Quais as maiores dificuldades financeiras enfrentadas por empresas que não possuem cobrança recorrente online

Nos últimos anos, o modelo de cobrança recorrente está sendo cada vez mais adotado por empresas prestadoras de serviços periódicos, tais como escolas, academias e clubes de compras. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Grupo Gartner, 35% das 2 mil maiores companhias do mundo passarão a utilizar o modelo de cobrança recorrente até o final de 2015, visando obterem benefícios como maior fluxo de caixa previsível e redução de despesas e custos operacionais. Mas para que o negócio possa desfrutar das inúmeras vantagens geradas por essa modalidade de pagamento, o gestor deve atentar-se ao controle financeiro e ao gerenciamento do faturamento. A seguir, conheça as principais dificuldades enfrentadas por empresas que não possuem cobrança recorrente online:

1. Projeção incorreta do faturamento

Quando o assunto é projeção do faturamento, muitos empresários costumam falhar em quesitos considerados básicos para o sucesso do negócio. Um dos principais erros cometidos é realizar a projeção da receita levando em conta apenas o número de clientes, já que, de um período a outro, alguns clientes costumam cancelar o serviço contratado ou não efetuar o pagamento do boleto emitido. Por isso, é de vital importância que o responsável verifique também a quantidade de clientes que possuem uma fatura em aberto, quais deles pagam na data correta, qual o saldo positivo e negativo de cada um e se a inadimplência acontece mais em alguma faixa de valor. Outros fatores, como promoções temporárias e alterações pontuais no contrato, também podem causar impactos na sua projeção.

2. Falta de controle do fluxo de cobrança

No modelo de cobrança recorrente, assim que o cliente realiza o pagamento, o serviço já deve ser fornecido imediatamente. Mas caso ele deixe de pagar o boleto e permaneça por muitos dias em atraso, o serviço é suspenso. Sem um controle efetivo desse fluxo de cobrança, a empresa continuará oferecendo seus serviços a inadimplentes, deixando de atender os clientes que estão com o pagamento em dia. Para que isso não aconteça, é importante realizar o controle do fluxo de cobrança para identificar os compradores que estão pagando e os inadimplentes, além de criar regras específicas para a suspensão de serviços em caso de débito e reativação automática assim que o pagamento por feito.

3. Uso de um sistema engessado

Normalmente, quem trabalha com cobranças recorrentes, acaba conhecendo o perfil detalhado de seus compradores, e sabe que cada um deles possui necessidades distintas. Por isso, a cobrança deve ser adequada aos interesses de cada consumidor. Mas na hora de adotar um modelo de cobrança online, muitos acabam procurando sistemas “engessados”, ou seja, que não permitem a personalização e acabam gerando dificuldades. Eles fazem com que os clientes desistam de fechar negócio com a sua empresa, já que não possibilitam a definição de regras específicas para cada um, como a data de pagamento. Muitas pessoas preferem para no final do mês, outras no início. O importante é que a empresa deixe-as escolher o melhor dia para efetuar o pagamento.

Apenas um sistema de cobrança recorrente online é capaz de posicionar seus negócios no orçamento mensal do cliente, satisfazendo todas as suas necessidades de rapidez, segurança e facilidade nas transações comerciais. Com ele, é possível estabelecer diferentes datas e formas de pagamento e enviar um boleto de cobrança em PDF automaticamente por e-mail, para que o comprador possa baixar e imprimir o arquivo ou usar o código de barras para pagar via internet banking. Dessa forma, sua empresa ganha maior liquidez, agilidade nos processos de cobrança e uma cartela fidelizada de clientes.

4. Falha na gestão do estoque

A cobrança recorrente via boleto também é muito utilizada por e-commerces de clubes de assinaturas que lidam com produtos físicos, tais como vinho e cerveja. Nestes casos, a controle do estoque e da disponibilidade de entrega das mercadorias deve ser bastante rígido. No momento em que a empresa emite e envia o título em PDF, o produto deve ficar disponível para entrega, já que existe um período entre o pagamento e compensação do banco. É importante que os gestores atentem-se às taxas de inadimplência e ao tempo para recebimento ou confirmação do pagamento, visando diminuir o impacto dos boletos gerados e não pagos e manter seus preços sempre competitivos.

economia da recorrencia

Você já teve algumas dessas dificuldades financeiras na hora de hora de gerir suas cobranças recorrentes? Deixe suas experiências ou dúvidas nos comentários!

A Equipe de redação Vindi é formada pela área de sucesso do cliente, marketing, financeira e vendas. Todo mundo contribui para que você fique informado sobre tudo em assinaturas, pagamento on-line e Saas.

Você vai gostar também

Novos Caminhos Estamos de cara nova. Parece simples, mas é bem mais do que criar um novo visual. É criar uma experiência de uso sugerida pelos nossos próprios client...
Vendas por assinatura: Mercado Livre anuncia progr... A economia da recorrência continua se solidificando por aqui. Uma das últimas novidades relacionadas ao tema foi anunciada no dia 21 de fevereiro. Mom...
Pagamento on-line: desafios para SaaS e clubes de ... Opa, voltei para escrever um post simples, mas com um grande valor para quem está pensando que pagamento é commodity ao criar um negócio de assinatura...
IHRSA 2014 – Feira Fitness Foi com orgulho que participamos pelo segundo ano consecutivo da IHRSA 2014 - a Feira Fitness Brasil, que é o maior evento fitness da América Latina. ...