Adobe registra recorde de faturamento, investindo no modelo de assinaturas

A Adobe, que já foi pauta aqui, acaba de divulgar os números do último trimestre e eles são muito importantes para o mercado de assinaturas e softwares. A transformação da empresa em largar definitivamente o modelo de venda de “caixinhas” dos seus produtos, se confirmou fortemente após anúncio da empresa: as receitas cresceram 22% frente ao mesmo período no ano passado, e foi impulsionada pelo modelo de assinatura.

Os números falam por si: 800 mil novos assinantes conquistados durante o último ano. A mudança da Adobe, foi considerada corajosa, já que ela “virou a chave” literalmente, sem pestanejar quanto ao modelo anterior. Empresas do mesmo mercado como Microsoft, Oracle e SAP ainda possuem modelo híbridos distribuindo parte no modelo de licenças, parte no modelo Saas.

Resultados da Adobe no trimestre

Assinantes novos: 800.000

Vendas: U$1,31 bilhões

Crescimento da receita: 22%

Faturamento recorrente anual: alcançou U$2.99 bilhões, sobre essa métrica as vendas de assinaturas anuais cresceram cerca de U$350 milhões.

Modelo de assinaturas (Saas) como forma de capitalização

A matéria que tomou notoriedade do Techcrunch, anunciando os resultados chamou a atenção para empresas como HP, IBM e EMC, que ainda lutam para continuar crescendo e mantendo as receitas.

As assinaturas de serviços como Photoshop por exemplo, podem ser acessadas com planos à partir de U$9,99. É a Economia da Recorrência empoderando o software. Até o começo dos anos 2000, 100% dos softwares era adquiridos no modelo de aquisição por licenças, coisa que mudou depois da cruzada da Salesforce no mercado americano. Esse modelo, além do proposta de acesso a pessoas e locais de forma simples, mudou a forma como o software era comercializado no mundo. As gigantes do segmento, demoraram para aderirem ao modelo Saas. Algumas fizeram cara feia, dizendo que não se sustentaria.

SAP, Microsoft e até a Autodesk, ainda lideram em algumas aplicações, mas também demonstraram nos últimos dois anos, a mudança no mindset e também vieram a público retomar a decisão. Elas vão ser empresas de assinaturas.

O mundo dos softwares é assinatura.
banners-faturamento-recorrente

Fonte: Adobe

 

Fundador e CEO da Vindi, plataforma líder em recorrência e criador do maior evento de empresas SaaS e Assinaturas do país, o “Assinaturas Day”.

Você vai gostar também

A Economia da Recorrência https://www.youtube.com/watch?v=PjOMIqucMIw Em diversos ramos, a chamada economia da recorrência (subscription economy), ou simplesmente, "modelo d...
Crise faz com que os consumidores parcelem menos s... O atual cenário econômico brasileiro não é dos melhores e a crise vem afetando seriamente inúmeros setores produtivos. Juros altos, crédito restrito e...
e-Learning – Mercado Brasileiro 15 anos de internet no Brasil. E o crescimento não é somente visualizado em ecommerce e redes sociais. O e-Learning, ou EAD (Ensino à Distância) como ...
Clubes de assinaturas ou e-commerce tradicional? Na hora de definir o melhor modelo de e-commerce para sua empresa há duas opções disponíveis: o tradicional e o de assinaturas, uma tendência no merca...