Modelos de precificação em Assinaturas

Sabe-se que a tecnologia evolui anualmente, trazendo a inovação em diversos segmentos do mercado. Por outro lado, com as mudanças nos hábitos dos consumidores, as empresas passaram a dedicar esforços para aprimorar os seus processos de negociação, fazendo com que se encaixem nas condições dos consumidores. E isso tornou-se um fator importante para a conquista de novos clientes.

Quando se fala em aprimoramento de processos, não podemos nos esquecer dos modelos de assinaturas. Eles são uma forma de negociação na qual o cliente paga pelo acesso ao produto ou serviço ao invés de comprá-lo por meio de um pagamento integral. Enquanto alguns anos atrás era comum somente a assinatura de jornais e revistas, hoje o método é adotado por empresas de diversos segmentos que viram aí um novo ramo a ser explorado.

Mas afinal, quais são os modelos de precificação de assinaturas mais comuns no mercado? Veja os detalhes a seguir:

Fremium

O modelo Fremium baseia-se em disponibilizar gratuitamente um produto ou serviço, porém, com restrições de recursos que podem ser contratados de acordo com a necessidade do cliente.

Recomendado para empresas que estão entrando no mercado e precisam conquistar seus primeiros clientes, esse modelo possibilita conhecer e desfrutar do produto e posteriormente adquirir o plano pago.

A empresa MailChimp, que atua com uma plataforma de gerenciamento de e-mails, é um excelente exemplo de uso desse modelo. Logo, qualquer usuário pode se cadastrar e utilizar a ferramenta, porém, para acessar alguns recursos específicos, é necessária a contratação de um plano.

Trial

No modelo Trial, é oferecida uma demonstração gratuita de serviços ou produtos por tempo limitado (variando geralmente de 1 a 30 dias). Neste caso, o modelo é benéfico para a empresa e para o cliente, já que este último conhece as condições e preços oferecidos, porém possui a necessidade de testar o produto ou serviço para ter certeza de que irá satisfazer suas necessidades. Por outro lado, a empresa também se beneficia ao conquistar um maior volume de clientes.

Alguns exemplos de empresas que atuam com o modelo Trial são plataformas de e-commerce, ou até mesmo desenvolvedores de softwares como a Salesforce.

Planos por Perfil

O modelo de Planos por Perfil, por sua vez, traz uma diversificação de preços e funcionalidades para atender a diferentes públicos. Podemos citar o exemplo de planos de assinatura de canais, nos quais o cliente pode comprar um pacote pelo preço ou pelo conteúdo oferecido e que atende à sua necessidade. Outro exemplo comum são as diversificações de serviços indicados para pequenas, médias e grandes empresas, que oferecem pacotes diferentes para atender a um número de usuários diferente.

Preço por uso

Neste modelo, o cliente paga somente pelo o que utiliza. É benéfico quando ele acredita que vai pagar menos do que o cobrado por uma taxa fixa.

Os exemplos mais comuns são as cobranças em contas telefônicas ou até mesmo em hospedagens. Este modelo pode ser utilizado tanto para o fornecimento de serviços quanto de produtos.

Qual o modelo mais utilizado e qual escolher?

Após conhecer os principais modelos de precificação em assinaturas, pode surgir a seguinte pergunta: Qual é o modelo mais utilizado?

Dentre os citados acima, pode-se dizer que todos possuem suas fatias de mercado, uma vez que cada segmento se ajusta a um modelo diferente ou à combinação de mais de um modelo.

De qualquer modo, quando deseja-se adotar um modelo de precificação em assinaturas, alguns aspectos devem ser avaliados. Por exemplo:

– Disponibilidade do cliente em poder acessar o serviço quando e onde desejar. Neste caso um exemplo muito comum são as plataformas de serviços no modelo SaaS, nas quais o cliente paga pela disponibilidade ou uso do serviço em vez de adquirir uma licença.

– Benefícios envolvidos nos serviços disponibilizados. Podemos citar, por exemplo, o caso da Amazon. Eles disponibilizam serviços de atendimento especial, fretes grátis e descontos para clientes que optarem por uma conta Premium no site.

– Qual comodidade será levada ao cliente? Neste caso, pode-se citar como exemplo os clubes de assinaturas, que oferecem a entrega em casa. De produtos de uso pessoal diário, até vinhos ou produtos integrais, por exemplo.

Em outras palavras, é possível ressaltar que para adotar um modelo de precificação, se faz necessário avaliar o que será vendido, como será vendido e quais serão os benefícios para os clientes.

Neste post você conheceu os principais modelos de precificação em assinaturas e notou que cada um possui suas características distintas, mas que podem ser utilizadas em conjunto de acordo com o que a empresa tende a oferecer em seu segmento.

woocommerce

E você, pretende implementar algum modelo de precificação em sua empresa? Respoda para nós nos comentários e conte com a Vindi

Fundador e CEO da Vindi, plataforma líder em recorrência e criador do maior evento de empresas SaaS e Assinaturas do país, o “Assinaturas Day”.

Você vai gostar também

Clubes de assinaturas ou e-commerce tradicional? Na hora de definir o melhor modelo de e-commerce para sua empresa há duas opções disponíveis: o tradicional e o de assinaturas, uma tendência no merca...
Concorrente da Uber testa modelo de assinaturas mi... Concorrente da Uber nos Estados Unidos, a Lyft, está testando oferecer os serviços de transporte por assinatura. A ideia da (possível) implementação é...
WooCommerce Assinaturas Vindi Lançamos hoje a nova versão do nosso plugin para assinaturas do WordPress. Funciona juntamente com o WooCommerce, uma das plataformas mais usadas por ...
Crise faz com que os consumidores parcelem menos s... O atual cenário econômico brasileiro não é dos melhores e a crise vem afetando seriamente inúmeros setores produtivos. Juros altos, crédito restrito e...