Adobe supera expectativas no mercado de assinaturas com o serviço Creative Cloud

Fique bem informado com as notícias da Vindi

Insira seu Email:

Seu email será compartilhado com a Vindi estará sujeito à sua politica de privacidade

O marketing digital é uma amostra de como o mercado editorial evoluiu. E um bom exemplo de toda esta transformação pode ser visivelmente percebido na desenvolvedora do Photoshop, a Adobe. A empresa tem aderido às assinaturas baseadas em web para atrair uma receita maior e a mudança tem surtido efeito. Os trimestres da companhia estão superando as estimativas de lucro, impulsionadas principalmente pelos ganhos com as assinaturas líquidas do pacote de softwares na nuvem Creative Cloud.

O mercado da computação em nuvem

A Creative Cloud veio para acompanhar a tendência crescente no mercado de computação na nuvem. Usuários têm acesso a diversas aplicações que incluem Photoshop, Illustrator e InDesign, além do Marketing Cloud e Document Cloud. O novo Creative reúne as ferramentas que os usuários já tinham e dá a oportunidade de acesso às versões mais recentes de todos os aplicativos profissionais e atualizações.

A adesão da Adobe ao mercado de assinaturas rendeu 684 mil assinaturas líquidas do Creative Cloud no terceiro trimestre deste ano. A meta para o próximo trimetre é alcançar a marca de 700 mil novas assinaturas. Vale destacar que a expectativa dos analistas era de 640 mil subscrições líquidas, segundo pesquisa FactSet StretAccount. Para ter uma ideia, o lucro da companhia em 2014 foi de US$ 44,7 milhões e, neste ano, já representa US$ 174,5 milhões. Um aumento de US$ 129,8 milhões em relação o ano anterior. A receita subiu 21%, ou seja, US$ 1,22 bilhão.

O que fica claro, no entanto, é que empresas vêm trilhando uma acirrada corrida contra o tempo e intensificando o poder de investimento em tecnologias. Tudo para aproximar clientes e conquistar mais mercado. Boa parte de nossas vidas está centrada nos modelos de assinatura — jornal, academia e até mesmo supermercados — e no futuro, empresas que não se enquadrarem nesta tendência, podem não sobreviver à concorrência. Um bom exemplo pode ser a Amazon, que lançou o próprio serviço de assinatura, o Kindle Unlimited, que conta com seus milhares de clientes para promover o serviço. A grande sacada da companhia é utilizar seu próprio pacote de usuários, que por sinal são milhares, para deslanchar a venda do serviço de assinatura.

economia da recorrencia

Gostou do post? Compartilhe conosco sua experiência quanto as novas tendências do mercado de assinaturas. Aguardamos suas contribuições nos campos abaixo!

Sobre o autor

Redação Vindi
Redação Vindi
A Equipe de redação Vindi é formada pela área de sucesso do cliente, marketing, financeira e vendas. Todo mundo contribui para que você fique informado sobre tudo em assinaturas, pagamento on-line e Saas.

Você vai gostar também

Youtube vai lançar serviço de assinatura Não é novidade para ninguém, Youtube vai lançar serviço de assinatura em breve. No BrNewTech, assisti de camarote o discurso do Álvaro Paes de Barros ...
Conheça os principais clubes de assinatura de vinh... Uma das maiores sensações do momento são os clubes de assinatura. Através deles, o associado recebe em casa lançamentos e as maiores novidades sobre o...
NFL entra no mercado de assinaturas Essa é uma boa notícia para quem gosta de esportes. A NFL – National Football League, dos EUA – anunciou na semana passada que irá lançar um serviço d...
Empresas com modelos recorrentes crescem 9X mais q... Empresas do modelo de recorrência estão ganhando cada vez mais destaque nos últimos anos. Isso é graças às novas tecnologias, hoje temos uma boa quant...