Startups: conheça a estrutura básica do financeiro

“font-weight: 400;”>Ao doutrinar o departamento financeiro, o primeiro e principal foco, é a subdivisão dos setores e atividades correlacionadas, sendo condigno com as principais tarefas da área, que tem como finalidade, a análise e planejamento financeiro, além de cascatear sublocações em administração da estrutura de ativos x estrutura financeira. A primeira interfere nas decisões referentes aos investimentos, a segunda está diretamente ligada ao passivo para se assumir, perante aos investimentos futuros.

Diante do escopo do departamento financeiro (DF), existe a subdivisão básica em Controladoria e Tesouraria, cujas quais trabalham em regime de contabilização financeira distintas.

  • Controladoria

Na controladoria, a gerência dos recursos segue a competência da ação. Inteiramente pertinente aos aspectos contábeis, fiscais e de faturamento, em normas gerindo toda movimentação dos Ativos, Passivos e Patrimônio Líquido. E também determinante para elaboração dos documentos financeiros legais, como: BP, DRE, DMPL, DFC, etc.

  • Tesouraria

Na tesouraria, a administração visa o movimento financeiro, ou seja, o caixa. As programações orçamentárias precisam ser acompanhadas diretamente junto ao fluxo de caixa com as precisas conciliações diárias, contendo as provisões detalhadas no formato de contas a receber e a pagar, devido à medição do resultado por caixa, ser imediato.

No conjunto das ações do departamento financeiro, o objetivo principal é a maximização dos recursos das empresas. Para isso, as tomadas de decisões não seguem um padrão de análises dos numerários seguindo o propenso comum risco x retorno. Afinal, risco numa startup já está mais que claro.

Os desígnios podem ser mutáveis de acordo com o custo de oportunidade, o que está totalmente relacionado às startups devido ao processo de rápida expansão e crescimento. Pode acreditar, quanto mais preparada sua startup tiver nesses pontos, mais realista e mais pronta para receber investimento estará. 

Portanto os acompanhamentos dos movimentos financeiros devem ser atualizados diariamente, respeitando o espaço máximo de tempo de D-1 para consolidação do fluxo de caixa.

Entretanto, as tomadas de decisões precisam ser decididas estrategicamente. No mercado, as melhores práticas financeiras tendem a englobar quatro aspectos:

  • Planejamento Financeiro;
  • Controle Financeiro;
  • Administração de Ativos e Passivos;
  • Administração de Passivos.

Vise sempre, estressar as possibilidades do projeto a investir, procurando consecutivamente a otimização e procurando responder, se existirá recurso para a conclusão e qual será o retorno. Tiramos aqui desse texto, conceitos básicos de CAC, LTV, Churn e etc, que startups estão “calejadas” de escrever e ouvir.

Aliás, startup também é uma empresa.

Sobre o autor

Plinio Martins
Responsável financeiro da Vindi. Formado em Economia e vencedor acadêmico do prêmio "Economista do Ano" pela cidade de Santo André.

Você vai gostar também

Dicas jurídicas para startups – Opice Blum Empresas embrionárias (startups) cometem alguns erros muito comuns de empresas nesse estágio. Alguns são atribuídos ao próprio risco do negócio, tais ...
Fintechs brasileiras Nos últimos anos, problemas como pagamento de contas, gestão de finanças e investimentos, transferências bancárias internacionais e empréstimos para p...
Ferramentas internas: como escolher as melhores? Acompanhando o mercado tecnológico, percebe-se que opções não faltam. Assim, buscar pelas melhores tecnologias, tanto para o desenvolvimento do produt...
Venda Sempre, pense em Cobrança Recorrente! A expressão do título, que leva o slogan da Vindi - o Venda Sempre, é sem dúvida a chave mais importante para o sucesso de uma empresa consolidada ou ...