O Vindi Insights de dezembro de 2021 traz uma retrospectiva do último ano e tendências para este que inicia.

Compilamos neste artigo os principais resultados de nossos clientes comparando 2020 e 2021 para que você entenda como cada segmento se comportou em mais um ano de crise sanitária, econômica e política.

Além disso, trazemos novidades e setores com grande potencial de recuperação para arejar o cenário atual e renovar seu otimismo.

Quer ficar por dentro do mercado da recorrência e começar 2022 bem informado?

Então, continue lendo e aproveite nossos insights.

Tendências do Pix para 2022

Para começar, vamos conferir as novidades do Pix para 2022 que devem transformar ainda mais o mercado de pagamentos digitais.

Veja o que vem por aí no sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central:

5 novas funcionalidades do Pix para 2022

Em um ano de uso, o Pix já acumula mais de 115 milhões de usuários cadastrados e já foi adotado por metade das empresas do país.

Agora, em 2022, o sistema de pagamentos instantâneos do Banco Central deve ganhar cinco novas funcionalidades que prometem torná-lo ainda mais eficiente.

São elas:

  • Pix Garantido: é uma função que permite que os pagamentos via Pix sejam parcelados e agendados
  • Pix Aproximação: possibilidade de fazer pagamentos com Pix ao aproximar o celular da maquininha de cartão
  • Pix Débito Automático: possibilidade de agendar o pagamento automático de contas de consumo, como água, luz e telefone, via Pix
  • Pix Internacional: função que permitirá transferências internacionais via Pix para países como Inglaterra e Itália
  • Pix Offline: possibilidade de fazer Pix offline que ainda está sendo estudada. Até então, três tecnologias diferentes estão em processo de avaliação.

Já imaginou como será mais fácil cobrar clientes com essas novas funções do Pix?

Fecomercio SP propõe o aumento da segurança do Pix para o BC

De olho nas fraudes e golpes, a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP) enviou ao Banco Central uma proposta para aumentar a segurança do Pix.

A iniciativa foi motivada pelo aumento de crimes envolvendo o sistema de pagamentos instantâneos, em especial os sequestros-relâmpago.

Até então, o Banco Central já havia limitado o valor de transferências via Pix no período noturno para R$ 1 mil.

Para trazer mais segurança aos usuários, a Fecomercio SP propõe as seguintes medidas:

  • Restringir transferências imediatas para contas que tenham sido criadas há menos de três meses, considerando que muitas delas são abertas apenas para a execução dos golpes
  • Adoção de medidas para verificar a identidade de recebedores
  • Dupla checagem de dados nas três primeiras operações via Pix (o usuário deverá confirmar, por exemplo, os dados via celular e e-mail ou inserindo um código de segurança) para proporcionar maior rastreabilidade
  • Inclusão de novos critérios para abertura de contas digitais, como confirmação da veracidade de documentos enviados via reconhecimento facial, biometria ou código PIN.

A instituição deixou claro que são apenas sugestões para o Banco Central.

Se aceitas, elas podem contribuir com a redução de crimes e fraudes que hoje preocupam os usuários do Pix em todo o Brasil.

9 em cada 10 pequenos negócios já usam Pix

Não surpreende que o Pix tenha se tornado um meio de pagamento unânime entre pequenos negócios, dada sua simplicidade e custo-benefício.

De acordo com dados do Sebrae e da Fundação Getúlio Vargas (FGV) coletados em novembro de 2021, 9 em cada 10 pequenos empreendedores já usam Pix no país (86%).

Entre os microempreendedores individuais (MEI), 87% afirmam usar o PIX em suas transações.

Entre donos de micro e pequenas empresas, o percentual é de 85%.

Um dos principais motivos para o sucesso do Pix são as taxas competitivas, que compensam mais do que as de muitos cartões de crédito.

Além disso, o sistema é ágil, não onera o consumidor e pode ser usado 24 horas por dia.

Indicadores Econômicos

No cenário macroeconômico, a inflação seguiu em alta em dezembro de 2021 devido à aceleração dos preços em segmentos como minério de ferro, bovinos e café.

