Mais de 200 MIL PESSOAS sabem como vender mais e sempre.

Deixe seu e-mail e receba conteúdos exclusivos você também.

Manter um e-commerce dá trabalho. É preciso pensar em logística, marketing, relacionamento com o cliente e estratégias de venda. E, além de todas essas atividades, outro assunto deve ser acompanhado de perto pelos comerciantes: o chargeback.

Considerado um verdadeiro fantasma para as lojas virtuais, ele pode prejudicar o faturamento. E num cenário mais extremo, o chargeback pode até levar e-commerces à falência. Pois, diante de altos números de estornos, não há ganho com produtos ou serviços e há despesas com o processo de envio.

Neste texto, vamos explicar o que é chargeback, em quais situações ele ocorre e como você, e-commerciante, pode se proteger.    

Chargeback: o que é e como ocorre

O chargeback (em português chamado de estorno ou contestação) acontece quando uma compra online no cartão de crédito ou débito é cancelada. Normalmente porque o titular do cartão não reconheceu a compra em sua fatura. Ou, ainda, porque a transação desobedeceu às regras da administradora do cartão.

No primeiro exemplo, é comum que a pessoa entre em contato com sua administradora. E diante do pedido de devolução, a empresa faz uma análise da venda para decidir se o estorno deve ser feito ao cliente. Sendo assim, o valor não será repassado ao vendedor. E, se já tiver sido creditado, acontecerá o estorno.

Segundo a projeção da consultoria Euromonitor, em 2017, houve um aumento de 5,5% nas transações feitas por meio de cartões no Brasil. Sendo assim, o cartão de crédito ou débito já é uma das formas de pagamento preferidas pelos brasileiros. Por isso, os e-comerciantes precisam estar preparados, cada vez mais, para lidar com o chargeback.

Confira abaixo em quais situações ele acontece.

Como ocorre o chargeback  

Entre os motivos mais comuns que caracterizam uma contestação, vamos encontrar:

como evitar o chargeback

Não reconhecimento da compra

Ao se deparar com sua fatura, o consumidor percebe que não fez um dos pedidos listados. Com isso, ele vai entrar em contato com a administradora e solicitar o estorno.

Isso pode acontecer porque os dados do cartão foram roubados ou mesmo clonados. Porém, vale citar que quando o nome da loja virtual aparece diferente na fatura do cliente, há a possibilidade deste ser o motivo pelo qual ele não identifica o pedido.

Valores diferentes

Quando acontece um erro por parte da loja virtual ao fazer a cobrança do produto ou serviço. Nesse caso, se o preço correto era R$ 10, mas acabou sendo lançado R$ 1.000, o cliente solicitará o estorno.

Mercadoria não foi entregue

Se houve um problema de logística e o cliente não recebeu seu produto, o valor pago por ele será contestado para a administradora do cartão.

Má fé

Em alguns casos, o consumidor pode ter recebido seu produto e mesmo assim alegar que não, solicitando o estorno do valor para a administradora do cartão.

Nesta situação, o comerciante pode identificar o pedido que gerou esse tipo de chargeback, reunir documentos que provem que a entrega foi feita e tentar reverter o estorno.

Por que o chargeback é um risco?

O chargeback foi criado pelas administradoras dos cartões para proteger consumidores em compras online.

Porém, passou a assombrar os donos de lojas virtuais porque são eles que arcam com o prejuízo do estorno. Sendo que as operadoras não se responsabilizam pelos pedidos pagos em cartões, mesmo em caso de fraude.

E essa preocupação aumenta, pois, no Brasil a cada 33 pedidos feitos em e-commerces, um deles é tentativa de fraude, segundo estudo realizado pela Konduto em 2017.

Como se proteger

Se o chargeback faz parte de qualquer loja virtual, a melhor forma de lidar com ele e evitar grandes prejuízos é se protegendo.

1 – Faça análise de risco

O modelo de chargeback que provavelmente causa mais danos a uma loja virtual é o de fraude; como citamos acima em que o cartão do consumidor é roubado ou clonado.

E para lidar com essa situação, a maneira mais eficaz é contar com um antifraude. Pois ele terá inteligência para cruzar dados e identificar pedidos suspeitos. Reduzindo, assim, a chance de que pessoas mal intencionados consigam finalizar uma compra em seu site.

2 – Aposte no checkout transparente

Outro motivo que leva o cliente a não reconhecer uma compra feita em seu cartão é quando o nome do seu e-commerce aparece diferente na fatura.

Esse problema é bem frequente para quem utiliza intermediadores de pagamento (também chamados de subadquirentes). Então, para evitar o problema, aposte no checkout transparente e em plataformas que oferecem essa opção, como a Vindi.

Aliás, já escrevemos aqui no blog sobre “Checkout transparente: o guia prático para conversão, não deixe de ler!

3 – Reforce a segurança

Para diminuir as chances de chargeback, procure aumentar a segurança nas transações feitas pela sua loja virtual.

Talvez enviar códigos de verificação por SMS ou e-mail ajude a barrar ações de fraudadores em seu site. Analise e busque as soluções certas para o seu modelo de negócio.

4 – Conteste se precisar

Assim como o consumidor pode solicitar o chargeback, o comerciante também tem o direito de contestá-lo.

Por exemplo, se achar que um cliente está agindo de má fé ao dizer que não recebeu sua mercadoria. Então, reúna documentos que mostrem uma comunicação feita entre sua loja e o consumidor, além de provas que a entrega foi realizada, com o nome do recebedor.  

Informe-se com a administradora do cartão qual o processo de contestação de um chargeback para dar andamento.

Conclusão

O chargeback é mais um desafio que qualquer dono de e-commerce precisa lidar. Ele pode sim assombrar o seu e-commerce e os números de faturamento. Por isso, a melhor maneira de evitá-lo é estar preparado; entendendo como ele funciona, sabendo como agir ao recebê-lo, mas principalmente, usando as dicas de como se proteger, diminuindo, assim, os riscos.

Você vai gostar também

5 erros que você deve evitar na sua loja virtual Diversos fatores têm colaborado para o crescimento das lojas virtuais, como a facilidade e a comodidade que o cliente encontra na hora da compra. Mas ...
Como funciona um gateway de pagamento na prática A gente já falou aqui os motivos que levam à necessidade de usar um gateway nas transações de compra e venda, mas existem pontos que só quem é especia...
Será que as vendas online podem salvar o varejo? Os últimos resultados das vendas no varejo não têm sido positivos, diferente da online. De acordo com a Pesquisa Mensal do Comércio, os número apontar...
E-commerce: 7 dicas rápidas para você ainda aprove... A Copa do Mundo é o assunto do momento. E você, está focado em quê? Você pode estar pensando “Mas eu não vendo TV, nem camisa de seleção ou artigos es...
Author

Especialista em Marketing de Conteúdo, escreve há mais de seis anos sobre e-commerce, meios de pagamento, tecnologia e viagens.