Jogos FIFA serão vendidos no modelo recorrente

Em julho, eu falei neste texto sobre a chegada do ‘efeito Netflix’ aos jogos digitais. A novidade à época era que uma plataforma de jogos indie estava lançando o modelo de vendas por assinatura. E nele eu comento que esse era só início de uma nova era para a venda dos modelos.

Pois bem, três meses depois, a notícia é de que a EA Sports, linha de games responsável pela produção de jogos como FIFA, NBA live e muitos outros, prevê mudar do modelo de venda pontual para a venda via assinaturas.

Em uma entrevista à Bloomberg, o CEO da EA comentou “Talvez não precisemos fazer um lançamento anual. Podemos pensar nesses games (simuladores) como um serviço constante, 365 dias por ano.”

Previsibilidade, mais clientes, maior receita

O maior benefício do modelo, sem dúvida, é a experiência do cliente. Anualmente a linha atualiza seus títulos com novos jogos mudando escalações, uniformes, estádios e outras transformações pontuais ou não das franquias.

Para ter a versão atualizada os gamers precisam comprar outro jogo. Investindo no modelo de assinatura, essas atualizações serão disponibilizadas automaticamente para os assinantes, o que garante experiência, facilidade e comodidade para quem joga e receita previsível para quem vende.

Além da receita recorrente, a EA Sports pode garantir um número maior de clientes e fidelizar ainda mais os que já são. Afinal, o custo de um produto comparado aos de uma assinatura, sem dúvida, são menores.

Mesmo com o comentário, o CEO não falou sobre ser um projeto a curto prazo, então não se sabe quando, como e nem a quanto os jogos serão disponibilizados.

O que não dá para negar é que o mercado de jogos já entendeu o recado e está se movimentando para acompanhar as transformações no modelo de venda que oferece acesso em vez de produto e, em um futuro não muito distante, FIFA e outras franquias serão muito mais acessíveis. E, cá para nós, que isso vai ser um golaço da EA.

Fonte: Engadget

Sobre o autor

Nathalia Braga
Jornalista que passou por redações de entretenimento, varejo e economia, mas acabou se apaixonando por marketing digital e hoje atua em suas principais vertentes.

Você vai gostar também

4 Empresas de recorrência são cotadas à bolsa em 2... O Investor Place fez uma lista com 10 empresas que possivelmente entrarão para a bolsa em 2018 e quatro atuam exclusivamente no modelo de venda recorr...
Uber testa modelo de assinatura em serviço de deli... “Estamos constantemente testando” - foi a afirmação de um dos executivos da UberEats no Reino Unido, Toussaint Wattinne, durante uma entrevista ao Bus...
A Economia da Recorrência Em diversos ramos, a chamada economia da recorrência (subscription economy), ou simplesmente, "modelo de assinaturas", vem transformando a forma de fa...
Resultados Digitais – veja quem está por trá... Outra empresa engajada no desenvolvimento do mercado de assinaturas que estará com a Vindi no Assinaturas Day como patrocinadora é a Resultados Digita...