Santander aposta em app e entra para o mercado de assinaturas

“font-weight: 400;”>“Cada vez mais mercados vão entrar para a recorrência” – essa é uma tecla na qual nós, da Vindi, temos batido constantemente. Longe de ser a Empiricus, mas as nossas “previsões” são sempre embasadas em dados e movimento de mercado. Logo, entender (e apostar) nessa afirmação não fica difícil.

Pois bem, o maior banco da zona do euro ratificou nossas expectativas sobre expansão do mercado de assinatura. O Santander apostou em uma startup e lançou um app de gestão financeira por assinatura, o Superdigital.  Veja:

Voltado para pessoas físicas, o Superdigital funciona da seguinte forma: o usuário baixa o app pelo Google Play ou App Store e já pode começar a usar.

Com o aplicativo é possível movimentar, organizar, enviar e receber dinheiro, além de organizar os gastos e cartões, acompanhar faturas e saldos. Se o usuário quiser, poderá usar o Superdigital para fazer compras ou sacar valores em bancos 24h, o assinante só precisa colocar dinheiro na sua conta do app.

Ao colocar os valores, ele recebe um cartão de crédito da MasterCard e pronto, já pode usar. Também é possível usar o app para pagar contas, fazer recargas de celular e comprar online por meio de um cartão virtual, além de carregar o bilhete de transporte – opção apenas para usuários do app na cidade de São Paulo.

O aplicativo faz tudo o que um banco comum faz, mas online. E o usuário não precisa ter conta em banco ou cartão de crédito para usar o Superdigital – uma boa chance de ampliar o número de usuários que compram online ou não têm (e não querem ter) uma conta bancária.

Para ter acesso ao app o usuário paga pela assinatura. Existem dois planos:

Plano individual

  • Custo: R$ 7,90/mês
  • Disponibiliza um cartão físico
  • Disponibiliza até cinco cartões virtuais (eles podem ser usados nas compras online)

Plano familiar

  • Custo: R$11,90/mês
  • Disponibiliza até três cartões físicos
  • Disponibiliza até  10 cartões virtuais

Tarifas adicionais serão cobradas apenas para o caso de a transferência (TED ou DOC) ser feita para contas de bancos que não sejam o Santander. A assinatura é inferior às taxas cobradas pelos bancos e, antes de serem efetivado, o serviço pode ser testado.

O que diferencia o Superdigital da conta normal?

Uma conta bancária, como sabemos, envolve uma série de processo burocráticos, idas ao bancos e um atendimento que, nem sempre, é aprovado pelo cliente. Sem contar as filas enormes. O app oferece praticamente os mesmos serviços, só que faz uso da tecnologia para automatizar esse processo e oferecer uma boa experiência ao cliente.

Assim como outras gigantes que têm percebido oportunidades no segmento de assinaturas, o Santander percebeu esse movimento e investiu. E é por isso que – sempre embasados em dados – a Vindi continua apostando no modelo de recorrência e criando espaços de discussão sobre esse tema para ajudar a construir um mercado potencializador.

Vamos juntos?!

 

 

 

 

 

Jornalista que passou por redações de entretenimento, varejo e economia, mas acabou se apaixonando por marketing digital e hoje atua em suas principais vertentes.

Você vai gostar também

Conheça os principais modelos de precificação na r... Alimentos, escolas, games, livros, músicas, filmes, cinema, higiene e beleza, academias, jornais, acesso a conhecimento, cursos EaD, faculdades, softw...
Consumo no Brasil O Brasil assiste de camarote uma mudança muito grande no consumo da população nos últimos 3 anos. A subida das classes emergentes. O poder de consumo ...
17% do Tráfego Online é Mobile Saiu pesquisa feita pela Mashable em parceria com a Statista, que 17% do tráfego online é feito através do mobile. Os smartphones crescem aceleradamen...
5 modelos de negócio ideais para faturar na recorr... Algumas empresas estão nascendo baseadas na recorrência. O que significa ter a possibilidade de se planejar melhor financeiramente, tendo uma previsão...