Vai iniciar seu negócio de assinatura? Temos uma dica: comece simples

Mantendo esse princípio em mente, no post de hoje apresentaremos 3 passos essenciais para começar o seu negócio de assinatura. Mas, antes, responda mentalmente as seguintes perguntas:

– Você já sabe quantos produtos irá oferecer?

– Já sabe a periodicidade com que irá enviar esses produtos?

– Quais os seus horários de funcionamento?

– Haverá personalização nos produtos para os seus clientes?

– Haverá presentes para os seus clientes?

– Haverá promoções relâmpago e derivados?

Quantas perguntas, não é mesmo? Isso porque, para começar um negócio, é preciso conhecê-lo. Contudo, você está iniciando e, por isso, ainda não possui muitos dados para entender o que seus clientes querem e exigem. Você até poderia tentar adivinhar, mas bolas de cristais ainda não funcionam! E esse processo de adivinhação exige muito trabalho! Por isso, vamos aos 3 passos para que você possa manter seu negócio enquanto aprende e desenvolve as competências essenciais para tornar-se competitivo e sustentável. Vamos lá?

Passo 1: Compreenda o que você está vendendo

Para entender o seu produto, você deve saber exatamente o que está vendendo. Isso significa conhecer o seu mercado, o valor do que está oferecendo e qual o nível de complexidade do que você pretende oferecer.

Na realidade, o que você deve pensar aqui é na questão da personalização. Para isso, você deve aprender com os primeiros assinantes, por exemplo. Escute o que eles têm a dizer sobre seu produto, se relacione com seus fãs nas mídias sociais e obtenha feedbacks. Assim, você poderá aplicar os ajustes necessários para tornar a experiência de compra e o produto ainda melhores.

Para auxiliar nessa empreitada, procure se perguntar por que seus clientes comprariam seu produto, entenda os feedbacks negativos, veja o que está errado e procure melhorar. Passe os valores de sua empresa e agregue valor ao seu produto, transforme tudo em uma experiência prazerosa para o cliente. Pensando nisso, você conseguirá encontrar suas respostas e criar uma lista de prioridades para sua equipe.

Passo 2: Não atire para todos os lados!

Não adianta querer atingir todos os públicos. Procure o seu! Além disso, não encha seu cliente de produtos em um mesmo mês. Um cliente com muitas opções fica perdido, sua experiência não é prazerosa e o resultado esperado não é atingido. Por isso, não ofereça milhões de tipos de assinatura quando começar. Comece pelo mais simples. Além disso, construa um site mobile friendly, com uma boa usabilidade e poucos comandos. Três seções são mais do que suficientes!

Passo 3: Lembre-se: comece simples

Por fim, voltamos ao início: mantenha seu negócio simples. E ter um início simples, não significa que ele não pode ser grandioso. O mais importante é ter a certeza que todo começo é aprendizado. Melhore a experiência do cliente cuidadosamente e gradativamente. Dessa maneira, o crescimento e satisfação serão contínuos. É importante também: estar aberto aos feedbacks dos assinantes.

banners-cobranca-recorrente728x90

Este post foi útil para você? Já iniciou o seu negócio? Compartilhe sua experiência nos comentários!

Sobre o autor

Redação Vindi
A Equipe de redação Vindi é formada pela área de sucesso do cliente, marketing, financeira e vendas. Todo mundo contribui para que você fique informado sobre tudo em assinaturas, pagamento on-line e Saas.

Você vai gostar também

Mercado de assinaturas: NYT lucra usando a recorrê... A gente já escreveu sobre como o jornal New York Times cresceu ao decidir que adotaria o modelo de assinaturas. Em três meses, o veículo havia consegu...
5 Empreendedores que fizeram milhões (e bilhões) c... Que o mercado de assinaturas tem movido milhões anualmente, isso não é novidade. Mas dentre a diversificação de negócios existentes nesse mercado, alg...
Nova economia – Acesso e recorrência Confira a apresentação do Rodrigo Dantas, fundador da Vindi no palco do evento Innovation Pay falando sobre nosso a Nova Economia e o que acesso e rec...
‘Efeito Netflix’ chega aos jogos digitais Apesar de Millennial, eu tenho manias analógicas ainda, como anotar tarefas em agendas de papel que eu certamente não vou ler, rascunhar  ideias de pa...