Com todos os desafios que surgiram desde o começo do mês no Brasil, como fica o founder durante o Coronavírus?

Entendo que até o começo desse mês, todos os fundadores e CEOs deveriam estar olhando métricas de crescimento (growth, aquisição, upsell e etc). Além disso, acredito que boa parte também estava focada em trazer os melhores talentos para dentro de casa.

E agora, qual é a sua estrela guia?

Liquidez deveria ser a principal

Em primeiro lugar, diante da situação atual, onde uma avalanche de negócios podem ruir, o melhor conselho que posso dar é: atenção à liquidez. As empresas vão sobreviver se tiverem o que chamamos de “pista” – o quanto de pista a empresa tem para sobreviver.

Da mesma forma, um documento muito compartilhado nessa semana, atribuído a um grande fundo de Venture Capital, ilustrava 8 ações que as startups precisavam se atentar e já começar a executar. A primeira delas era runway, runway, runway (em outras palavras, ter pista para continuar correndo ou andando).

Em um futuro próximo, será mais fácil explicar para mercado, fundos e clientes que você não cresceu ou que não conseguiu desenvolver mais coisas por conta desse momento.

No entanto, será ainda pior ter que explicar porque sua empresa morreu. Esse texto que estou escrevendo diretamente para founders e CEOs de startups foi inspirado pelos conteúdos que o Feliks Eyser, da Digital Founders Camp tem escrito.

Portanto, o founder durante o Coronavírus precisa garantir a sobrevivência do negócio. E se seu plano que estava baseado em um mundo sem crise, ele precisa mudar. 

Primeiro: garanta a sobrevivência do negócio e das pessoas

No confinamento, as equipes mudam de cultura de trabalho e vão precisar, mais do que nunca, de um apoio psicológico e pessoal para passarem por essa fase. Para nós, aqui na Vindi, o desafio na última semana foi acostumar as pessoas ao novo modelo de trabalho (em casa).

O desafio do trabalho remoto

Fizemos em ondas, 20%, 50%, 80% e 100% das pessoas em casa durante uma semana. E foi um grande teste em infraestrutura de telefonia, cerimônias e reuniões online passando para acostumar as pessoas. O conselho pessoal que dou para um founder durante o Coronavírus é: mantenha o canal aberto.

Comunicações

Aqui na Vindi, todos os meses durante a apresentação de resultados a gente (sócios) abre o que chamamos de “Papo Reto com os sócios“, onde respondemos “olho no olho” para as 180 pessoas todas perguntas que eles enviam dias antes (anonimamente).

A gente literalmente responde tudo! Recomendo fortemente fazer isso agora, se você não tem isso na empresa. Vai ajudar a passar a transparência necessária para o momento. Além disso, as pessoas precisam saber o que a empresa pensa.

Da mesma forma, cuidado com a disseminação de fake news e pânico dentro dos grupos de WhatsApp. Chame a liderança para garantir que as informações sobre crise e cenários sejam válidas e tente incentivar a positividade. O pânico só piora a produtividade e foco das pessoas em casa.

A estratégia definida no começo do ano será mastigada pelo novo cenário

Está na hora de pensar como a empresa vai sobreviver a uma crise. Trabalharia com o pior cenário, a recessão já começou e está impactando especialmente negócios que dependem de fluxo de pessoas. Aqui na Vindi, temos pelo menos duas milhares de clientes que têm ponto de venda (academias, escolas, consultórios e etc). Elas já estão sofrendo.

Dessa forma, se a crise aumentar, as pessoas vão sofrer mais com empregos e com o confinamento por maior tempo. Na minha opinião (e dos nossos investidores), essa crise não é econômica como em 2008, e isso pode ajudar a voltar ao cenário de crescimento mais rápido.

  • Ajuste o forecast de vendas;
  • Repense o roadmap de produtos;
  • Defina um novo cenário para sua empresa, do ponto de vista de clientes, faturamento e crescimento;
  • Não foque agora em rodadas de investimento (investidores também estão cautelosos);
  • E de novo: responda sobre o caixa da empresa. Quanto tempo de pista vocês têm?

Clientes e parceiros precisam de transparência

No caso da Vindi, que é um software, o negócio não vai balançar do ponto de vista de entrega, como é o caso de indústria, comércio e algumas empresas de serviço.

A nossa ação aqui foi criar uma comunicação com o mercado, explicando um pouco dos impactos, da nossa disponibilidade da plataforma que não tem impacto algum (status.vindi.com.br) e que os clientes podem contar com a gente mesmo em home-office.

Pode parecer besteira, mas os clientes têm que ouvir isso de vocês. Fizemos uma live essa semana para responder as principais perguntas que estamos recebendo e o impacto foi positivo.

Antecipe vendas futuras e aprove linhas de crédito

Essa é uma ação difícil e dura de executar agora, mas pode garantir uma parte importante da pista que você precisa.

Para um momento de alta turbulência, ter recebíveis de cartões e contratos que possam ser antecipados e colocados em garantia para uma linha de crédito, podem ser a salvação de empresas com caixa baixo.

Além disso, a Selic bateu 3,75% e os bancos começam agora a ofertar produtos interessantes de longo prazo para quem tem ótimo relacionamento e fluxo financeiro futuro.

Da mesma forma, eu comparo essa ação ao cenário de um avião caindo. Antecipar vendas e ter linhas de crédito seria garantir que esse avião tenha mais autonomia de vôo pela frente.

Vendas

Empresas que não são recorrentes: trabalhem com o cenário de vendas ZERO. Para as recorrentes que têm me procurado por mensagem, tenho recomendado aguardar as ações do governo e avanço do Coronavírus nessas próximas semanas, para que tomem atitudes mais drásticas com relação à mudança de rota e aquisição de clientes.

Marketing

Hora de colocar a lupa dentro do marketing. Portanto, analise o ROI de campanhas no médio prazo. Se o investimento que está fazendo atualmente está em linha com um possível esgotamento de vendas por um período.

Aqui na Vindi, nesses últimos 5 dias, já observamos o impacto na queda de novos clientes.

Pare investimentos, renegocie e reduza contratos

Outra coisa bem dura, mas muito necessária. Isso impacta bastante gente também, mas é um conselho para quem está com o caixa comprometido.

Se a maioria das startups precisa crescer aceleradamente e para isso, depende de capital de investidores, atenção! O founder durante o Coronavírus precisa rever esses investimentos e de renegociar contratos.

Além disso, a sugestão da redução vai na linha de que você provavelmente está pagando algumas coisas que não usa dentro da empresa: sejam softwares ou serviços.

Nesta semana, também publiquei outros artigos sobre o cenário do Coronavírus:

Use o momento para melhorar processos

Se as vendas caem, os desafios podem ser endereçados para melhorar processos internos que não estão “redondos”.

Portanto, aproveite que a demanda de processos pode cair em áreas de atendimento, vendas e marketing e tente dar foco em coisas que vão fortalecer o crescimento na hora que a crise passar.

O founder durante o Coronavírus tem muitos desafios, e eu continuo esperançoso. Vai ser duro, mas torço por vocês!banner_newsletter_blog_2