir uma licença permanente, ou seja, sendo comprada uma única vez.

Entretanto, vale lembrar que o uso pessoal continua a ser gratuito.

Java SE - computador

O Java SE Subscription

O novo modelo oferecido pela Oracle recebeu o nome de Java SE Subscription e no modelo de assinaturas, um dos recursos disponíveis é o Advanced Java Management Console, sendo que o Oracle Premier Support passou a fazer parte das versões atuais e das antigas do software.

As empresas que quiserem continuar recebendo atualizações do SE 8, precisarão fazer uma assinatura a partir de janeiro de 2019.

Faz parte da assinatura do Java SE 8

  • Uso de algumas versões do Oracle Java SE após seus tempos de atualização de fim de públicas (EoPU).
  • Acesso antecipado a correções críticas de bugs.
  • Licenciamento e suporte para implantações de nuvem, servidor e desktop.
  • Atualizações de desempenho, estabilidade e segurança.
  • Gerenciamento corporativo, monitoramento e recursos de implantação.
  • Suporte 24h

Valores do Oracle Java SE Subscription

As empresas que quiserem assinar o Java SE Subscription vão encontrar opções de planos de um a três anos, o valor mensal de 25 dólares por processador para servidores. Entretanto, para PCs, o preço se inicia em 2,50 dólares por usuário. Porém, quanto mais assinaturas forem fechadas, maior a possibilidade de desconto.   

* Fonte: site CIO from IDG

Mercado de assinaturas

Diversos serviços estão aderindo ao modelo subscription. Sendo que isso não se limita aos clubes de assinatura. Por exemplo, em fevereiro, escrevemos aqui sobre o jornal New York Times que lucrou 484,1 dólares depois de aderir ao modelo recorrente.

Além disso, o concorrente da Uber nos Estados Unidos, a Lyft, também testou a venda por assinaturas, demos essa notícia em março deste ano, e mais empresas, de diversos segmentos, estão experimentando o modelo.

Voltando ao mundo da tecnologia, nomes como a Adobe já viram seu faturamento atingir recordes de venda depois de adotar a venda por assinaturas e, com isso, esquecer a antiga prática de licenças.

Portanto, agora, chegou a vez da Oracle e seu Java SE. O que achou dessa notícia? Compartilhe nos comentários!

E-book Débito Recorrente para empresas

Sobre o autor

Redação Vindi
A Equipe de redação Vindi é formada pela área de sucesso do cliente, marketing, financeira e vendas. Todo mundo contribui para que você fique informado sobre tudo em assinaturas, pagamento on-line e Saas.

Você vai gostar também

Departamento de pré-vendas: entenda por que você P... Hoje em dia é comum segmentar um departamento comercial em mais de um time, onde cada um tem uma função específica. Com a segmentação, conseguimos ter...
Sites de Assinatura O ecommerce, um dos mais promissores modelos de negócios em todo mundo, ensaia o amadurecimento de suas operações no Brasil também. Esse amadureciment...
Charlie Hebdo, de 10 mil para 200 mil assinantes e... Precisou de um problema crítico, para que o Charlie Hebdo passasse de 10 mil assinantes para 200 mil. Estou falando de um mês de crescimento. Felizmen...
Concorrente da Uber testa modelo de assinaturas mi... Concorrente da Uber nos Estados Unidos, a Lyft, está testando oferecer os serviços de transporte por assinatura. A ideia da (possível) implementação é...