Mais de 200 MIL PESSOAS sabem como vender mais e sempre.

Deixe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos você também.

Sites de assinaturas e a cobrança recorrente podem ser de fato os maiores motores para vencer a crise, digo isso pela experiência do modelo em si, no qual estamos inseridos na Vindi, mas também pelos clientes que temos. Alguns crescem cerca de 10% ao mês, outros chegam ao patamar de 40% mensalmente. Isso mesmo, quarenta por cento.

Claro que cada negócio é único e não devemos comparar simplesmente um segmento com outro completamente diferente, mas de fato em plena crise, existe gente crescendo. E isso tem a ver com meu palpite de que o modelo de assinaturas e cobrança recorrente são instrumentos eficazes para esse momento da economia do Brasil.

Sites de assinaturas e a cobrança recorrente em tempos de crise

A inflação sobe diariamente e as contas do governo estão arrebentadas (precisando de ajuda externa). Nas prefeituras, funcionários são dispensados por falta de verba e as empresas estrangeiras estão brecando os investimentos por aqui. Já as empresas privadas nacionais, estão vivendo períodos de recessão por conta da indústria e do comércio. Bancos reduzem o crédito. E as estatais, estão literalmente derretendo. E não adianta pensar que essa crise não vai refletir na sua vida. Vai.

Os efeitos da crise sempre vêem em ondas, afeta uma indústria, que afeta um segmento, que afeta a cadeia inteira de um sistema, desencandeando a demissão de pessoas, que por sua vez perdem o poder de compra e interferem nesse mesmo sistema.

Crítico, né? Mas já passamos por diversas crises, e essa será mais uma.

Cobrança recorrente combate crises?

Como escrito no artigo que escrevi em 03/03/2014, há quase um ano, relatei um sentimento que na possível crise, as empresas deveriam tentar mudar o modelo de venda a venda, para a recorrente. E investirem na durabilidade do cliente dentro do dia a dia da empresa. E parece que isso vem se confirmando após centenas de clientes entrarem na Vindi procurando por uma solução para combater inadimplência e para continuar crescendo com maior tranquilidade na hora de cobrar (escala).

E não existe fórmula mágica para isso, o que eles estão fazendo é cobrar automaticamente planos, mensalidades e assinaturas. E de forma inteligente. Essa combinação controla a saída de clientes (churn) e faz com que os empresário possam se dedicar a gerar receita, e não perder tempo controlando processos de cobranças ineficazes.

Respondendo a pergunta chave, combate sim! Agora posso dizer com propriedade que isso está se confirmando no nosso dia a dia da Vindi e também pelos feedbacks de alguns clientes que espontaneamente vieram  me contar. Alguns reduziram a inadimplência de 70% (até 30 dias) para 30% após implantarem o sistema de cobrança recorrente da Vindi.

Isso é motivador para nós, mas é ainda mais importante para continuar acreditando que o momento atual é passageiro, e quem souber colher desse momento, sairá bebendo água limpa do outro lado. Eu continuarei acreditando e conduzindo, através da Vindi, empreendedores e empresas que pensam como nós.

Espero você do outro lado.

economia da recorrencia

Abs, Rodrigo Dantas

Você vai gostar também

Gestor de Academia: você tem menos de 100 dias par... Com a chegada do inverno, as academias lutam com a queda dos alunos. O frio é considerado o inimigo das atividades físicas e o grande desafio é manter...
Santander aposta em app e entra para o mercado de ... “Cada vez mais mercados vão entrar para a recorrência” - essa é uma tecla na qual nós, da Vindi, temos batido constantemente. Longe de ser a Empiricus...
17% do Tráfego Online é Mobile Saiu pesquisa feita pela Mashable em parceria com a Statista, que 17% do tráfego online é feito através do mobile. Os smartphones crescem aceleradamen...
Vindi é destaque no Startupi A Vindi é destaque essa semana no portal  - site focado em notícias e matérias de startups e empresas de tecnologia. É uma das primeiras vezes que ...
Author

Fundador e CEO da Vindi, plataforma líder em recorrência e criador do maior evento de empresas SaaS e Assinaturas do país, o “Assinaturas Day”.