Mais de 200 MIL PESSOAS sabem como vender mais e sempre.

Deixe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos você também.

Sabe-se que a tecnologia evolui anualmente, trazendo a inovação em diversos segmentos do mercado. Por outro lado, com as mudanças nos hábitos dos consumidores, as empresas passaram a dedicar esforços para aprimorar os seus processos de negociação, fazendo com que se encaixem nas condições dos consumidores. E isso tornou-se um fator importante para a conquista de novos clientes.

Quando se fala em aprimoramento de processos, não podemos nos esquecer dos modelos de assinaturas. Eles são uma forma de negociação na qual o cliente paga pelo acesso ao produto ou serviço ao invés de comprá-lo por meio de um pagamento integral. Enquanto alguns anos atrás era comum somente a assinatura de jornais e revistas, hoje o método é adotado por empresas de diversos segmentos que viram aí um novo ramo a ser explorado.

Mas afinal, quais são os modelos de precificação de assinaturas mais comuns no mercado? Veja os detalhes a seguir:

Fremium

O modelo Fremium baseia-se em disponibilizar gratuitamente um produto ou serviço, porém, com restrições de recursos que podem ser contratados de acordo com a necessidade do cliente.

Recomendado para empresas que estão entrando no mercado e precisam conquistar seus primeiros clientes, esse modelo possibilita conhecer e desfrutar do produto e posteriormente adquirir o plano pago.

A empresa MailChimp, que atua com uma plataforma de gerenciamento de e-mails, é um excelente exemplo de uso desse modelo. Logo, qualquer usuário pode se cadastrar e utilizar a ferramenta, porém, para acessar alguns recursos específicos, é necessária a contratação de um plano.

Trial

No modelo Trial, é oferecida uma demonstração gratuita de serviços ou produtos por tempo limitado (variando geralmente de 1 a 30 dias). Neste caso, o modelo é benéfico para a empresa e para o cliente, já que este último conhece as condições e preços oferecidos, porém possui a necessidade de testar o produto ou serviço para ter certeza de que irá satisfazer suas necessidades. Por outro lado, a empresa também se beneficia ao conquistar um maior volume de clientes.

Alguns exemplos de empresas que atuam com o modelo Trial são plataformas de e-commerce, ou até mesmo desenvolvedores de softwares como a Salesforce.

Planos por Perfil

O modelo de Planos por Perfil, por sua vez, traz uma diversificação de preços e funcionalidades para atender a diferentes públicos. Podemos citar o exemplo de planos de assinatura de canais, nos quais o cliente pode comprar um pacote pelo preço ou pelo conteúdo oferecido e que atende à sua necessidade. Outro exemplo comum são as diversificações de serviços indicados para pequenas, médias e grandes empresas, que oferecem pacotes diferentes para atender a um número de usuários diferente.

Preço por uso

Neste modelo, o cliente paga somente pelo o que utiliza. É benéfico quando ele acredita que vai pagar menos do que o cobrado por uma taxa fixa.

Os exemplos mais comuns são as cobranças em contas telefônicas ou até mesmo em hospedagens. Este modelo pode ser utilizado tanto para o fornecimento de serviços quanto de produtos.

Qual o modelo mais utilizado e qual escolher?

Após conhecer os principais modelos de precificação em assinaturas, pode surgir a seguinte pergunta: Qual é o modelo mais utilizado?

Dentre os citados acima, pode-se dizer que todos possuem suas fatias de mercado, uma vez que cada segmento se ajusta a um modelo diferente ou à combinação de mais de um modelo.

De qualquer modo, quando deseja-se adotar um modelo de precificação em assinaturas, alguns aspectos devem ser avaliados. Por exemplo:

– Disponibilidade do cliente em poder acessar o serviço quando e onde desejar. Neste caso um exemplo muito comum são as plataformas de serviços no modelo SaaS, nas quais o cliente paga pela disponibilidade ou uso do serviço em vez de adquirir uma licença.

– Benefícios envolvidos nos serviços disponibilizados. Podemos citar, por exemplo, o caso da Amazon. Eles disponibilizam serviços de atendimento especial, fretes grátis e descontos para clientes que optarem por uma conta Premium no site.

– Qual comodidade será levada ao cliente? Neste caso, pode-se citar como exemplo os clubes de assinaturas, que oferecem a entrega em casa. De produtos de uso pessoal diário, até vinhos ou produtos integrais, por exemplo.

Em outras palavras, é possível ressaltar que para adotar um modelo de precificação, se faz necessário avaliar o que será vendido, como será vendido e quais serão os benefícios para os clientes.

Neste post você conheceu os principais modelos de precificação em assinaturas e notou que cada um possui suas características distintas, mas que podem ser utilizadas em conjunto de acordo com o que a empresa tende a oferecer em seu segmento.

woocommerce

E você, pretende implementar algum modelo de precificação em sua empresa? Respoda para nós nos comentários e conte com a Vindi

Você vai gostar também

Como atrair ‘heavy users’ para seu clu... Investir em um clube de assinatura pode ser uma decisão bem assertiva se o negócio for bem planejado, estruturado e executado. O mercado vem faturando...
5 Empreendedores que fizeram milhões (e bilhões) c... Que o mercado de assinaturas tem movido milhões anualmente, isso não é novidade. Mas dentre a diversificação de negócios existentes nesse mercado, alg...
‘Efeito Netflix’ chega aos jogos digitais Apesar de Millennial, eu tenho manias analógicas ainda, como anotar tarefas em agendas de papel que eu certamente não vou ler, rascunhar  ideias de pa...
Spotify conquista 15 milhões de assinantes O Spotify cresceu 50% em menos de 12 meses, é o que eles próprios disseram no blog da empresa. Estou falando de milhões de assinantes. Quase 5 milhões...
Author

Fundador e CEO da Vindi, plataforma líder em recorrência e criador do maior evento de empresas SaaS e Assinaturas do país, o “Assinaturas Day”.