O tradicional modelo de aprendizagem em salas de aula com lousa, giz e papel já não é suficiente para atender às necessidades das novas gerações de alunos; e nem para acompanhar as evoluções do mundo atual. Por isso, a Educação 4.0 promete transformar o conhecimento.

Nesse novo conceito, os alunos não precisam mais acumular conhecimento. Mas, sim, ter um ensino mais personalizado, capaz de oferecer a ele o necessário para atuar em profissões do futuro.

Entenda melhor ao longo do texto como funciona a Educação 4.0 e os principais desafios que ela apresenta para o ensino.

O que é Educação 4.0

O termo Educação 4.0 está relacionado ao conceito da Indústria 4.0, também chamada de Quarta Revolução Industrial. Ou seja, a evolução da tecnologia e seu impacto em nosso dia a dia.

Quando falamos em Indústria 4.0, seus principais conceitos envolvem a aplicação da tecnologia por meio de indústrias automatizadas, Internet das Coisas, Inteligência Artificial, Coleta e Análise de Dados, entre outros.

Nessa nova era guiada pela automação e pelo digital, se torna essencial que as escolas e universidades sejam capazes de preparar seus alunos para o novo mundo. Focando, assim, em um aprendizado para novas profissões e deixando de lado aqueles postos que devem se tornar obsoletos em breve.

Além disso, na Educação 4.0 se acredita no learning by doing. Isso significa que os alunos devem aprender na prática e não apenas na teoria. O ambiente escolar se torna mais colaborativo e dinâmico.

Como funciona a Educação 4.0

A Educação 4.0 não significa apenas oferecer computadores, tablets e equipamentos tecnológicos de última geração. Na verdade, ela demanda uma mudança maior na abordagem do ensino.

O professor deixa de apenas ser o responsável por repassar conhecimento. Ele começa a assumir o papel de orientador e incentivador para as descobertas de cada aluno.

Também se torna essencial desenvolver estudantes com a habilidade de aprendizagem autônoma, capazes de acompanhar as rápidas inovações para que não fiquem para trás no mercado de trabalho.

Além disso, o ambiente escolar também deve se adaptar a Educação 4.0. Com isso, o tradicional modelo de salas de aula com lousa e carteiras separadas dão espaço a áreas mais colaborativas, que permitem a interação e experimentação.

O aprendizado pode acontecer por meio de aplicativos, jogos e softwares. Para alunos de maior faixa etária, o material pode ser oferecido online e o momento em sala de aula passa a ser usado para discussão ou exercícios práticos.

Desafios da Educação 4.0

A implantação da Educação 4.0 é necessária para acompanhar as tendências da Indústria 4.0. Porém, ela apresenta desafios, tanto para gestores como para os professores.

Além disso, no Brasil, ainda existe a dificuldade de infraestrutura, já que nem todas escolas públicas estão equipadas com internet de alta velocidade e ferramentas tecnológicas.

Para professores

Os professores são um dos principais pilares para que a Educação 4.0 comece a ser aplicada. Para isso, eles precisam estar preparados, dominarem o conceito e também se adaptarem à tecnologia.

É preciso que os educadores passem a se ver como um orientador e dominem as novas tecnologias. Saindo, assim, do posto de apenas emissor do conhecimento por meio de livros. Aplicativos e jogos podem ser adotados para estimular os estudantes.

Atividades e projetos capazes de incentivar na prática a autonomia, a solução de problemas, competências socioemocionais e outras habilidades são os grandes destaques do ensino na era da Educação 4.0.

Para gestores

Os gestores também são peça-chave na transformação da educação. Pois eles, como decisores, podem começar as mudanças da escola ou universidade rumo à Educação 4.0.

Desde a implantação da tecnologia na administração da escola por meio de softwares de gestão que permitem a coleta de dados, além da matrícula e rematrícula online.

Além disso, os gestores precisam, em parceria com os professores, criarem uma nova maneira de avaliação. Pois, com o conceito da Educação 4.0, o tradicional modelo de notas deve dar espaço a uma avaliação mais focada no desenvolvimento pessoal de cada aluno e seus interesses.

O que esperar do futuro

Um bom exemplo da tecnologia na educação é o Micro Bit, desenvolvido pela BBC, na Inglaterra. Ele consiste em um computador com apenas uma placa. Sendo que seu principal objetivo é educar crianças e adolescentes em conceitos básicos da computação e programação.

Ferramentas como essa que incentivam a “mão na massa”, a criatividade e experimentação dos alunos são o grande segredo para que a tecnologia passe a fazer parte do aprendizado.

Para o futuro, a tendência é que o ensino passe a estar disponível por materiais digitais. Assim, o aluno pode acessar a qualquer momento, de diferentes lugares. O aprendizado não acontecerá apenas em sala de aula. Porém, as atividades práticas devem continuar sendo feitas em encontros físicos.

Além disso, o ensino continua pautado nas exigências da Base Nacional Curricular Comum (BNCC). Porém, se torna mais personalizado de acordo com os interesses e necessidades de cada aluno.

Em um mundo em que a internet se torna cada vez mais acessível e as inovações acontecem rapidamente; é essencial que a forma como aprendemos e ensinamos acompanhe as demandas dessa nova era.

A Educação 4.0 é um desafio para as escolas e professores; que devem incentivar uma nova cultura voltada à inovação, pensamento crítico, solução de problemas, invenção e outras habilidades. Porém, é preciso começar a mudança agora.