“font-weight: 400;”>Em 2016, as operações de venda nos cartões (somando débito e crédito) atingiram o índice de 1,14 trilhão, segundo dados da Abecs (Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviço).

Para 2017, estima-se que esse número atinja a margem de 1,22 trilhão de operações. Sem dúvidas, os cartões avançaram e se consolidaram como forma de pagamento, desde as vendas offline até as vendas online. E na recorrência não poderia ser diferente.

Empresas que trabalham com mensalidades, assinaturas e qualquer outro modelo de cobrança recorrente oferecem o cartão como forma de pagamento, mas será que sabem quais são os benefícios disso? E as que ainda não trabalham, será sabem as vantagens de oferecer essa forma de pagamento? Vamos ver:

Cartão de crédito na recorrência

Assim como nas vendas pontuais do e-commerce, para usar o cartão de crédito na recorrência é preciso estar ‘conectado’ a uma adquirente. E isso pode ser feito de três formas diferentes:

  • Usando integração direta com a adquirente;
  • Por meio de uma subadquirente;
  • Usando um gateway de pagamento.

Adquirentes

As adquirentes se conectam com as bandeiras de cartão e bancos emissores para que o processo de venda, transação, aprovação e recebimento ocorra. Mas, para se conectar diretamente às adquirentes o processo é um pouco mais burocrático e complexo. É preciso contar com a ajuda de um desenvolvedor para realizar a integração direta com o sistema da adquirente. Além disso, empresas sem CNPJ, por exemplo, não conseguem se credenciar. A vantagem está na taxa, que tende a ser menor.

Gateway

Neste caso, o processo de captação e transmissão das informações de venda, aprovação e transação fica a cargo do gateway, que se conecta às adquirentes, recebe o retorno processado por ela junto às bandeiras e bancos emissores e disponibiliza na mensageria.

A vantagem do gateway é que ele facilita a conexão das empresas com as adquirentes e, em muitos casos, já oferece um sistema antifraude, checkout transparente, uma taxa menor do que as taxas das subadquirentes, maior liberdade para trocar de adquirente e flexibilização na negociação de taxas junto às operadoras de cartão.

Subadquirentes

No caso das subs (também chamadas de intermediadoras de pagamento), todo o processo fica a cargo delas assumindo, assim, as responsabilidades e riscos das operações. Ao usar uma intermediadora, a empresa é credenciada nela e não nas adquirentes, como a exemplo do gateway.

Por assumir todos os riscos, as taxas por transação são maiores. Mas, em alguns casos, a subadquirente atende também pessoas físicas.

Neste artigo você consegue entender melhor a diferença e saber qual é a melhor opção para seu negócio.

Depois de optar pelo formato que melhor atende, a empresa será credenciada a uma operadora de cartão (diretamente ou via gateway) ou a uma subadquirente. Daí, já pode começar a vender.

Como funciona o cartão de crédito na recorrência

Ao credenciar-se, você poderá oferecer o cartão de crédito como opção de pagamento, mas para receber do cliente, precisará (como melhor opção) de uma plataforma de recebimento online. Ao vender, serão registradas informações como: dados do cartão, data de cobrança, e-mail e etc.

Feito isso, todos os meses, o software de recebimento fará a cobrança no dia programado. Algumas perguntas que surgem sobre esse processo são:

De onde o dinheiro é descontado?

Ele é debitado do limite de crédito do cartão do cliente. Por isso que na recorrência a contratação de um serviço é benéfico para o cliente, ela não toma todo o limite do serviço, apenas o valor cobrado mensalmente.

Algumas plataformas de cobrança, como a Vindi, oferecem além da opção de crédito, o pagamento no cartão de débito. Nesse caso, o valor será debitado do saldo da conta do cliente – por não ser descontado na fatura, nessa opção o limite dele também não é prejudicado.

Quem aprova o pagamento?

Isso vai depender do modelo de contratação (gateway, adquirente ou subadquirente). O gateway, por exemplo, processa os dados de cartão, se comunica com a adquirente que verifica o crédito (ou saldo) do cliente junto aos bancos e devolve ao gateway a informação de aprovação.

Ao ser aprovada, ele processa as informações e cobra. No caso de uma subadquirente, por exemplo, é ela quem fica responsável pela aprovação do pagamento e faz todo o processo de transação.

Quem faz o repasse do dinheiro?

Quem armazena os valores que serão repassados à sua empresa são as adquirentes ou subadquirentes, no prazo de 30 dias eles serão repassados para a conta da empresa.

Vantagens de usar o cartão na recorrência

Além das vantagens para o cliente, existem os benefícios do cartão de crédito para a empresa, que são:

  • Maior taxa de adesão;
  • Forte argumento de venda;
  • Taxa de crédito à vista reduzida;
  • Cobrança automática.

A depender da plataforma de cobrança que você contratar, existem outras vantagens. Na Vindi, por exemplo, além das vantagens citadas acima, com as funcionalidades oferecidas você tem benefícios como:

  • Redução de inadimplência;
  • Retentativa automática;
  • Aumento da retenção (renovação automática em caso de cartão vencido);
  • Pesquisa de melhores de taxas (com as adquirentes);
  • Controle financeiro.

Se você ainda não trabalha com recorrência (mas quer) ou já trabalha, entenda que o uso do cartão é crucial para o seu negócio. Assim, você entrega a facilidade, comodidade e experiência para o cliente e automatiza totalmente a gestão de recebimento da sua empresa.