Healthtechs são startups dedicadas a solucionar os desafios de um dos setores mais importantes da economia: a saúde.

Essas empresas surgiram para aliar a tecnologia ao que há de mais moderno em medicina preventiva, diagnóstica e proativa.

Dessa forma, médicos, pacientes, hospitais, clínicas e toda a rede de cuidados de saúde só têm a ganhar com inovações tecnológicas que otimizam o atendimento.

A seguir, vamos entender o que são healthtechs, quais são suas tendências, quais os desafios e como anda o panorama desse segmento da economia criativa.

Continue lendo e entenda a importância desses negócios.

O que são healthtechs?

Healthtechs são startups que desenvolvem soluções tecnológicas para a área da saúde.

Essas empresas oferecem produtos e serviços que melhoram a experiência do paciente, agilizam a gestão de empresas do setor e otimizam os cuidados médicos.

O termo vem da junção entre as palavras em inglês health (saúde) e tech (tecnologia), expressando perfeitamente a ideia por trás desses negócios.

As healthtechs podem atuar nas mais diversas áreas que envolvem a rede de saúde, como por exemplo:

  • Soluções para diagnósticos por meio de exames menos invasivos
  • Planos de saúde inovadores com atendimento imediato e digital
  • Softwares de gestão para hospitais, clínicas e consultórios
  • Tratamentos médicos com tecnologia de ponta, como sistemas para cirurgias a distância e exoesqueletos
  • Medicina personalizada baseada em dados dos pacientes.

Além disso, as healthtechs podem atuar tanto no setor público quanto no privado, buscando formas de conciliar as duas frentes para proporcionar saúde de qualidade para a população.

Como as healthtechs estão revolucionando a saúde no mundo?

Hoje, garantir o pleno acesso à saúde ainda é um grande desafio em todo o mundo, e a resposta para mudar esse cenário está na tecnologia.

Por isso, as healthtechs vêm revolucionando o setor com soluções que combinam inteligência artificial, Big Data, robótica, gestão digital e outras ferramentas utilizadas para otimizar a prestação de serviços médicos.

O objetivo dessas empresas é integrar a rede de prestadores de saúde, escalar novos modelos de negócio e proporcionar a experiência mais humana possível ao paciente.

Para isso, desenvolvem soluções que vão desde softwares de gestão para hospitais e aplicativos de seguros até tratamentos avançados com nanotecnologia para substituir a quimioterapia no combate ao câncer.

Panorama das healthtechs no Brasil

Segundo o relatório Healthtech Report 2020, publicado pela Distrito, o setor da saúde é o terceiro maior em número de startups no Brasil e já soma 542 healthtechs ativas.

O setor de maior representatividade é o de Gestão de Clínicas e Hospitais, e já foram investidos mais de US$ 430 milhões nessas startups.

Em relação aos segmentos desse mercado, destacam-se:

  • AI & Big Data: soluções em saúde que utilizam tecnologias de inteligência artificial e Big data para realizar diagnósticos mais precisos, prestar atendimento remoto e analisar dados de pacientes
  • Acesso à informação: tecnologias que promovem o acesso dos pacientes à informação sobre saúde e prevenção, como portais e aplicativos
  • Farmacêutica e diagnóstico: soluções inovadoras em medicina diagnóstica e medicamentos
  • Gestão e PEP: plataformas de gestão para hospitais, laboratórios e clínicas
  • Medical devices: desenvolvimento de equipamentos avançados para cuidados médicos
  • Telemedicina: tecnologias para atendimento, monitoramento e diagnóstico a distância
  • Wearables & IOT: tecnologias “vestíveis” e de Internet das Coisas que coletam dados de pacientes.

Quais desafios as healthtechs solucionam?

