O papel das empresas na aquisição (e desenvolvimento) de talentos

Este mês estamos comemorando uma baita vitória! São 5 anos de Vindi e nada melhor do que compartilhar com vocês um pouco da minha experiência e percepção sobre o papel de uma empresa no desenvolvimento e aquisição de talentos. 

Estou na Vindi há pouco mais de um ano e sempre tive como meta pessoal desenvolver uma carreira profissional na área de tecnologia. Com isso, dediquei-me aos estudos e conclui a faculdade na área. Mas ainda não estava no caminho certo, pois atuava na área comercial.

Os desafios

Pode parecer loucura, mas decidi jogar tudo para o alto e investir no meu sonho, mesmo sabendo que talvez não tivesse um retorno tão rápido.

Lá estava eu, com uma disposição enorme de iniciar a carreira em TI, me organizei meses antes, fiz planos com todos os passos que deveria fazer para alcançar meu objetivo e foi aí que me deparei com um dos maiores desafios: um mercado de trabalho muito agressivo.

Na área de tecnologia, a maior parte das contratações são por indicação, isso sem contar o preconceito contra mulheres na área. Foi frustrante e opressor, cheguei até a pensar que talvez não tivesse mesmo vocação para isso.

Quase um ano depois, consegui uma baita oportunidade em uma empresa de TI top, que é a Vindi. Iniciei as atividades como consultora comercial, área em que já tinha experiência.

Os aprendizados

Com o decorrer do tempo, fui fazendo amigos, me interessando e expondo a maior parte do tempo o meu interesse em atuar na área de TI. Tive pessoas maravilhosas que me encorajaram a continuar buscando por isso e ainda me instruíram sobre como atingir esse objetivo.

Mas, nada disso seria tão importante se não houvesse a colaboração da empresa, que hoje busca capacitar e instruir muito bem os profissionais que têm dentro de casa, valorizando a importância e o real talento de cada um. 

Tive grandes oportunidades de obter conhecimentos através de palestras (grandes feras vieram de fora trazer conhecimento), a Vindi University (que incentiva os colaboradores a compartilhar conteúdos) e muitos outros treinamentos que ajudaram no meu desenvolvimento.

Por fim, assim que surgiu a primeira oportunidade fui promovida da área comercial para área de tecnologia e… WOW!!! Consegui realizar meu sonho! O/

O papel da Vindi como empresa

Aqui na Vindi, 46% do time é composto por mulheres e 37% exercem o cargo de gestão – o que nos mostra um grande diferencial diante de outros cenários e também que não há nenhum preconceito com a gente em TI. Hoje, posso contar com pessoas maravilhosas, que têm disposição para passar todo o seu conhecimento e ajudar no desenvolvimento de toda a empresa.

Mas, tudo isso foi alcançado por que a Vindi investe em cada funcionário, enxergando que horas de treinamento para capacitação de cada um traz um desenvolvimento para o time, o que impacta também na aquisição de talentos e, consequentemente, no crescimento da empresa. 

Assim como nosso CEO, Rodrigo Dantas, sonhou um dia com tudo isso e se dedicou para que se tornasse realidade, hoje eu também posso desfrutar desse sonho e dizer que é gratificante fazer parte dessa equipe.

A Vindi continua com o mesmo objetivo de proporcionar as melhores experiências para cada colaborador, amigo, parceiro, cliente e fazer com que muitos projetos, sonhos saiam do papel e se tornem realidade. 

Cada talento tem que ser valorizado e isso é o que a Vindi faz de melhor!

Você acredita que pode ajudar outras empresas a crescer exponencialmente e quer entrar para o nosso time de talentos? Envie seu currículo para talentos@vindi.com.br e junte-se a nós!

Você vai gostar também

Fintechs que substituem os serviços bancários Disrupção, do dicionário, é o mesmo que “interrupção do curso normal de um processo”. Exatamente aquilo que as Fintechs estão fazendo: alterando todo ...
CEO em 3 min. | Ascensão do mercado de pagamentos CEO em 3 minutos Quer saber sobre os movimentos, curiosidades e informações dos mercados de pagamentos, SaaS e recorrência? A gente criou um quadro e...
Transformação digital na economia: o futuro dos ba... Tornar-se o primeiro unicórnio do Brasil. Antes de 2018, essa era a meta do Nubank, uma das startups brasileiras que lutava para alcançar o valor esti...