Autodesk vai vender somente no modelo de assinaturas a partir de 2016

A grande vantagem da mudança é a flexibilidade na entrega das atualizações, que passa a ser mais rápida, além de permitir aos clientes a assinatura de planos em períodos anuais, trimestrais ou mensais. A estratégia é reduzir custos e se adaptar com maior agilidade. A adequação às assinaturas trará benefícios a cliente pequenos, como escritórios de advocacia, contabilidade, designers e até mesmo freelancers, que antes teriam que pagar uma licença perpétua e realizar grandes investimentos, mas que a partir do ano que vem poderão adotar o novo modelo. Diante dos fatos, você sabe quem é a Autodesk? Qual o mercado atuante? Quando e como foi fundada? Acompanhe o post e saiba importantes detalhes da evolução e atuação da Autodesk no mercado. Confira!

Quem é a Autodesk?

A Autodesk, fundada em 1982, é uma empresa de software de design e conteúdo digital, cujo faturamento de 2014 chegou à casa dos US$ 2,5 bilhões. A empresa desenvolve as tecnologias 2D e 3D mais modernas do mercado, possibilitando que usuários possam visualizar, simular e analisar os resultados das suas ideias sob condições realistas antes mesmo do encerramento do projeto. O que fornece aos clientes que os projetos sejam melhorados e aprimorados antes mesmo de iniciar a execução, economizando tempo e dinheiro, além de uma melhoria contínua na qualidade.

Primeiros softwares

Em 1982, a Autodesk introduziu no mercado o AutoCAD, um programa que poderia rodar em vários sistemas operacionais, sobretudo, para arquitetura CP/M, além do DOS e Unix. O objetivo inicial era tornar o AutoCAD conhecido e funcional.

Em 2002, a empresa adquiriu um software de uma concorrente chamado Revit pelo preço de US$ 133 milhões. O Revit, que atuava no campo de soluções para construção e infraestrutura, e o Inventor, para o campo de mecânica, formaram a primeira geração dos produtos Autodesk – largando, assim, os códigos do AutoCAD e abrindo espaço para novas tecnologias. Em 2006, a Autodesk adquiriu a Alias, cujo valor era de US$ 197 milhões. Desde então, a empresa vem crescendo e se readequando a um novo mundo de negócios – isso vale para um modelo de assinatura periódica.

A mudança

A empresa vem se adequando às mudanças levando em consideração três importantes fatores: a impressão 3D, que futuramente deve ser tornar uma commodity; a forma como a vida útil dos produtos pode ser alterada por meio de updates de softwares distribuídos pela internet; e o aumento da demanda por produtos e serviços customizados. Diante disso, a mudança é inevitável e o modelo de assinatura periódica, baseado na distribuição pela nuvem, segue as novas exigências dos consumidores, que querem escolher um software por um tempo, sem que ter que comprá-lo permanentemente.

economia da recorrencia

Gostou da novidade? Compartilhe conosco sua opinião nos comentários abaixo!

A Equipe de redação Vindi é formada pela área de sucesso do cliente, marketing, financeira e vendas. Todo mundo contribui para que você fique informado sobre tudo em assinaturas, pagamento on-line e Saas.

Você vai gostar também

NFL entra no mercado de assinaturas Essa é uma boa notícia para quem gosta de esportes. A NFL – National Football League, dos EUA – anunciou na semana passada que irá lançar um serviço d...
Sistemas de cobrança para empresas de serviços Nos últimos anos, os serviços de assinatura têm experimentado um grande crescimento no Brasil. Hoje é possível encontrar, além das tradicionais assina...
‘Efeito Netflix’ chega aos jogos digitais Apesar de Millennial, eu tenho manias analógicas ainda, como anotar tarefas em agendas de papel que eu certamente não vou ler, rascunhar  ideias de pa...
Como otimizar seu negócio de assinaturas? Diversos fatores contribuem para o sucesso ou o fracasso de um negócio, mas uma boa gestão, uso de métricas e ações para barrar a inadimplência são es...