Mais de 200 MIL PESSOAS sabem como vender mais e sempre.

Deixe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos você também.

Claro que cada negócio é único e não devemos comparar simplesmente um segmento com outro completamente diferente, mas de fato em plena crise, existe gente crescendo. E isso tem a ver com meu palpite de que o modelo de assinaturas e cobrança recorrente são instrumentos eficazes para esse momento da economia do Brasil.

Sites de assinaturas e a cobrança recorrente em tempos de crise

A inflação sobe diariamente e as contas do governo estão arrebentadas (precisando de ajuda externa). Nas prefeituras, funcionários são dispensados por falta de verba e as empresas estrangeiras estão brecando os investimentos por aqui. Já as empresas privadas nacionais, estão vivendo períodos de recessão por conta da indústria e do comércio. Bancos reduzem o crédito. E as estatais, estão literalmente derretendo. E não adianta pensar que essa crise não vai refletir na sua vida. Vai.

Os efeitos da crise sempre vêem em ondas, afeta uma indústria, que afeta um segmento, que afeta a cadeia inteira de um sistema, desencandeando a demissão de pessoas, que por sua vez perdem o poder de compra e interferem nesse mesmo sistema.

Crítico, né? Mas já passamos por diversas crises, e essa será mais uma.

Cobrança recorrente combate crises?

Como escrito no artigo que escrevi em 03/03/2014, há quase um ano, relatei um sentimento que na possível crise, as empresas deveriam tentar mudar o modelo de venda a venda, para a recorrente. E investirem na durabilidade do cliente dentro do dia a dia da empresa. E parece que isso vem se confirmando após centenas de clientes entrarem na Vindi procurando por uma solução para combater inadimplência e para continuar crescendo com maior tranquilidade na hora de cobrar (escala).

E não existe fórmula mágica para isso, o que eles estão fazendo é cobrar automaticamente planos, mensalidades e assinaturas. E de forma inteligente. Essa combinação controla a saída de clientes (churn) e faz com que os empresário possam se dedicar a gerar receita, e não perder tempo controlando processos de cobranças ineficazes.

Respondendo a pergunta chave, combate sim! Agora posso dizer com propriedade que isso está se confirmando no nosso dia a dia da Vindi e também pelos feedbacks de alguns clientes que espontaneamente vieram  me contar. Alguns reduziram a inadimplência de 70% (até 30 dias) para 30% após implantarem o sistema de cobrança recorrente da Vindi.

Isso é motivador para nós, mas é ainda mais importante para continuar acreditando que o momento atual é passageiro, e quem souber colher desse momento, sairá bebendo água limpa do outro lado. Eu continuarei acreditando e conduzindo, através da Vindi, empreendedores e empresas que pensam como nós.

Espero você do outro lado.

economia da recorrencia

Abs, Rodrigo Dantas

Você vai gostar também

E se as marcas fossem escritas do jeito que a gent... O Tumblr Como Fala, publicado em 30 de Agosto de 2013, criou uma página interessante e curiosa de como seriam as marcas se falássemos como se lê. O cr...
Academias: um negócio de R$5 bilhões no Brasil Em 2012 as academias criaram um mercado de R$5bi no Brasil. Número inédito para o mercado que só cresce no Brasil. As academias no Brasil já formam um...
Febraban quer melhorar experiência de clientes com... O boleto é a segunda opção de pagamento mais usada no Brasil, ficando atrás apenas do uso do cartão, que há anos vem sendo o formato que mais cresce. ...
Cobranças recorrentes que funcionam Há uma enxurrada de material falando sobre cobranças recorrentes. Vou tentar unificar os principais conceitos aqui nesse post. Além de ser o sonho ...
Author

Fundador e CEO da Vindi, plataforma líder em recorrência e criador do maior evento de empresas SaaS e Assinaturas do país, o “Assinaturas Day”.