Adquirente, subadquirente e gateway: quais as diferenças?

Se você possui uma empresa ou um e-commerce, certamente já ouviu falar em adquirentes e subadquirentes. Essas companhias são responsáveis por efetuar transações financeiras por meio de sistemas específicos que realizam integração direta com bancos e diferentes bandeiras.

Além delas, porém, há o gateway de pagamento. Uma ferramenta unificadora que garante maior agilidade e segurança na hora de administrar todas as transações financeiras.

Mas, afinal, qual a diferença entre adquirentes, subadquirentes e gateways?

Adquirentes

Empresas adquirentes, também chamadas de credenciadores, são as responsáveis pelo processamento das operações de cartão de crédito e débito. Sua principal função é criar um canal de comunicação rápido e seguro entre sua loja e o banco para checar os dados do consumidor e validar a compra.

Basicamente, um cliente chega em sua loja, faz uma compra e, na hora de pagar, seus dados são enviados a adquirente. Então é feita a comunicação entre seu ponto de venda e o banco/bandeira. Dessa forma a compra é validada ou negada.

Entre as vantagens das adquirentes, estão os baixos custos por transações e a maior facilidade nos pagamentos. Entretanto, não oferecem serviços antifraude, que ficam a cargo dos lojistas.

Algumas das adquirentes mais conhecidas são Rede, Cielo e GetNet, encarregadas por realizar a comunicação com as bandeiras e bancos emissores. A adquirente efetua o repasse do valor das transações a sua empresa em até 31 dias.

Subadquirente

Subadquirentes, ou intermediadores, são empresas facilitadoras que dispensam a filiação a um banco ou adquirente para receber pagamentos. O que resulta em uma grande redução em processos burocráticos.

Dessa forma, a subadquirente é a intermediadora responsável pela aprovação dos pagamentos e pela segurança das transações realizadas.

Essas empresas são utilizadas em pequenos negócios, uma vez que sua integração com as lojas é muito mais simples e custam menos a serem implementadas. Contudo, a cobrança por transação efetuada é maior, podendo chegar até 7% do valor de uma venda.

Entre os serviços oferecidos por subadquirentes está a transação financeira e antifraude.

Gateway de pagamento

O Gateway é uma ferramenta que pode ser considerada como um terminal de cartão de crédito para e-commerce. Da mesma forma que as maquininhas de cartão são para as lojas físicas.

Ele funciona da seguinte forma: o cliente fornece os dados da compra na página de checkout, assim, o gateway coleta essas informações e repassa aos bancos ou adquirentes.

Contudo, o grande diferencial desta solução é a integração com diversas funcionalidades. Como, por exemplo, serviços antifraude, opções de crédito e débito, empresas conciliadoras, etc. Você poderá ter acesso a todas as transações financeiras em um único lugar. O que permite fazer análises de fluxo de caixa e planejamentos estratégicos com muito mais facilidade e assertividade.

Dessa forma, um gateway sempre precisa estar conectado a alguma empresa adquirente. Com isso, a integração do seu e-commerce é muito mais transparente.

Outra vantagem do gateway é que o valor de uma venda é enviado diretamente a sua conta. Ou seja, não há necessidade de esperar 31 dias para o pagamento ser feito.

Além disso, o gateway cobra apenas pelo serviço prestado, diferente de adquirentes e subadquirentes que cobram por transações realizadas.

Gateway ou subadquirente?

Tornar o processo de pagamento é um dos principais fatores para melhores a experiência de compra do seu cliente. Para isso, você precisa conhecer os diferentes métodos e oferecer aquele que se adequa melhor ao perfil dos consumidores.

Além disso, na hora de escolher entre um adquirente, subadquirente ou gateway de pagamento, é importante ficar de olho no seu tipo de negócio. Afinal, pode ser mais vantajoso investir um subadquirente, em vez de um adquirente.

No entanto, para grande projetos o gateway é a ferramenta ideal, por conta do maior controle das operações que ela proporciona. Uma vez que são capazes de processar uma transação no exato momento em que a compra é realizada. Esse modelo também permite que comerciantes tenham maior segurança na hora de processar dados de cartões de crédito ou débito. Isso ajuda a reduzir consideravelmente as taxas de fraudes.

Já um subadquirente possui maior agilidade na hora de processar transações, contudo as taxas de desistência são maiores, sobretudo em e-commerce. Isso acontece, pois o cliente, ao realizar uma compra, é redirecionado ao portal do subadquirente para finalizar a compra. Essa alteração no ambiente de pagamento torna o processo de pagamento mais demorado, uma vez que requer login do usuário, senha e mais uma série de dados.

Entretanto, na hora de escolher o modelo ideal ao seu negócio, é importante ter em mente a forma como você administra o seu negócio. Se você tem preferência por uma tecnologia de pagamento simples e rápida, o gateway pode ser uma ótima opção.

A Vindi, por exemplo, possui um gateway integrado a todas as adquirentes do Brasil, dessa forma você pode escolher uma que tenha as taxas mais vantajosas ao seu negócio. Além disso, nossa plataforma possui a certificação PCI Compliance, que garante maior segurança nas transações realizadas pela sua empresa.

Agora que você já conhece um pouco mais sobre adquirente, subadquirente e gateway de pagamento, ficou mais fácil decidir o modelo ideal ao seu negócio. Mas, se ainda tiver alguma dúvida, é só falar com a gente que será um prazer ajudá-lo!

Sobre o autor

Redação Vindi
A Equipe de redação Vindi é formada pela área de sucesso do cliente, marketing, financeira e vendas. Todo mundo contribui para que você fique informado sobre tudo em assinaturas, pagamento on-line e Saas.