Já a taxa de desemprego caiu 0,4 p.p., atingindo 12,1% de pessoas sem trabalho no país – o menor índice de 2021, mas ainda acima do patamar anterior à pandemia.

Devido ao cenário de crise, o Índice de Confiança do Consumidor terminou o ano 2,6 pontos abaixo de 2020, com 75,5 pontos.

Indicadores Econômicos: infográfico com IGP-M, IBC-BR, Confiança do Consumidor, Taxa de Desemprego, IPCA-15, IGPD-DI

Destaques de 2020 vs. 2021

Em nossa retrospectiva 2021, selecionamos os três  segmentos que mais cresceram em comparação com o ano anterior.

Veja os resultados:

Seguradoras

O segmento das Seguradoras foi campeão de crescimento em 2021, com impressionantes 179,9%.

O principal player teve um aumento de 385% no TPV, enquanto outro grande player viu seu TPV aumentar 171% desde o início do ano.

Estética e Beleza

O segmento de Estética e Beleza começa a se destacar com um aumento de 90,1% no TPV.

Ou seja: o volume transacionado quase dobrou em um ano.

Educação

O segmento de Educação é o terceiro segmento que mais se destacou em 2021, com um crescimento de 28,6% em volume de pagamentos.

O mês com maior expressividade em termos de TPV foi novembro de 2021, com um valor 13,7% maior do que o principal TPV de 2020.

Além disso, um player que entrou em julho de 2021 já cresceu surpreendentes 1.214%.

Segmentos que inspiram uma retomada em 2022

Também tivemos segmentos que merecem destaque pelo grande potencial de retomada em 2022.

Confira:

Turismo e Hotelaria

A pandemia afetou duramente o setor de Turismo e Hotelaria, mas a recuperação vem surpreendendo desde maio de 2021.

No gráfico abaixo, você acompanha o movimento de retomada do segmento, que teve um crescimento expressivo no TPV da metade do ano em diante:

Gráfico de TPV do setor de Turismo e Hotelaria

Academia/Fitness

Outro setor castigado pela pandemia, Academia/Fitness começa a recuperar o fôlego e promete se reerguer em 2022.

No geral, o segmento cresceu 27,3% em volume de pagamentos em 2021.

Em novembro de 2021, atingiu o maior TPV desde o começo da pandemia, mostrando seu potencial de resiliência.

Gráfico de TPV do setor de Academia/Fitness

TPV Vindi

De modo geral, o TPV da Vindi cresceu 24% em 2021 – um excelente resultado para mais um ano de crise.

Quando comparamos o TPV de 2020 com o de 2021, identificamos uma evolução positiva à medida que a pandemia recua.

Dessa forma, o mês de maior destaque foi março, com um aumento de 77%.

Já em dezembro, o crescimento foi de 24% em relação ao mesmo mês de 2020.

TPV por segmento

Na análise do TPV por segmento, observamos uma retomada geral do volume de transações ao longo de 2021.

Os principais destaques foram:

  • Saúde: cresceu em mais de 27,3% seu TPV em relação a 2020, tendo como destaque um player que responde por mais de 85% do segmento.
  • SaaS: começou o ano com o 4º maior TPV e finalizou no 3º lugar, ultrapassando Serviços Financeiros com o resultado positivo de 79,1%.

Gráfico do TPV Vindi por segmento

Ticket médio por cobrança

Em relação ao ticket médio, os resultados mudaram bastante ao longo de 2021 entre os segmentos.

O destaque vai para Saúde, que se manteve com o maior ticket médio, mesmo com uma redução de transações mês a mês.

Gráfico do Ticket médio por cobrança

Saiba mais sobre como as métricas da Recorrência neste episódio do Dentro do Ringue: 

Gostou da retrospectiva 2021 do Vindi Insights?

Então, continue acompanhando nossas análises em 2022 para acompanhar a tão esperada retomada econômica.

Rate this post

Write A Comment