As healthtechs ajudam a solucionar uma série de desafios tradicionais do setor de saúde, tais como:

  • Dificuldade em atender a demanda crescente por serviços médicos em um mundo em que as pessoas vivem mais, mas não necessariamente são mais saudáveis
  • Necessidade de expandir os tratamentos e diagnósticos para fora do ambiente hospitalar, principalmente por meio do cuidado remoto
  • Dificuldade de profissionalização da gestão de clínicas, hospitais, consultórios, laboratórios e outros negócios de saúde
  • Falta de conexão entre a saúde pública e a rede de saúde particular
  • Dificuldade de acesso a tratamentos e diagnósticos menos invasivos por parte dos pacientes
  • Necessidade de investimento em ações de prevenção para reduzir custos e promover maior qualidade de vida para a população.

Tendências nas healthtechs

O mercado de healthtechs se move a partir de tendências cada vez mais inovadoras.

Conheça algumas:

Gestão inteligente

Um ponto muito importante dos sistemas de saúde é a gestão, que muitas vezes é deficitária e prejudica a qualidade dos serviços médicos.

Por isso, uma forte tendência entre as healthtechs é a criação de soluções para gerenciar empresas de saúde.

Esses softwares oferecem recursos como gestão de prontuário eletrônico, controle de escalas, reembolso de seguros, coordenação de fluxos, agendamentos, entre outras funcionalidades essenciais.

Telemedicina

Com a pandemia de coronavírus, a telemedicina ganhou ainda mais força como alternativa ao atendimento médico presencial.

Nessa onda, surgiram diversas healthtechs que oferecem soluções para consultas, tratamentos, diagnósticos e acompanhamento a distância.

Inclusive, várias empresas especializadas em saúde online figuraram na lista de maiores healthtechs do país publicada pelo prêmio IBest, tais como a plataforma de atendimento psicológico a distância Vittude, o plano de saúde online Alice e o site de telemedicina Dr. Consulta.

Inteligência artificial

O uso da inteligência artificial por healthtechs permite diagnósticos muito mais ágeis e precisos.

Um exemplo é a startup NeuralMed, que oferece uma solução de triagem otimizada por IA para clínicas e hospitais.

O sistema desenvolvido pela empresa analisa automaticamente exames e prontuários para organizar o fluxo de pacientes por criticidade, além de estruturar laudos a partir de textos.

Análise preditiva

Outra tecnologia que vem revolucionando o setor de saúde é a análise preditiva.

A healthtech GlucoGear, por exemplo, criou um aplicativo capaz de prever a curva glicêmica futura de cada usuário e alertar para possíveis eventos de hiper ou hipoglicemia. 

A plataforma faz a análise a partir da rotina dos usuários, com dados de alimentação, atividades físicas e tempo de sono, e ainda faz recomendações personalizadas de ações preventivas.

A relação SaaS e healthtechs

O modelo comercial SaaS (Software as a Service ou software como serviço) se mostrou um dos melhores caminhos para viabilizar os serviços oferecidos pelas healthtechs.

Isso porque, para disponibilizar tecnologia de ponta e sistemas inteligentes, faz todo o sentido usar o modelo de software 100% online com acesso pelo navegador e sem a necessidade de instalação local.

Além disso, a rede de saúde pode optar pelo modelo de assinatura para contratar os serviços e ter acesso às últimas novidades no setor com mais flexibilidade e um custo-benefício superior.

Como a Vindi ajuda healthtechs?

A Vindi é uma plataforma de pagamentos que combina um gateway independente com recursos de gestão de assinaturaso combo ideal para negócios recorrentes.

Com ela, as healthtechs conseguem oferecer os mais diversos meios de pagamento para seus clientes, gerenciar pagamentos online, controlar assinaturas e ainda combater a inadimplência.

Assim, fica mais fácil oferecer serviços inovadores por preços competitivos e manter a receita recorrente da startup, escalando cada vez mais a base de clientes.

Entendeu o que são healthtechs e por que é um mercado promissor para a recorrência?

Aproveite e use nossa calculadora de CAC e LTV para descobrir o custo de aquisição de seus clientes e o valor que eles geram para o seu negócio SaaS.

Rate this post

Write A Comment